Notícias

Alterações ultraestruturais no tecido cerebral promovem processos inflamatórios

Esclerose múltipla: alterações ultraestruturais no tecido cerebral promovem processos inflamatórios

Inflamação ocorrendo na substância branca de aparência normal. (A) Luxol Fast Blue, (B) proteína proteolipídica e (C) a coloração Kim1p do nervo óptico não mostra desmielinização ou locais reativos, além de alguns nódulos, com uma barra de escala de 400 nm. (D) Proteína precursora de amiloide (APP)+ fragmentos axonais (E) foram encontrados em tecido de controle (CON) e de esclerose múltipla (MS). (F) Neurofilamento não fosforilado H (SMI32)+ axônios foram observados em ambos e (G) tecido MS, e (H) a porcentagem de tecido que era SMI32+ foi comparável em controle e tecido MS. (I) Coloração de Iba1 (em verde) e CD68 (em amarelo) de um nervo óptico de controle com painéis ampliados com setas apontando para um Iba1+CD68 célula. (J) Coloração de Iba1 (em verde) e CD68 (em amarelo) de um nervo óptico MS com painéis ampliados com setas apontando para um Iba1+CD68+ célula. (K) Em MS em comparação com os controles, há uma quantidade igual de Iba1+ micróglia/mm2 e mais Iba1+CD68+ micróglia/mm2 (p = 0,01). (L) Coloração do antígeno leucocitário humano (HLA; em verde) e P2RY12 (em amarelo) do nervo óptico de controle com 2 painéis ampliados, no primeiro painel uma seta apontando para um P2RY12+HLA célula e no segundo painel uma seta apontando para um P2RY12+HLA+ célula. (M) HLA (em verde) e P2RY12 (em amarelo) coloração do nervo óptico MS com 2 painéis ampliados, no primeiro painel uma seta apontando para um P2RY12+HLA+ célula e no segundo painel uma seta apontando para um P2RY12HLA+ célula. (N) Em MS em comparação com os controles, há números iguais de P2RY12+HLA e P2RY12+HLA+ micróglia/mm2 e mais P2RY12HLA+ micróglia/mm2 (p = 0,04). (O) coloração CD3 (em amarelo) do nervo óptico de controle e (P) coloração CD3 (em amarelo) do nervo óptico MS com setas apontando para CD3+ células T. (Q) Em MS em comparação com os controles, há mais CD3+ células T/mm2 (p = 0,04). (R) Conforme avaliado com laminina (em verde), CD3+ Células T (em amarelo) foram encontradas tanto no espaço perivascular quanto no parênquima, e (S) a porcentagem de CD3+ As células T no parênquima foram semelhantes na EM em comparação com os controles. DAPI = 4,6-diamidino-2-fenilindol. Crédito: Anais de Neurologia (2022). DOI: 10.1002/ana.26585

São 7 horas da manhã, o despertador toca – você abre os olhos, põe as pernas para fora da cama, dá uma palestra no trabalho, joga uma partida de tênis à noite. Bilhões de células nervosas que compõem a massa cinzenta em nosso cérebro nos permitem realizar essas diferentes tarefas. Eles estão interconectados milhões de vezes por fibras nervosas que correm mais profundamente no cérebro, chamadas axônios. Muitos desses axônios são envolvidos por uma “fita isolante” celular.

A capa isolante é feita de mielina, uma substância rica em lipídios que reveste os axônios em até 150 camadas. Juntos, os axônios e a mielina formam o que é conhecido como substância branca. Em intervalos regulares, as bainhas de mielina têm uma pequena lacuna chamada nodo de Ranvier. Quando um sinal é transmitido de uma célula para outra por meio de um impulso nervoso elétrico, ele literalmente salta de um nódulo para o seguinte. Isso acelera a comunicação nos axônios mielinizados em 100 vezes.

A substância branca, no entanto, é mais do que uma “coleção de cabos” bem classificada e com isolamento ideal. Ajuda com vários processos diferentes no cérebro, como aprendizado, memória ou habilidades sociais. Se esse tecido for danificado, doenças como a esclerose múltipla podem se desenvolver. Na EM, que afeta até 280.000 pessoas somente na Alemanha, a camada de mielina ao redor dos axônios é danificada ou destruída. Essas lesões, combinadas com reações inflamatórias, podem ser detectadas por técnicas de imagem.

