Notícias

Pesquisadores desenvolvem um novo ‘scorecard’ para o progresso na saúde sexual

pessoas felizes

Crédito: Pixabay/CC0 Domínio Público

Sair do foco no risco de doenças para uma abordagem mais positiva, holística e promotora da saúde sexual é a chave para melhorar os resultados de saúde, de acordo com um novo estudo liderado por um pesquisador da Columbia University Mailman School of Public Health. O estudo, que propõe indicadores para avaliar o amplo progresso nos resultados de saúde sexual, aparece na revista de acesso aberto Fronteiras da Saúde Pública.

As taxas de infecções sexualmente transmissíveis (DSTs) aumentaram substancialmente durante a pandemia de COVID-19, auxiliadas por atrasos no tratamento e na vigilância. As DSTs são as doenças infecciosas mais relatadas nos Estados Unidos, os cânceres do trato reprodutivo afetam centenas de milhares de pessoas anualmente e quase metade de todas as gestações não são intencionais. Desfavoraveis saúde os resultados são caros, com os custos médicos diretos das DSTs estimados em US$ 16 bilhões anualmente, e os custos anuais estimados de gestações indesejadas em US$ 9 bilhões.

Nos Estados Unidos, os pesquisadores de saúde pública têm se concentrado amplamente em saúde sexual desafios como estes, um de cada vez. No entanto, muitos desses resultados ocorrem nos mesmos indivíduos e subpopulações, criando sindemias (epidemias sobrepostas de dois ou mais problemas relacionados à saúde) decorrentes de condições sociais como pobreza, estigma e violência estrutural. No entanto, nos últimos anos, outros países adotaram uma abordagem mais holística para avaliar os resultados da saúde sexual, alinhada com a definição de saúde sexual da Organização Mundial da Saúde, que os pesquisadores usaram como estrutura para seu estudo.

A equipe de pesquisa trabalhou com especialistas dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) para identificar os principais indicadores de saúde sexual para medir resultados de longo prazo, focados na população em geral e alinhados com as metas governamentais existentes. Foram selecionados indicadores que se encaixam em um dos quatro objetivos: 1) aumentar o conhecimento, a comunicação e as atitudes respeitosas em relação à saúde sexual; 2) aumentar comportamentos e relacionamentos sexuais saudáveis, responsáveis ​​e respeitosos; 3) uso crescente de serviços educacionais, clínicos e outros serviços preventivos de alta qualidade para melhorar a saúde sexual; e 4) diminuir efeitos adversos resultados de saúde.

O estudo identifica 23 indicadores vinculados a esses objetivos. Os pesquisadores escrevem que seus esforços foram mais bem-sucedidos na identificação de indicadores para medidas tradicionais de saúde pública, como serviços clínicos e resultados adversos (exemplo: novas infecções por HIV entre adolescentes e adultos) e menos para medidas de atitudes e relacionamentos relacionados à saúde sexual (exemplo: porcentagem de pessoas que relatam ser muito felizes no casamento).

Os pesquisadores prevêem que esses indicadores básicos de saúde sexual seriam publicados na forma de um índice disponível ao público e atualizado com frequência. Esses indicadores de saúde sexual podem ser usados ​​para monitoramento contínuo e para orientar pesquisas relacionadas, programação e desenvolvimento de políticas para ajudar a promover a saúde sexual nos próximos anos. A equipe espera que os indicadores propostos sejam revisados ​​e revisados ​​ao longo do tempo para garantir a utilidade.

“Embora tenha havido apelos para um foco mais positivo e holístico na saúde sexual, este artigo leva esses apelos um passo adiante e destaca a importância da medição”, diz a autora do estudo Jessie V. Ford, Ph.D., professora assistente de ciências sociomédicas na Columbia Mailman School.

“Imagine se os EUA tivessem um scorecard disponível ao público onde pudéssemos rastrear facilmente nossa saúde sexual. Isso nos ajudaria a pensar sobre onde comemorar nossas vitórias e onde fazer mudanças e investir recursos. Nós encaramos este documento como uma espécie de linha de base sobre a qual para construir medidas e vigilância ainda melhores no futuro.”

Os co-autores do estudo são Megan B. Ivankovich, do Population Reference Bureau, e Eli Coleman, do Instituto de Saúde Sexual e de Gênero da Universidade de Minnesota Twin Cities.

Mais Informações:
Jessie V. Ford et al, Indicadores de saúde sexual para os Estados Unidos: Medindo o progresso e documentando as necessidades de saúde pública, Fronteiras da Saúde Pública (2023). DOI: 10.3389/fpubh.2022.1040097

Citação: Pesquisadores desenvolvem um novo ‘scorecard’ para o progresso na saúde sexual (2023, 9 de março) recuperado em 9 de março de 2023 em https://medicalxpress.com/news/2023-03-scorecard-sexual-health.html

Este documento está sujeito a direitos autorais. Além de qualquer negociação justa para fins de estudo ou pesquisa privada, nenhuma parte pode ser reproduzida sem a permissão por escrito. O conteúdo é fornecido apenas para fins informativos.

Portalenf Comunidade de Saúde

A PortalEnf é um Portal de Saúde on-line que tem por objectivo divulgar tutoriais e notícias sobre a Saúde e a Enfermagem de forma a promover o conhecimento entre os seus membros.

Looks like you have blocked notifications!

Comenta no Facebook

Portalenf Comunidade de Saúde

A PortalEnf é um Portal de Saúde on-line que tem por objectivo divulgar tutoriais e notícias sobre a Saúde e a Enfermagem de forma a promover o conhecimento entre os seus membros.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Botão Voltar ao Topo
Keuntungan Bermain Di Situs Judi Bola Terpercaya Resmi slot server jepang
error: Alert: Conteúdo protegido !!
Send this to a friend