Notícias

O que sabemos até agora sobre o surgimento de doenças respiratórias na China

China

Crédito: CC0 Domínio Público

Os casos de doenças respiratórias têm aumentado no norte da China, especialmente entre crianças, gerando especulações online sobre uma nova ameaça pandémica quatro anos após o surgimento da COVID-19 no país.

No entanto, as autoridades de saúde chinesas afirmaram que o aumento das infecções é uma mistura de vírus já conhecidos e está ligado à primeira estação fria completa do país, depois de as restrições rigorosas da COVID terem sido levantadas em Dezembro passado.

E embora enfatizem que a situação completa permanece obscura, os especialistas dizem que há poucos indícios de que os casos tenham sido causados ​​por um novo vírus.

Aqui está o que sabemos até agora.

O que e onde?

Em 13 de Novembro, a Comissão Nacional de Saúde da China relatou um aumento de doenças respiratórias, principalmente em crianças.

As autoridades chinesas atribuíram o aumento de casos ao fim das restrições da COVID, à chegada da estação fria e à circulação de patógenos conhecidos, incluindo gripe, pneumonia por micoplasma, vírus sincicial respiratório (RSV) e SARS-CoV-2 – o vírus que causa COVID.

Na segunda-feira, o sistema público de vigilância de doenças ProMED – que uma vez emitiu um alerta precoce sobre casos misteriosos de pneumonia que se revelaram ser COVID – informou que alguns hospitais chineses estavam “sobrecarregados com crianças doentes” devido a um surto de pneumonia.

Este surto teria ocorrido principalmente na capital Pequim, mas também na província de Liaoning, no nordeste, e em outras áreas da China.

Os sintomas incluíam febre, inflamação pulmonar sem tosse e nódulos pulmonares – caroços nos pulmões que geralmente são resultado de uma infecção passada. Nenhuma morte foi relatada.

Na quinta-feira, num hospital infantil em Pequim, vários pais disseram à AFP que os seus filhos tinham pneumonia por micoplasma, uma causa comum de pneumonia em crianças que é facilmente tratada com antibióticos.

O que dizem a China e a OMS?

O relatório despertou memórias da pandemia, com os utilizadores das redes sociais temendo “um novo vírus vindo da China” ou um “novo COVID”.

Na quarta-feira, a Organização Mundial da Saúde – que criticou repetidamente Pequim pela falta de transparência durante a pandemia de COVID – solicitou mais informações à China sobre crianças que sofrem de “pneumonia não diagnosticada”.

Pequim respondeu na quinta-feira, dizendo que “não houve detecção de nenhum patógeno incomum ou novo”, segundo um comunicado da OMS.

A OMS solicitou mais informações, observando que a China monitoriza de perto as tendências de vírus como a gripe, o RSV e o SARS-CoV-2.

A China também começou a monitorar a pneumonia por micoplasma pela primeira vez em meados de outubro, acrescentou a OMS.

A OMS afirmou que “há informações detalhadas limitadas disponíveis para caracterizar completamente o risco global destes casos notificados de doenças respiratórias em crianças”.

No entanto, era de esperar um aumento destas doenças com a chegada do inverno, acrescentou.

O que os especialistas pensam?

Vários especialistas apontaram a chegada do inverno, o fim das restrições da COVID e a falta de imunidade prévia em crianças como provavelmente a causa do aumento das infecções.

“Como a China viveu um confinamento muito mais longo e mais severo do que qualquer outro país do planeta, previu-se que essas ondas de ‘saída do confinamento’ poderiam ser substanciais na China”, disse François Balloux, da University College London.

A menos que haja novas evidências que sugiram o contrário, “não há razão para suspeitar do surgimento de um novo patógeno”, acrescentou.

Paul Hunter, da Universidade de East Anglia, no Reino Unido, enfatizou que “atualmente há muito pouca informação para fazer um diagnóstico definitivo”.

No entanto, “no geral, isto não me parece uma epidemia devido a um novo vírus”, acrescentou.

“Se fosse, eu esperaria ver muito mais infecções em adultos. As poucas infecções relatadas em adultos sugerem imunidade existente devido a uma exposição anterior”.

Catherine Bennett, da Universidade Deakin da Austrália, destacou que “as crianças pequenas na escola na China terão passado até metade da sua vida sem a exposição habitual a agentes patogénicos comuns e, portanto, não têm os mesmos níveis de imunidade”.

Há alguma recomendação?

A OMS recomendou que as pessoas nas áreas afetadas seguissem as regras normais para evitar doenças respiratórias.

Isso inclui a vacinação, o isolamento caso surjam sintomas e a realização de testes ou o uso de máscaras, se necessário.

Com base nas informações atuais, a OMS desaconselhou quaisquer restrições de viagens envolvendo a China.

© 2023AFP

Citação: O que sabemos até agora sobre o surgimento de doenças respiratórias na China (2023, 24 de novembro) recuperado em 27 de novembro de 2023 em https://medicalxpress.com/news/2023-11-surging-respiratory-illnesses-china.html

Este documento está sujeito a direitos autorais. Além de qualquer negociação justa para fins de estudo ou pesquisa privada, nenhuma parte pode ser reproduzida sem permissão por escrito. O conteúdo é fornecido apenas para fins informativos.

Portalenf Comunidade de Saúde

A PortalEnf é um Portal de Saúde on-line que tem por objectivo divulgar tutoriais e notícias sobre a Saúde e a Enfermagem de forma a promover o conhecimento entre os seus membros.

Looks like you have blocked notifications!

Comenta no Facebook

Portalenf Comunidade de Saúde

A PortalEnf é um Portal de Saúde on-line que tem por objectivo divulgar tutoriais e notícias sobre a Saúde e a Enfermagem de forma a promover o conhecimento entre os seus membros.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Botão Voltar ao Topo
Keuntungan Bermain Di Situs Judi Bola Terpercaya Resmi slot server jepang
error: Alert: Conteúdo protegido !!
Send this to a friend