Notícias

Modelo fornece informações sobre como o autismo surge

Modelo explica como surge o autismo

Os três fatores têm pesos diferentes e, juntos, constroem o diagnóstico de autismo. Crédito: Universidade de Gotemburgo

O desenvolvimento do autismo pode agora se tornar mais fácil de entender, graças a um modelo explicativo apresentado em uma tese da Universidade de Gotemburgo. Este modelo fornece novos insights sobre como vários fatores de risco dão origem ao autismo e por que existe uma variabilidade tão grande entre os indivíduos.

O autismo, uma condição de neurodesenvolvimento, afeta a forma como as pessoas percebem o mundo ao seu redor e como interagem e se comunicam com os outros. Entre os indivíduos com autismo, existem grandes diferenças em termos de traços pessoais e manifestações semelhantes. O distúrbio é, portanto, geralmente descrito como um espectro, com inúmeras variações sutis.

O novo modelo explicativo é teórico mas simultaneamente prático na aplicação, uma vez que as suas várias componentes são mensuráveis ​​através, por exemplo, de questionários, mapeamento genético e testes psicológicos. O modelo descreve vários fatores contribuintes e como eles se combinam para solicitar um diagnóstico de autismo e causar outras condições de neurodesenvolvimento.

Três fatores contribuintes

O modelo vincula três fatores contribuintes. Juntos, eles resultam em um padrão de comportamento que atende aos critérios para um diagnóstico de autismo:

  1. Personalidade autista – variantes genéticas hereditárias comuns que dão origem a uma personalidade autista.
  2. Compensação cognitiva – inteligência e Funções executivascomo a capacidade de aprender, entender os outros e adaptar-se às interações sociais.
  3. Exposto a fatores de risco— por exemplo, variantes genéticas nocivas, infecções e outros eventos aleatórios durante a gestação e na primeira infância que afetam adversamente a capacidade cognitiva.

“A personalidade autista está associada tanto a pontos fortes quanto a dificuldades na cognição, mas não significa, como tal, que os critérios diagnósticos sejam preenchidos. Ainda assim, a exposição a fatores de risco que inibem a capacidade cognitiva das pessoas pode afetar sua capacidade de enfrentar dificuldades, o que contribui para que os indivíduos sendo diagnosticado com autismo”, diz Darko Sarovic, médico e pesquisador de pós-doutorado na Sahlgrenska Academy, Universidade de Gotemburgo, que escreveu a tese.

O modelo deixa claro que são os diversos fatores de risco combinados que trazem as principais diferenças entre os indivíduos do espectro. Os vários componentes do modelo são suportados por resultados de pesquisas anteriores.

capacidade adaptativa

Altas habilidades de funcionamento executivo podem permitir que as pessoas compensem sua deficiência de forma a mitigar os sintomas, o que reduz o risco de atender aos critérios diagnósticos para autismo. Isso pode explicar por que, em nível de grupo, os pesquisadores observam um menor grau de inteligência entre as pessoas diagnosticadas com autismo, bem como outras condições de neurodesenvolvimento. Também permite entender por que deficiência intelectual é mais comum entre esses grupos. Assim, o modelo indica que a baixa capacidade cognitiva não faz parte da personalidade autista, mas sim um fator de risco que leva a critério de diagnóstico sendo atendido.

“A personalidade autista está associada a vários pontos fortes. Por exemplo, pais de crianças com autismo estão super-representados entre engenheiros e matemáticos. Os próprios pais provavelmente foram capazes de compensar seus próprios traços de personalidade autista e, portanto, não preencheram os critérios para um diagnóstico de autismo O impacto do distúrbio tornou-se mais perceptível em seus filhos devido, por exemplo, à exposição a fatores de risco e à capacidade cognitiva relativamente baixa”, diz Sarovic.

Diferença entre meninas e meninos

O diagnóstico de autismo é mais comum entre os meninos do que entre as meninas, e as meninas geralmente recebem o diagnóstico mais tarde na vida. Algumas meninas atingem a idade adulta antes de serem diagnosticadas, após muitos anos de dificuldades pessoais difusas.

“Os sintomas das meninas geralmente são menos evidentes para outras pessoas. É bem conhecido que garotas geralmente têm habilidades sociais mais avançadas, o que provavelmente significa que são melhores em compensar suas próprias dificuldades. As meninas também tendem a ter menos traços autistas e são menos suscetíveis aos efeitos dos fatores de risco. Assim, o modelo pode ajudar a responder a perguntas sobre a diferença de gênero”, diz Sarovic.

Pesquisa e diagnóstico

O modelo também propõe maneiras de estimar e medir os três fatores (autista personalidade, compensação cognitiva e exposição a fatores de risco). Isso possibilita a utilização do modelo no planejamento de pesquisas e na interpretação de seus resultados.

O diagnóstico é outra área concebível de uso. Em um estudo piloto em que 24 participantes foram diagnosticados com autismo e 22 controles não, a medição dos três fatores do modelo permitiu que mais de 93% fossem corretamente atribuídos à categoria correta. o modelo também pode ser usado para explicar o início de outros transtornos do neurodesenvolvimento, como a esquizofrenia.

Mais Informações:
Tese: Uma Abordagem Multimodal para a Categorização Biológica do Autismo – Desenvolvimento de Modelos Teóricos, Métodos de Classificação e Biomarcadores; hdl.handle.net/2077/73553

Darko Sarovic, A Framework for Neurodevelopmental Disorders: Operationalization of a Pathogenetic Triad, (2019). DOI: 10.31234/osf.io/mbeqh

Darko Sarovic et al, Autismo classificado por ressonância magnética: um estudo piloto de uma ferramenta de diagnóstico potencial, Jornal Internacional de Métodos em Pesquisa Psiquiátrica (2020). DOI: 10.1002/mpr.1846

Darko Sarovic et al, Pareidolia como uma sonda para componentes de processamento facial precoce e tardio no autismo: um estudo magnetoencefalográfico. (manuscrito em revisão)

Elena V. Orekhova et al, O controle de ganho neural medido por meio de oscilações gama corticais está associado à sensibilidade sensorial, Mapeamento do Cérebro Humano (2018). DOI: 10.1002/hbm.24469

Citação: O modelo fornece informações sobre como o autismo surge (2022, 28 de dezembro) recuperado em 28 de dezembro de 2022 em https://medicalxpress.com/news/2022-12-insight-autism.html

Este documento está sujeito a direitos autorais. Além de qualquer negociação justa para fins de estudo ou pesquisa privada, nenhuma parte pode ser reproduzida sem a permissão por escrito. O conteúdo é fornecido apenas para fins informativos.

Looks like you have blocked notifications!

Segue as Notícias da Comunidade PortalEnf e fica atualizado.(clica aqui)

Portalenf Comunidade de Saúde

A PortalEnf é um Portal de Saúde on-line que tem por objectivo divulgar tutoriais e notícias sobre a Saúde e a Enfermagem de forma a promover o conhecimento entre os seus membros.

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo
Keuntungan Bermain Di Situs Judi Bola Terpercaya Resmi slot server jepang