Atualidade

António Alvim: “O Ministro da Saúde foi duplamente assassinado no debate do Orçamento pela bancada do PS”

HealthNews (HN)- O ministro da Saúde abriu a possibilidade para a criação de Unidades de Saúde Familiar modelo C por um “período transitório”. Esta medida seria a ‘chave de ouro’ para resolver a falta de médicos de família?

António Alvim (AA)- .Na sexta-feira ficamos a saber que o número de utentes sem Médico chegou aos 1 456 369. É uma situação dramática em Lisboa e na Grande Lisboa. Por exemplo em Lisboa existe, mais de 150 mil utentes sem MF, na Amadora 57 mil, em Loures/Odivelas 96 mil, em Sintra 121 mil. As USF modelo C poderiam resolver diversos problemas. Estas unidades poderiam atrair muitos médicos reformados, médicos que optaram por ficar fora do SNS e médicos que estão a pensar em sair do SNS.

A posição do ministro da Saúde sobre esta matéria é interessante, mas Manuel Pizarro foi contrariado logo na semana a seguir no Parlamento.

HN- O Parlamento chumbou as propostas apresentadas sobre esta matéria, com votos contra da maior parte da bancada parlamentar, incluindo do Partido Socialista. Como olha para a falta de coordenação entre o partido e o Governo?

Pub

AA- Eu dira que o Ministro da Saúde foi duplamente assassinado no debate do Orçamento pela bancada do PS, onde está sentada a ex-ministra Marta Temido; bancada que expressamente chumbou, por esquerdismo bacoco, a hipótese de Modelos C; e por outro lado aprovou um orçamento em que não fala em novas USFs de Modelo B (o que reforça a descrença instalada nesta solução, que já foi uma forma de atrair os médicos para esta especialidade e para o SNS, mas em que aqueles já não acreditam) e em que o aumento do financiamento para o SNS não dá sequer para cobrir a inflação, pelo que o funcionamento do SNS em vez de melhorar vai piorar.

O Ministro ficou sem qualquer instrumento para atuar.

HN- O Bloco de Esquerda, um dos partidos mais críticos, afirmou que se trata da “privatização” dos cuidados primários de saúde. É verdade?

AA- Temos a mania que copiamos o sistema de saúde britânico (modelo de Beveridge), mas, na verdade, copiamos o sistema soviético (modelo Semashko)… No Sistema Inglês os médicos de família sempre foram privados. Sempre foram Modelo C. Mas qual é o problema de haver unidades privadas convencionadas que até podem sair mais económicas que as públicas? O que importa é resolver o problema dos utentes.

Pub

HN- Agora que soluções existem?

AA-Agora a única solução que resta, se o Governo se importa realmente com a saúde dos que não têm médico de família é permitir que a estes, sempre que recorram a um Médico de Família privado, este lhes possa requisitar exames complementares de diagnóstico pelo SNS, como acontece com as receitas de medicamentos, referenciar para as consultas hospitalares no SNS e passar baixas por doença.

E igualmente àqueles que voluntariamente optem por ter um Médico de Família Privado (e muita gente o tem), deixando o lugar vago para quem precisa e não tem médico de família no SNS. Porque o problema não é a falta de Médicos de Família, é a sua falta no SNS. E enquanto muitos têm um MF em duplicado, um no SNS e outro no Privado, muitos outros nem num lado nem noutro

HN- Ao Governo tem sido imputada a responsabilidade sobre a rotura do SNS que, aos olhos de alguns, tem impedido a introdução de certas medidas por “questões ideológicas”. Concorda?

AA- Só pode ser explicado por motivos ideológicos ou estes usados para esconder que por falta de dinheiro. Austeridade portanto. O que é que fixou os médicos ao SNS? Foi o regime das 42 horas com exclusividade. Estes profissionais eram bem pagos. Isso acabou nos governos do PS restando as 35 horas simples muito mal pagas. Em 2012, os sindicatos acordaram o aumento das 35 horas semanais para as 40 e o aumento de utentes por médico de família, mas sem o subsídio de exclusividade. Os médicos ficaram a perder. Esse acordo, que era uma medida pontual durante o período de crise, tem dez anos e até agora não foi revisto. Portanto, o Governo é o responsável pela atual crise do SNS, pois continua a manter os médicos mal pagos… Em Lisboa, um médico que entre como especialista recebe 1.600 euros líquidos. Vai quase tudo para pagar a casa. Isto leva a que haja falta de médicos.

HN- Em 2016 foi prometida a atribuição de médicos de família a todos os portugueses. Passados seis anos de governação do PS esta promessa continua por cumprir. Que medidas devem ser implementadas para resolver este problema?

AA- As soluções poderiam passar pelas 42 horas com exclusividade ou o acesso fácil ao Modelo B; pela criação de USF modelo C para atrair médicos reformados e médicos que não querem trabalhar no SNS ou, inclusive, pela redução do horário de trabalho. Hoje em dia, os médicos priorizam o equilíbrio entre a vida profissional e pessoal. Estes profissionais querem e precisam de ter tempo para a família. A verdade é que é mais fácil arranjar essas soluções no modelo C do que no sistema público.

HN- Está a preparar-se para criar uma USF modelo C. Tendo em conta a rejeição deste modelo por parte do Parlamento irá ainda assim prosseguir com esta ideia?

