Notícias

Os adultos mais velhos não devem confiar em infecções anteriores para obter imunidade

Os reforços da vacina COVID-19 são a melhor defesa: os adultos mais velhos não devem confiar em infecções anteriores para obter imunidade

Uma imagem microscópica colorida de uma célula infectada com a cepa ômicron do vírus SARS-CoV-2. Resultados surpreendentes de pesquisas mostram que aqueles infectados com a variante BA.1-2 omícron apresentavam risco aumentado de uma segunda infecção com a variante BA.5 omícron. Crédito: NIAID, CC BY

Apesar dos esforços dos investigadores para compreender o SARS-CoV-2, o vírus continua a guardar muitos segredos. Por mais que tentemos integrá-lo ao nosso pensamento sobre como funcionam os vírus respiratórios, ele simplesmente não obedecerá.

Alguns pensaram que o vírus se estabeleceria num padrão estritamente sazonal. Não aconteceu.

Alguns pensaram que poderíamos passar para uma única vacina anual todo outono. Isso foi prejudicado pelas múltiplas ondas de infecção a cada ano, que parecem ocorrer no final do verão.

Algumas variantes que pensávamos serem terríveis revelaram-se leves, enquanto outras revelaram-se muito problemáticas.

Resultados surpreendentes do estudo

Agora temos um novo quebra-cabeça.

Durante os primeiros anos da pandemia, antes do surgimento da variante omicron, acreditava-se que a combinação de vacinação e infecção anterior — que é chamada de imunidade híbrida — fornecia o mais alto nível de protecção contra futuras infecções.

Nosso grupo de pesquisa tem estudado idosos vacinados em lares de longa permanência e lares de idosos durante a pandemia, e nossas descobertas recentes nos chocaram.

Descobrimos que aqueles que lutaram contra a variante BA.1-2 do omicron no início de 2022 tinham um risco 30 vezes maior de contrair a variante BA.5 no final do ano. Isso foi exatamente o oposto do que nós, ou qualquer pessoa, teríamos previsto.

Este novo conhecimento é extremamente importante, não apenas para outros idosos, mas para todos nós.

Será que esta reviravolta surpreendente se aplica à população em geral? Possivelmente, mas até sabermos como as infecções funcionam para aumentar a susceptibilidade à reinfecção, não podemos saber se esta susceptibilidade é específica dos adultos mais velhos. Aplica-se a outras variantes, incluindo as mais recentes em circulação? Isso não está claro.

O que as descobertas nos dizem é que os adultos mais velhos que tiveram uma infecção anterior por COVID-19 não devem confiar nisso para protegê-los contra a reinfecção neste outono. Para se proteger contra doenças graves, é recomendável manter as doses de reforço atualizadas.

Não podemos baixar a guarda

Conseguimos fazer esta descoberta porque os participantes do nosso estudo em cuidados de longa duração e lares de idosos fazem parte do grupo mais frequentemente testado, altamente vacinado e observado de perto em toda a população.

O fim dos testes PCR frequentes e da documentação de infecção para aqueles que estão doentes (afinal, nós, pesquisadores, não sabemos se você testou positivo em um teste rápido) nos deixou sem muitos dados sobre infecções e reinfecções por COVID na população em geral, então esses idosos estão nos ajudando a ver coisas que de outra forma teríamos perdido.

Através deles, percebemos que o vírus evoluiu de uma forma que significa que uma infecção não garante necessariamente imunidade contra outra.

Embora ainda tenhamos muito que aprender sobre muitos aspectos da COVID-19 – incluindo os seus efeitos persistentes na saúde e a mecânica das suas intermináveis ​​mutações – sabemos o suficiente para dizer uma coisa: não podemos baixar a guarda.

Entre outras conclusões, sabemos que, embora as vacinas atenuem as piores consequências das infeções subsequentes por COVID, o vírus ainda está a desenvolver novas formas de escapar ao nosso sistema imunitário.

Protegendo a nós mesmos e às nossas comunidades

Então, ainda precisamos de máscaras e reforços? Sim. Por mais cansativos que tenham se tornado, ainda são cruciais. Isto é especialmente verdadeiro para os mais vulneráveis, incluindo os idosos, as pessoas com doenças crónicas ou que estão imunocomprometidos e aqueles que trabalham com eles.

Sabemos que o valor protetor de múltiplas vacinas contra a COVID não se acumula como o dinheiro numa conta bancária. É a atualidade dos nossos reforços que determinará o nosso grau de proteção.

Embora imperfeitos, os reforços oportunos ainda são nossos melhores escudos. É hora de pensar nelas menos como as nossas vacinas infantis, onde esperamos estar protegidos por longos períodos de tempo, e mais como as vacinas anuais contra a gripe, onde precisamos ser vacinados contra a cepa que está circulando e só podemos esperar que essa proteção reduza infecção sintomática, dura alguns meses, mas – o que é mais importante – ajuda a nos manter fora do hospital.

Precisamos de permanecer vigilantes e continuar a manter as nossas vacinas atualizadas, para proteger contra as infeções por COVID e a sua ameaça de efeitos debilitantes a longo prazo e até mesmo de morte.

Protegendo a nós mesmos e às nossas comunidades

Nossos participantes têm sido grandes parceiros em nosso trabalho. Como um grupo, e estão dispostos a participar desta pesquisa porque estão interessados ​​em ajudar os outros. Eles ajudaram-nos a descobrir que a imunidade híbrida nem sempre protege os idosos de futuras infeções por COVID-19, sugerindo que alguns pressupostos sobre o risco de infeção por COVID-19 podem ter de ser revistos e que precisamos de estudar como diferentes variantes escapam ao sistema imunitário.

Estes parceiros de investigação merecem o agradecimento da comunidade por contribuírem para esta importante lição. Todos podemos honrá-los prestando atenção a essa lição e tomando precauções contra a propagação da COVID-19 neste outono, incluindo o uso de máscaras e a toma de uma dose de reforço.

Fornecido por A Conversa

Este artigo foi republicado de The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original.A conversa

Citação: Os reforços da vacina COVID-19 são a melhor defesa: os adultos mais velhos não devem depender de infecções anteriores para obter imunidade (2023, 1º de setembro) recuperado em 1º de setembro de 2023 em https://medicalxpress.com/news/2023-09-covid-vaccine -boosters-defesa-older.html

Este documento está sujeito a direitos autorais. Além de qualquer negociação justa para fins de estudo ou pesquisa privada, nenhuma parte pode ser reproduzida sem permissão por escrito. O conteúdo é fornecido apenas para fins informativos.

Looks like you have blocked notifications!

Segue as Notícias da Comunidade PortalEnf e fica atualizado.(clica aqui)

Portalenf Comunidade de Saúde

A PortalEnf é um Portal de Saúde on-line que tem por objectivo divulgar tutoriais e notícias sobre a Saúde e a Enfermagem de forma a promover o conhecimento entre os seus membros.

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo
Keuntungan Bermain Di Situs Judi Bola Terpercaya Resmi slot server jepang