No entanto, os cientistas ainda sabem pouco sobre como as alterações nos axônios e na mielina no nível subcelular estão relacionadas aos processos inflamatórios. Pesquisadores liderados por Wiebke Möbius no Instituto Max Planck (MPI) para Ciências Multidisciplinares em Göttingen e Inge Huitinga no Instituto Holandês de Neurociências em Amsterdã (Holanda) descobriram agora que a estrutura fina – chamada ultraestrutura – da substância branca aparentemente normal em pacientes com esclerose múltipla já está alterada, antes mesmo de aparecerem os primeiros focos de inflamação. Sua pesquisa é publicada na revista Anais de Neurologia.

Qualidade das amostras de mielina decisiva

“As áreas que podem ser críticas para a doença de MS só podem ser estudadas no nível ultraestrutural usando microscopia eletrônica”, diz Möbius. No entanto, ela acrescenta, as estruturas do tecido são frequentemente danificadas nos métodos convencionais de preparação devido à fixação e incorporação química.

“Isso é especialmente verdadeiro para a mielina sensível. O grande desafio para nós, portanto, foi preservar as estruturas na amostra de tecido melhor do que antes. Para fazer isso, otimizamos o método de fixação das amostras em particular”, explica o chefe da Unidade de Microscopia Eletrônica do Campus Municipal do MPI.

Para seus experimentos, os cientistas usaram amostras de tecido do Banco de Cérebros da Holanda. Estes vieram de pacientes com esclerose múltipla que concordaram durante a vida em doar seus cérebros post-mortem para pesquisas e registros médicos.

Como a equipe mostrou, na substância branca de aparência normal de pacientes com esclerose múltipla, as bainhas de mielina são visivelmente alteradas e a mielina é menos compacta. Os nodos de Ranvier também estão desorganizados. Além dessas mudanças estruturais, os pesquisadores encontraram marcadores celulares de inflamação no tecido aparentemente normal: linfócitos T e células imunes ativadas do cérebro chamadas células microgliais.

Por último, mas não menos importante, a densidade das mitocôndrias – os geradores de energia da célula – aumentou consideravelmente nos processos das células nervosas, sugerindo que a comunicação entre as células nervosas requer mais energia do que em pessoas saudáveis. Aletta van den Bosch, do grupo holandês, explica: “As mitocôndrias não apenas produzem energia vital, mas também muitos subprodutos, como radicais de oxigênio. Suspeitamos que isso possa aumentar os danos à mielina.”

Möbius acrescenta: “Podemos ver claramente que na EM, as alterações ultraestruturais na substância branca estão relacionadas à inflamação crônica no cérebro. Ambas as anormalidades patológicas podem contribuir para a progressão da doença. O fato de que a ultraestrutura da mielina agora pode ser preservada em tal qualidade para estudos sob o microscópio eletrônico, espera-se que forneça mais novos insights.”

Mais Informações:
Aletta MR van den Bosch et al, Ultrastructural Axon-Myelin Unit Alterations in Multiple Sclerosis Correlate with Inflammation, Anais de Neurologia (2022). DOI: 10.1002/ana.26585

Fornecido pela Sociedade Max Planck

Citação: Esclerose múltipla: alterações ultraestruturais no tecido cerebral promovem processos inflamatórios (2023, 25 de maio) recuperado em 26 de maio de 2023 em https://medicalxpress.com/news/2023-05-multiple-sclerosis-ultrastructural-brain-tissue.html

Este documento está sujeito a direitos autorais. Além de qualquer negociação justa para fins de estudo ou pesquisa privada, nenhuma parte pode ser reproduzida sem a permissão por escrito. O conteúdo é fornecido apenas para fins informativos.

Looks like you have blocked notifications!

Segue as Notícias da Comunidade PortalEnf e fica atualizado.(clica aqui)

Portalenf Comunidade de Saúde

A PortalEnf é um Portal de Saúde on-line que tem por objectivo divulgar tutoriais e notícias sobre a Saúde e a Enfermagem de forma a promover o conhecimento entre os seus membros.

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo
Keuntungan Bermain Di Situs Judi Bola Terpercaya Resmi slot server jepang