Pub

AA- Estou a criar um centro de saúde privado no Lumiar. Como o ministro mostrou aquela abertura, na semana seguinte direcionei uma carta ao Ministério da Saúde a indicar que me disponibilizava para candidatar a minha Unidade a um Modelo C que cobriria dez mil utentes, sendo que no Lumiar há mais de 17 mil utentes sem médico de família. Não recebi qualquer resposta e na semana passada surgiu a notícia de que o Parlamento tinha chumbado o Modelo C.

A constituição obriga o Governo a dar médicos de família às pessoas. Quando o Estado não consegue cumprir esta necessidade tem que contratualizar com o setor privado. Está na Constituição, está na lei de bases da saúde, está no estatuto do SNS e nas competências do seu “CEO”. Portanto, é algo que está previsto na lei.

Mas em termos de “negócio” o setor privado só tem a agradecer a este governo socialista pelo fluxo de utentes que lhe está a chegar pela falta de resposta do SNS.

HN- Segundo dados da Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS), este ano mais de 600 médicos entregaram os papéis para a aposentação (houve mais médicos a pedir a reforma do que em 2021). Em que medida esta realidade afeta as expectativas de melhoria da prestação de cuidados do SNS?

AA- A situação vai piorar. Neste momento, a situação nas Unidades de Cuidados de Saúde Personalizados é aflitiva… Onde havia oito médicos, hoje só há dois. Os médicos não estão a conseguir dar reposta. É um caos nessas unidades. Veja-se uma reportagem recente sobre o que se passa na UCSP de Algueirão (Sintra). É algo que não pode continuar.

HN- E olhando para as verbas previstas no Orçamento de Estado para a Saúde, considera que vai ser possível mudar as condições que hoje existem no SNS?

AA- Não. O documento que foi apresentado nem sequer fala de novas Unidades de Saúde Familiar modelo B que é outra forma de conseguir fixar os médicos de família no SNS. Estes profissionais já perceberam que só há modelos B na altura de eleições. Recordo que, em 2019, Marta Temido disse que não haveria mais modelos B enquanto não fosse revista a lei das USF. Estamos em 2022 e essa revisão ainda não foi feita. Tenho conhecimento de um projeto entregue em julho, mas não o conheço. Portanto, não sei se essa revisão vai ou não para a frente.

HN- O processo de escolhas para a área de especializaç vão do Internato Médico de 2022 terminou na segunda-feira. Apesar de se ter registado um recorde de vagas ocupadas (1.883 médicos escolheram especialidade), 161 vagas ficaram por ocupar. Qual a leitura que faz destes dados?

Pub

AA- Isso demonstra que há médicos que não querem trabalhar no SNS e que preferem ir para as urgências dos hospitais privados, ou simplesmente ir fazer outra coisa. O Governo tem que encarar esta realidade. O único ministro que tem peso é o das Finanças e a Saúde não pode estar dependente do ministro das finanças. É preciso repensar o modelo de financiamento da Saúde em Portugal, mas ninguém ousa pegar nesse tema.

HN- Mas com a nova Direção Executiva do SNS e o novo estatuto não considera que pode haver melhorias no sistema de saúde?

AA- Essa é outra questão… Estão-nos a enfiar barretes sucessivos. Inicialmente foi dito que haveria um CEO do SNS e não foi o que aconteceu. Temos um Diretor-Geral que não tem poderes a nível de contratações, vencimentos, instalações, sistema informático e recursos humanos.

Outra ideia que nos está a ser vendida é o alargamento do horário nos centros de saúde ao fim de semana. É outra mentira. Estive a olhar para o mapa e, em Lisboa, a única unidade que aumentou foi Sete Rios que passou a atender utentes ao domingo das 10h00 às 18h00 quando antes era até às 16h00. Aumentaram duas horas o horário de atendimento, mas a maior parte das horas de um fim-de-semana não são cobertas…

Sou do tempo em que havia SAP – Serviço Atendimento Permanente -, nos cuidados de saúde primários, abertos das 8h00 às 00h00. Tudo isso acabou. Assim como há muitos anos acabou o regime das 42 horas com exclusividade consagrado no celebre 73/90 acordado entre os sindicatos médicos e a Ministra Leonor Beleza que permitiu encher o País de Médicos de Família.

E por isso agora a falta de médicos, a saga das filas à porta dos centros de saúde para uma vaga no dia, e as urgências hospitalares entupidas… estamos claramente a piorar, não a melhorar

E o parlamento recusou ao Ministro qualquer instrumento para dar a volta à situação. É por isso que digo que o Ministro já foi assassinado…

Entrevista de Vaishaly Camões

Pub

Fonte: Lifestyle Sapo

Looks like you have blocked notifications!

Portalenf Comunidade de Saúde

A PortalEnf é um Portal de Saúde on-line que tem por objectivo divulgar tutoriais e notícias sobre a Saúde e a Enfermagem de forma a promover o conhecimento entre os seus membros.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Botão Voltar ao Topo
Situs sbobet resmi terpercaya. Daftar situs slot online gacor resmi terbaik. Agen situs judi bola resmi terpercaya. Situs idn poker online resmi. Agen situs idn poker online resmi terpercaya. Situs idn poker terpercaya.

situs idn poker terbesar di Indonesia.

List website idn poker terbaik.

Permainan judi slot online terbaik

Keuntungan Bermain Di Situs Judi Bola Terpercaya Resmi
error: Alert: Conteúdo protegido !!