Notícias

Quase todos os países do mundo criminalizam o aborto em algumas circunstâncias, constata revisão global

prisão

Crédito: Pixabay/CC0 Domínio Público

Quase todos os países do mundo criminalizam o aborto em algumas circunstâncias, apesar dos riscos à saúde pública e do impacto nos direitos humanos, constata uma revisão do escopo das penalidades para o procedimento em 182 nações, publicada na revista de acesso aberto BMJ Global Health.

Cerca de 134 países penalizam aqueles que procuram um aborto, enquanto 181 penalizam os provedores e 159 também punem aqueles que auxiliam no procedimento, mostra a revisão.

As evidências indicam que a criminalização não impede as mulheres de decidirem fazer um aborto; em vez disso, limita ou atrasa o acesso ao aborto seguro e aumenta a necessidade de recorrer a serviços inseguros e não regulamentados, apontam os pesquisadores.

A criminalização também ajuda a corroer a disponibilidade de profissionais treinados provedores de aborto e habilidades relevantes na força de trabalho de saúde, acrescentam.

Para descobrir a extensão das penalidades criminais por buscar, fornecer e ajudar com abortos em todo o mundo, os pesquisadores basearam-se em dados até outubro de 2022 do Banco de Dados Global de Políticas de Aborto (GAPD), que abrange os estados membros da ONU.

Nove países foram excluídos da revisão porque a regulamentação do aborto não é uniforme em diferentes jurisdições: Nigéria; Bósnia; o Reino Unido; México; NÓS; Austrália; China; Suíça; e Canadá.

A análise dos dados mostrou que em 163 países, a definição e as penalidades para delitos relacionados ao aborto estão contidas no código penal geral. Em 12 países, as ofensas e penalidades são encontradas em leis específicas sobre o aborto; em 8 eles são encontrados em outros tipos de fontes legais, como códigos de saúde, leis de saúde reprodutiva e leis sobre crianças.

Em 11 países, o aborto é totalmente criminalizado e proibido em todas as circunstâncias, mas o procedimento é criminalizado em algumas circunstâncias na maior parte do restante.

Em 134, a pessoa que busca o aborto é penalizada; no 181, são os provedores; e no 159, quem auxilia no acesso ou fornecimento está sujeito a penalidades criminais.

A gama de penalidades que as pessoas condenadas por crimes relacionados ao aborto podem enfrentar é ampla, embora multas e prisão sejam as mais comuns.

Em 91 países, a pena máxima para quem busca a interrupção da gravidez é de até 5 anos de prisão por aborto consensual, caso não haja agravantes. Em 25 países, a pena máxima varia entre 5 e 10 anos, e entre 10 anos e prisão perpétua na Guiné Equatorial e na Zâmbia. Em Kiribati, Ilhas Salomão, Tuvalu, Barbados, Belize e Jamaica, uma pessoa que procura um aborto pode ser presa por toda a vida; 48 países aplicam multas.

Embora em alguns países as multas possam ser impostas como alternativa à prisão, na maioria, as multas podem ser aplicadas além da pena de prisão. Punições semelhantes se aplicam aos provedores.

Quando se aplicam fatores agravantes, como morte, pouca idade, consentimento negado, a sentença máxima de prisão para provedores pode ser de 20 anos ou mais na Argélia, Burundi, Malásia, Mali, Marrocos, Sri Lanka, Tailândia, Costa do Marfim e Turquia, e prisão perpétua em Benin, Burkina Faso, Ruanda, Cingapura, Sudão do Sul e Índia.

Setenta e seis países multam os provedores de aborto. Quarenta e oito aplicam sanções profissionais, que incluem: apreensão ou confisco de equipamentos; rebaixamento; fechamento de estabelecimentos; advertências oficiais; rescisão do contrato de trabalho; suspensão da prática; suspensão de habilitações; e a proibição total de voltar a trabalhar no campo ou de exercer determinados cargos.

Para aqueles que auxiliam no acesso ou realização de um aborto, a pena máxima é de 5 a 10 anos de prisão em 16 países, e entre 10 anos e prisão perpétua em Benin, República Democrática do Congo, Irlanda, Guiné Equatorial, São Vicente e Granadinas. Em Barbados, o máximo pena é prisão perpétua.

Cinquenta e nove países impõem multas para pessoas que auxiliam em abortos; 33 aplicam sanções profissionais para aqueles que atuam como médicos, como farmacêuticos e conselheiros de enfermagem.

Outras penalidades podem ser aplicadas em alguns países. Isso inclui proibições de residência ou exercício de direitos cívicos e familiares, transporte vitalício, justiça retributiva, “dinheiro de sangue”, serviço comunitário, trabalho forçado e trabalho forçado.

Vinte e quatro países prescrevem algumas dessas penalidades para provedores15 para as que auxiliam no aborto e 13 para as que buscam o aborto.

Trinta e quatro restringem a divulgação de informações sobre aborto e serviços de aborto, mesmo quando o procedimento pode ser legal em algumas circunstâncias.

“A grande variedade de penalidades que as pessoas envolvidas no aborto podem enfrentar, dependendo de onde estão, apóia o argumento de que as disposições que criminalizam o aborto são arbitrárias”, dizem os pesquisadores.

E mais, “Regular o aborto pelo mesmo instrumento legal, e pelo mesmo aparato institucional do homicídio, agressão sexual e o roubo pode exacerbar as preocupações associadas à busca e realização de abortos quando isso é criminalizado”, acrescentam.

“Estudos em países onde o aborto foi totalmente ou parcialmente descriminalizado também observaram vários benefícios para aborto como resultado, incluindo acesso a cuidados de melhor qualidade, taxas mais baixas de mortalidade materna e maior nível educacional, resultados de carreira e ganhos”, apontam os pesquisadores.

“Internacional direitos humanos a lei exige países tomar medidas para reduzir a mortalidade e morbidade materna”, observam eles, acrescentando que suas descobertas “fortalecem o caso para a descriminalização”.

Mais Informações:
Uma revisão global das penalidades para crimes relacionados ao aborto em 182 países, BMJ Global Health (2023). DOI: 10.1136/bmjgh-2022-010405

Citação: Quase todos os países do mundo criminalizam o aborto em algumas circunstâncias, encontra revisão global (2023, 20 de março) recuperada em 20 de março de 2023 em https://medicalxpress.com/news/2023-03-countries-world-criminalize-abortion-circumstances .html

Este documento está sujeito a direitos autorais. Além de qualquer negociação justa para fins de estudo ou pesquisa privada, nenhuma parte pode ser reproduzida sem a permissão por escrito. O conteúdo é fornecido apenas para fins informativos.

Looks like you have blocked notifications!

Segue as Notícias da Comunidade PortalEnf e fica atualizado.(clica aqui)

Portalenf Comunidade de Saúde

A PortalEnf é um Portal de Saúde on-line que tem por objectivo divulgar tutoriais e notícias sobre a Saúde e a Enfermagem de forma a promover o conhecimento entre os seus membros.

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo
Keuntungan Bermain Di Situs Judi Bola Terpercaya Resmi slot server jepang