Notícias

Somos realmente ‘cegos desatencionalmente’? Novo estudo revisita o experimento do ‘gorila invisível’ para novos insights

Somos realmente 'cegos desatencionalmente'? Novo estudo revisita o experimento do 'gorila invisível' para novos insights

Proporção de participantes que relataram um evento inesperado relevante. (A) eixo x: velocidade relativa do gorila ao atravessar a tela, em relação à duração mais longa. Eixo y: Proporção relatada. Linha sólida: Participantes relatando passagens pela equipe Preta. Linha tracejada: Participantes relatando passes pela equipe Branca. As barras de erro indicam SEM. (B) Como em (A), mas comparando o desempenho dos participantes na condição de caminhada suave versus salto do gorila (caso contrário, o tempo é igualado – gastando 10 s na tela). Crédito: Anais da Academia Nacional de Ciências (2023). DOI: 10.1073/pnas.2214930120

Somos muito bons em detectar objetos inesperados enquanto estamos focados em outra atividade se eles estiverem se movendo rapidamente, revela um novo estudo realizado por uma equipe de pesquisadores da Universidade de Nova York. Suas descobertas lançam dúvidas sobre uma visão de longa data de que nossa capacidade de ver o inesperado é necessariamente prejudicada quando nossa atenção já está direcionada para outro lugar.

“Durante décadas, pensou-se que, quando estamos focados em algo relevante, como dirigir ou jogar, não conseguimos identificar algo que entra inesperadamente em nosso campo de visão, mesmo que seja claramente visível e em movimento”, diz Pascal. Wallisch, professor clínico associado do Centro de Ciência de Dados e Departamento de Psicologia da Universidade de Nova York e principal autor do artigo, que aparece no Anais da Academia Nacional de Ciências. “Nosso estudo questiona a generalidade dessa visão porque mostra que as pessoas, enquanto se concentram em uma tarefa, são bastante capazes de perceber objetos inesperados que se movem rapidamente. eles estão se movendo lentamente.”

A equipe de pesquisa, que também incluiu Wayne Mackey, Michael Karlovich e David Heeger, centrou seu estudo na “cegueira por desatenção” – a incapacidade de perceber objetos inesperados se a atenção estiver focada em uma tarefa. Esse fenômeno ficou evidente na amplamente citada década de 1990 “experiência do gorila invisível.” Nesse estudo, os participantes – assistindo a um vídeo de alunos passando bolas de basquete – não notaram uma pessoa inesperadamente aparecendo em uma fantasia de gorila porque já tinham a tarefa e estavam envolvidos na contagem do número de passes entre jogadores vestindo camisas brancas.

Este e outros estudos semelhantes caracterizaram um dos fenômenos mais marcantes da Psicologia cognitiva— cegueira por desatenção — como um lado negativo inevitável do foco na tarefa e, essencialmente, um déficit.

No PNAS No estudo, a equipe de pesquisa da NYU procurou entender melhor a natureza da cegueira por desatenção por meio de uma série de experimentos – e, especificamente, se nosso processamento cognitivo era de fato tão limitado quanto este trabalho anterior sugeria.

Eles replicaram o experimento do gorila invisível usando mais de 1.500 participantes da pesquisa – mas incluindo várias novas condições. No experimento original de 1999, o gorila movia-se tanto lentamente quanto ereto – como um humano (o que era!).

no novo PNAS pesquisa, os participantes da pesquisa viram o gorila (sim, também um humano vestido com uma fantasia de gorila) de maneiras adicionais. Especificamente, o “gorila da NYU” se movia em várias velocidades – em algumas condições, apenas um pouco mais rápido que o “gorila original” e, em outras, substancialmente mais rápido que o gorila original. Durante esses experimentos – assim como no experimento original – os participantes da pesquisa tiveram a tarefa de contar o número de passes de basquete feitos por jogadores vestindo camisas pretas ou brancas.

Um vídeo do experimento pode ser visto abaixo:






No geral, os resultados mostraram que os participantes, enquanto envolvidos na tarefa de contagem de passes, eram mais propensos a localizar o gorila da NYU se ele estivesse se movendo substancialmente mais rápido do que no experimento original de 1999. ou se estivesse pulando em vez de andar.

Para garantir que essas descobertas se generalizem além da detecção de gorilas, os pesquisadores conduziram uma série de experimentos, usando aproximadamente 3.000 outros participantes, que replicaram os princípios do estudo do gorila invisível. Neles, os participantes da pesquisa foram solicitados a contar quantos pontos em movimento aleatório de uma determinada cor cruzavam uma linha central enquanto um objeto em movimento inesperado (UMO) — um triângulo — atravessava a tela em várias velocidades.

Assim como no estudo do gorila, os participantes eram mais propensos a localizar o triângulo quanto mais rápido ele se movia. É importante ressaltar que, observam os autores, o mesmo não foi observado para os triângulos que se moviam mais lentamente do que os pontos, o que é notável, visto que os triângulos que se movem mais lentamente estão na tela substancialmente mais longos. Esta descoberta também exclui o seguinte: que a visibilidade dos UMOs em movimento rápido é simplesmente devido à dissimilaridade física dos pontos relevantes para a tarefa. Como os autores escrevem no artigo:

“(O)nossas descobertas…contribuem para o debate em andamento sobre o impacto da saliência física na cegueira por desatenção, sugerindo que são as velocidades rápidas especificamente, não a saliência física de um recurso em geral, que chama a atenção.”

As descobertas também podem ter implicações evolutivas. A visão clássica de Cegueira desatenta deixaria um organismo focado em tarefas vulnerável a ameaças inesperadas. esses novos PNAS as descobertas, por outro lado, sugerem que os organismos possuem um sistema de “sentinela” que monitora constantemente o ambiente. Este sistema alerta os organismos sobre ameaças potenciais – especificamente, predadores de ataque em movimento rápido.

“Objetos inesperados e de movimento rápido parecem substituir o foco da tarefa de um organismo”, diz Wallisch. “Isso permitirá que ele perceba e reaja à nova ameaça potencial, melhorando as chances de sobrevivência”.

Mais Informações:
Pascal Wallisch et al, O gorila visível: Rápido inesperado – não fisicamente saliente – Objetos são perceptíveis, Anais da Academia Nacional de Ciências (2023). DOI: 10.1073/pnas.2214930120

Citação: Somos realmente ‘cegos inatencionais’? Novo estudo revisita o experimento do ‘gorila invisível’ para novos insights (2023, 23 de maio) recuperado em 23 de maio de 2023 em https://medicalxpress.com/news/2023-05-inattentionally-revisits-invisible-gorilla-insights.html

Este documento está sujeito a direitos autorais. Além de qualquer negociação justa para fins de estudo ou pesquisa privada, nenhuma parte pode ser reproduzida sem a permissão por escrito. O conteúdo é fornecido apenas para fins informativos.

Portalenf Comunidade de Saúde

A PortalEnf é um Portal de Saúde on-line que tem por objectivo divulgar tutoriais e notícias sobre a Saúde e a Enfermagem de forma a promover o conhecimento entre os seus membros.

Looks like you have blocked notifications!

Comenta no Facebook

Portalenf Comunidade de Saúde

A PortalEnf é um Portal de Saúde on-line que tem por objectivo divulgar tutoriais e notícias sobre a Saúde e a Enfermagem de forma a promover o conhecimento entre os seus membros.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Botão Voltar ao Topo
Keuntungan Bermain Di Situs Judi Bola Terpercaya Resmi slot server jepang
error: Alert: Conteúdo protegido !!
Send this to a friend