Notícias

Nova pesquisa revela existência de conectividade mesocortical alterada na obesidade

obesidade

Crédito: CC0 Domínio Público

Pela primeira vez, os pesquisadores descobriram que a área tegmental ventral (VTA) do cérebro – uma estrutura chave envolvida na motivação e na apreciação de recompensas – alterou os padrões de conectividade com regiões específicas do cérebro em pacientes com obesidade. Indivíduos com obesidade apresentam hiperconectividade da VTA com parte do córtex occipitotemporal ventral (processamento visual para imagens de alimentos) e hipoconectividade com o giro frontal inferior esquerdo (associado ao controle cognitivo), de acordo com um novo estudo em Obesidade.

Os pesquisadores também esclareceram que essas vias anatômicas funcionais estão especificamente envolvidas no desejo alimentar e na cognição. Porém, os caminhos não estão relacionados à impulsividade ou à fome. As descobertas revelam que os estímulos visuais relacionados com a comida podem tornar-se extremamente salientes através de uma conectividade desequilibrada do sistema de recompensa com regiões visuais sensoriais específicas e o córtex pré-frontal envolvido no controlo cognitivo.

“Nosso estudo é relevante para cientistas básicos, médicos e também para pacientes”, disse Francantonio Devoto, Ph.D., Departamento de Psicologia da Universidade de Milano-Bicocca, Milão, Itália. Devoto é o autor correspondente do estudo. “Nós fornecemos novos insights sobre os mecanismos cerebrais subjacentes à motivação excessiva em relação à comida na obesidade, um sentimento que toda pessoa com sobrepeso ou que vive com obesidade sentiu quando tentada por imagens de alimentos. Com base nessas descobertas e uma vez validado por ensaios clínicos, os pacientes podem Aprecio que em breve poderá haver mais estratégias disponíveis para o seu tratamento.”

A obesidade é caracterizada pela conectividade alterada da rede mesocorticolímbica e da rede de controle cognitivo pré-frontal. A maioria dos estudos até o momento concentrou-se nos principais eferentes e aferentes das projeções da VTA, incluindo o hipotálamo, a amígdala e o estriado ventral, e não na própria VTA. Isto deixa a possibilidade de que as diferenças observadas não se refiram estritamente às neuroadaptações que ocorrem nas raízes do circuito mesocorticolímbico, segundo os especialistas.

Na pesquisa atual, os autores do estudo caracterizaram a conectividade funcional do VTA em estado de repouso em 23 adultos com peso saudável em comparação com o mesmo número de adultos com obesidade, a fim de investigar se a obesidade está associada à atividade mesocorticolímbica alterada. Os dois grupos foram pareados por idade, sexo e escolaridade.

Ambos os grupos de indivíduos foram submetidos a uma ressonância magnética funcional em estado de repouso e a uma avaliação de impulsividade, desejo por comida, apetite e preconceito implícito para estímulos alimentares e não alimentares. A VTA foi usada como semente para mapear para cada participante a força de suas conexões funcionais com o resto do cérebro. A diferença entre os grupos na conectividade funcional foi então calculada e as correlações cérebro-comportamento foram realizadas.

Os resultados revelaram que a conectividade do córtex occipitotemporal ventral VTA estava positivamente associada ao desejo alimentar e ao preconceito relacionado à comida em relação a alimentos com alto teor calórico, e não associada ao preconceito em relação a estímulos não alimentares. A correlação reversa foi observada para a conectividade do giro frontal inferior da VTA e o desejo por comida.

Os autores do estudo explicaram que as descobertas fornecem dois insights: uma conectividade mais estreita do córtex occipitotemporal ventral VTA pode refletir associações mais fortes de recompensa na obesidade, o que favorece o desejo por comida através da ativação automática das propriedades gratificantes dos alimentos; e o acoplamento mais fraco da VTA com o córtex pré-frontal lateral pode contribuir para um controle cognitivo defeituoso sobre o desejo e o comportamento alimentar devido à regulação negativa ineficiente do mesencéfalo através do córtex pré-frontal.

“Nossos resultados abrem caminho para novas intervenções para tratar a obesidade, fornecendo uma prova de conceito de que técnicas não invasivas de neuroestimulação cerebral podem ser usadas para modular a atividade e a conectividade do mesencéfalo através do córtex pré-frontal lateral”, escrevem os autores do estudo no relatório.

“Durante a última década, vários estudos de imagem em crianças e adultos demonstraram que indivíduos com obesidade aumentaram a ativação cerebral em locais envolvidos na saliência de recompensa/incentivo. Por outro lado, uma meta-análise recente (Morys et al.) sugere que existe há poucas evidências de tal efeito. O estudo atual de Devoto et al. é o primeiro a demonstrar que estímulos visuais relacionados à alimentação em indivíduos com obesidade eram “desejadamente salientes” devido à hiperconectividade da VTA com áreas do cérebro envolvidas em estímulos visuais. Eles encontraram conectividade diminuída com locais do cérebro envolvidos no controle cognitivo. Os autores sugerem que tais descobertas podem ajudar a tratar a obesidade por meio de estimulação cerebral não invasiva. Seria interessante avaliar se os indivíduos tratados com medicamentos GLP-1 têm atividade cerebral semelhante à pacientes sem obesidade”, disse o professor emérito de Ciência Alimentar e Nutrição Allen S. Levine, Ph.D., da Universidade de Minnesota. Levine não foi associado à pesquisa.

Outros autores do estudo incluem Eraldo Paulesu, Laura Zapparoli e Giuseppe Banfi, Instituto Ortopédico IRCCS Galeazzi, Milão, Itália; Anna Ferrulli e Livio Luzi, Departamento de Endocrinologia, Nutrição e Doenças Metabólicas, IRCCS MultiMedica, Milão, Itália e Departamento de Ciências Biomédicas para a Saúde, Universidade de Milão, Milão, Itália. Zapparoli e Paulesu também trabalham no Departamento de Psicologia da Universidade de Milano-Bicocca, Milão, Itália. Banfi também está associado à Universidade Vita e Salute San Raffaele, Milão, Itália.

Mais Informações:
Como as imagens dos alimentos se tornam extremamente salientes na obesidade, Obesidade (2023). DOI: 10.1002/oby.23834. onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/oby.23834

Fornecido pela Sociedade de Obesidade

Citação: Nova pesquisa revela existência de conectividade mesocortical alterada na obesidade (2023, 22 de agosto) recuperada em 22 de agosto de 2023 em https://medicalxpress.com/news/2023-08-reveals-mesocortical-obesity.html

Este documento está sujeito a direitos autorais. Além de qualquer negociação justa para fins de estudo ou pesquisa privada, nenhuma parte pode ser reproduzida sem a permissão por escrito. O conteúdo é fornecido apenas para fins informativos.

Looks like you have blocked notifications!

Segue as Notícias da Comunidade PortalEnf e fica atualizado.(clica aqui)

Portalenf Comunidade de Saúde

A PortalEnf é um Portal de Saúde on-line que tem por objectivo divulgar tutoriais e notícias sobre a Saúde e a Enfermagem de forma a promover o conhecimento entre os seus membros.

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo
Keuntungan Bermain Di Situs Judi Bola Terpercaya Resmi slot server jepang