Notícias

Descobriu-se que bebês nascidos de mães infectadas por COVID têm o triplo do risco de desenvolver dificuldade respiratória

recém-nascido

Crédito: Unsplash/CC0 Domínio Público

Uma nova investigação liderada pela UCLA conclui que os bebés nascidos a termo de mães que foram infectadas com COVID-19 durante a gravidez tinham três vezes mais risco de ter problemas respiratórios em comparação com bebés não expostos, embora eles próprios não estivessem infectados com o vírus. O risco foi significativamente menor quando as mães infectadas durante a gravidez foram previamente vacinadas.

Os investigadores descobriram que a exposição intra-útero ao SARS-CoV-2 desencadeou uma “cascata inflamatória” nos bebés, aumentando o risco de um distúrbio respiratório que afecta mais frequentemente os bebés nascidos prematuramente.

As descobertas são publicadas em 24 de janeiro na revista Comunicações da Natureza.

“Encontramos taxas anormalmente altas de dificuldade respiratória logo após o nascimento em bebês nascidos a termo de mães que tiveram COVID-19 durante a gravidez”, disse a autora sênior Dra. Karin Nielsen, professora de pediatria na divisão de doenças infecciosas pediátricas do Escola de Medicina David Geffen da UCLA. “As mães não haviam sido vacinadas antes de adquirirem COVID, indicando que a vacinação protege contra esta complicação”.

Para rastrear como o desconforto respiratório se desenvolve após a exposição intrauterina ao SARS-Cov-2, os pesquisadores conduziram um estudo chamado proteômica, que examina a estrutura e as funções das proteínas e como elas afetam as células. Eles descobriram que estruturas semelhantes a chicotes, chamadas cílios móveis, que ajudam a limpar o muco do trato respiratório, não funcionavam normalmente nos bebês expostos e com dificuldade respiratória. Além disso, os bebês apresentaram maior produção de anticorpos chamados imunoglobulina E (IgE).

Das 221 mães inscritas no estudo, 151 (68%) não foram vacinadas antes da infecção, com doença COVID-19 grave ou crítica presente em 23 mulheres (16%), em comparação com apenas três (4%) das mães vacinadas. Os pesquisadores descobriram que 34 (17%) dos 199 bebês expostos acompanhados no estudo apresentavam dificuldade respiratória, o que é uma frequência muito alta, já que, em geral, a dificuldade respiratória da população não exposta ocorre apenas em 5% a 6% dos bebês. Dos bebés com dificuldade respiratória, 21% nasceram de mães com COVID-19 grave ou crítica, enquanto apenas 6% dos bebés sem dificuldade respiratória nasceram de mulheres com doença grave, uma descoberta estatisticamente significativa.

Dos 34 bebés com dificuldade respiratória, apenas cinco (16%) nasceram de mães vacinadas antes da infecção, em comparação com 63 (41%) sem o distúrbio respiratório, indicando que a vacinação teve um efeito protector. De acordo com os investigadores, mesmo uma dose de vacina de mRNA antes da infecção reduziu significativamente as probabilidades de um bebé a termo desenvolver dificuldades respiratórias.

“Nossos resultados não apenas mostram taxas mais altas de DR [respiratory distress] em SEU [SARS-CoV-2 exposed uninfected] bebês quando comparados à população em geral”, escrevem os pesquisadores, “mas observamos mais casos de DR em idades gestacionais posteriores do que o previsto, quando os neonatos deveriam provavelmente ter uma anatomia pulmonar mais madura”.

O estudo tem algumas limitações. A maioria dos participantes foi matriculada em um grande centro médico terciário e quaternário, que normalmente recebe os pacientes mais doentes, e vários pares de mães/bebês foram transferidos de pequenos hospitais comunitários em todo o condado devido à gravidade da doença, portanto, os resultados podem ser distorcidos para mais doença grave de COVID do que o que pode ser encontrado na população em geral.

Os investigadores não tinham dados sobre o efeito da infecção por COVID antes da vacinação ou da vacinação após a infecção, o que pode afectar a gravidade da doença materna e o seu efeito no desenvolvimento fetal. Além disso, os resultados devem ser interpretados com cautela devido ao pequeno tamanho da amostra.

Mais Informações:
Desconforto respiratório em recém-nascidos não infectados expostos ao SARS-CoV-2 seguido no estudo COVID Outcomes in Mother-Bebê Pairs (COMP), Comunicações da Natureza (2024). DOI: 10.1038/s41467-023-44549-5

Fornecido pela Universidade da Califórnia, Los Angeles

Citação: Bebês nascidos de mães infectadas por COVID apresentam risco triplo de desenvolver problemas respiratórios (2024, 24 de janeiro) recuperado em 24 de janeiro de 2024 em https://medicalxpress.com/news/2024-01-infants-born-covid-infected -mães.html

Este documento está sujeito a direitos autorais. Além de qualquer negociação justa para fins de estudo ou pesquisa privada, nenhuma parte pode ser reproduzida sem permissão por escrito. O conteúdo é fornecido apenas para fins informativos.

Portalenf Comunidade de Saúde

A PortalEnf é um Portal de Saúde on-line que tem por objectivo divulgar tutoriais e notícias sobre a Saúde e a Enfermagem de forma a promover o conhecimento entre os seus membros.

Looks like you have blocked notifications!

Comenta no Facebook

Portalenf Comunidade de Saúde

A PortalEnf é um Portal de Saúde on-line que tem por objectivo divulgar tutoriais e notícias sobre a Saúde e a Enfermagem de forma a promover o conhecimento entre os seus membros.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Botão Voltar ao Topo
Keuntungan Bermain Di Situs Judi Bola Terpercaya Resmi slot server jepang
error: Alert: Conteúdo protegido !!
Send this to a friend