Notícias

“Pensei que estava louca”: doença impede brasileira de produzir lágrimas

rasec / Flickr

Foi em 2008, durante a gestação do segundo filho, que a estudante de enfermagem Rafaela Santana Oliveira Silva, hoje com 42 anos, começou a ter sintomas como queda de cabelo, comichão pelo corpo, fadiga e a sentir os olhos e a boca secos.

No entanto, a mulher, que mora em Salvador, no Brasil, acabou por dedicar-se aos cuidados com o filho recém-nascido e deixou de lado os cuidados com a saúde.

Quatro anos mais tarde, notou que os sintomas, ao invés de melhorarem, estavam a agravar. Foram oito anos e dezenas de consultas com os mais variados especialistas – dentista, oftalmologista, dermatologista e neurologista. Não havia um diagnóstico.

“Conforme o tempo passava, os meus sintomas só pioravam. Não produzia mais lágrimas e nem saliva, não conseguia chorar e para me alimentar precisava ingerir líquido junto [com a comida]. Comecei a ter dores muito fortes nas articulações e fadiga constante que impediam de fazer atividades simples do dia a dia”, detalhou.

Nessa época, devido às dores intensas, a estudante conta que teve a mobilidade reduzida e movia-se com dificuldade. “Fui diagnosticada com fibromialgia, mas sabia que não era só isso. Que eu tinha alguma doença a mais. Também cheguei a ser diagnosticada com lúpus, mas os médicos estavam errados”, recordou.

Rafaela afirma que enquanto ia de médico em médico, em busca de um diagnóstico, chegou a pensar que estava com problemas psiquiátricos, já que por muitas vezes ouviu das pessoas e dos próprios profissionais que “não era possível ela ter tantas dores” como dizia.

“Eu sentia dor no meu corpo todo e de tanto falarem que não era possível, eu pensei que estava a ficar louca. Que as dores não eram reais e sim psicológicas”, recordou. Ela também procurou ajuda psicológica para lidar com a situação.

Foi durante uma consulta com um clínico geral, no final de 2019, que foi levantada a hipótese de Rafaela ter a síndrome de Sjögren – uma doença rara que causa secura da pele, olhos e boca, além de afetar outros sistemas do corpo.

Karolina Grabowska / Pexels

“Fui encaminhada para o reumatologista e ele pediu-e uma série de exames. Seis meses depois veio o diagnóstico: tinha síndrome de Sjögren. Eu nunca tinha ouvido falar e não fazia ideia do que era”, contou.

O diagnóstico trouxe alívio, mas também medo. Além de ter que lidar com as dores diárias causadas pela doença, Rafaela afirma que precisou enfrentar o preconceito das pessoas.

“Muitas pessoas olham e por eu não ter um sinal físico da doença, por ela ser ‘invisível’, duvidam que realmente existe. As pessoas não entendem a minha fadiga e as dores no corpo. Já tive que mostrar o atestado médico para acreditarem”, relatou.

Para entender mais sobre a doença, a estudante passou a pesquisar conteúdos que a pudessem auxiliar nessa fase de adaptação à nova vida. Criou uma página no Instagram onde fala sobre a doença e divide a sua experiência.

“É diferente um médico falar e uma pessoa com a doença falar. Por isso tento mostrar um pouco da minha vida e converso muito com outras pessoas que também têm a síndrome”, disse.

A síndrome de Sjögren não tem cura e o tratamento é feito com uma equipa multidisciplinar que inclui reumatologista, oftalmologista e dentista.

Para amenizar os sintomas de secura na pele, olhos e boca, Rafaela usa produtos específicos. “É uma nova vida, porque os medicamentos causam muitos efeitos colaterais. Um dia estás bem e no outro estás tão fatigado que não consegues levantar da cama. É uma luta diária”, contou.

A síndrome de Sjögren, também conhecida como síndrome seca, é uma doença rara, crónica e autoimune, que tem como principal característica a secura ocular e na boca associada à presença de sinais de inflamação glandular.

Os linfócitos invadem alguns órgãos e glândulas, principalmente as lacrimais e salivares, gerando um processo inflamatório que prejudica o funcionamento. Pacientes com a doença apresentam também secura na pele, nariz e vagina, fadiga, artralgias e artrites.

“A pessoa tem sensação de secura, irritação, comichão, vermelhidão, ardor e sensação de areia nos olhos. Pode ocorrer também dificuldade para abrir os olhos pela manhã, visão turva e desconforto ao ler, ver televisão ou ficar por tempo prolongado em frente ao computador. Fatores ambientais como vento, ventilador, ar condicionado e baixa humidade agravam a situação”, explicou Keila Monteiro de Carvalho, professora titular de oftalmologia da FCM/Unicamp.

agnesliinnea / Pixabay

Além disso, outros órgãos do corpo, como os rins, pulmões, fígado, pâncreas e sistema nervoso central também podem ser afetados. O surgimento da síndrome de Sjögren é mais comum em mulheres entre 40 e 50 anos e a proporção de mulheres e homens acometidos é de cerca de 9 para 1.

Ainda não se sabe o que causa a síndrome de Sjögren e, porque só se manifesta na fase adulta. Segundo os especialistas, acredita-se que a doença se desenvolva devido a três fatores principais: genético, ambiental e hormonal (o que explicaria a maior frequência nas mulheres).

Não existe nenhum exame que, isoladamente, defina o diagnóstico da síndrome de Sjögren. Para tal, o médico considera características como: os sintomas, as alterações do exame clínico, os exames realizados por um oftalmologista, os resultados de exames laboratoriais e de imagem e o resultado de uma biópsia das pequenas glândulas salivares localizadas na face interna do lábio inferior.

Não há cura para a síndrome, e o tratamento varia conforme os sintomas apresentados por cada paciente, sendo necessário um acompanhamento multidisciplinar.

“A doença tem um quadro clínico bastante variável. Alguns pacientes apresentam apenas sintomas de secura, enquanto outros apresentam graves acometimentos orgânicos, como, por exemplo, o neurológico”, explicou Sandra Gofinet Pasoto, médica assistente do Serviço de Reumatologia, Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP).

“Algumas medidas gerais ajudam a diminuir o ressecamento das mucosas: evitar ambientes secos, usar humidificadores; proteger os olhos da luz solar e vento ao utilizar óculos; não usar lentes de contacto; ingerir líquidos adequadamente; passar cremes hidratantes na pele e nos lábios e não fumar; são algumas delas”, continuou a também coordenadora da Comissão de Síndrome de Sjögren da Sociedade Brasileira de Reumatologia.

“Já para os acometimentos sistémicos, podem ser utilizados glicocorticoides, imunossupressores e alguns agentes biológicos”, acrescentou.

Além disso, segundo os especialistas, é necessária uma mudança nos hábitos como evitar o consumo de doces, utilizar sabonetes sem álcool ou perfumes, evitar ficar em ambientes com ar condicionado ou vento, e não usar dispositivos com telas – como computador e telemóvel – por tempo prolongado.

“A síndrome de Sjögren requer atenção porque pode desencadear outras comorbidades como o acometimento pulmonar, manifestações renais, sistema nervoso periférico e o sistema nervoso central. Outras manifestações, como cefaleia, disfunção cognitiva e distúrbio do humor, são muito frequentes também”, explicou o reumatologista Marco Antônio Araújo da Rocha Loures, presidente da Sociedade Brasileira de Reumatologia.

“Manifestações hematológicas caraterizam-se por anemias e baixa defesa pela queda de leucócitos. Pericardite, lesão valvar, miocardite e arritmias podem ser manifestações cardíacas. A hipertensão pulmonar ocorre”, concluiu.

Fonte: ZAP

Looks like you have blocked notifications!

Segue as Notícias da Comunidade PortalEnf e fica atualizado.(clica aqui)

Portalenf Comunidade de Saúde

A PortalEnf é um Portal de Saúde on-line que tem por objectivo divulgar tutoriais e notícias sobre a Saúde e a Enfermagem de forma a promover o conhecimento entre os seus membros.

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo
Keuntungan Bermain Di Situs Judi Bola Terpercaya Resmi slot server jepang