Notícias

Estudo destaca barreiras ao acesso a contraceptivos para inscritos com deficiência no Medicare

contraceptivo

Crédito: Unsplash/CC0 Domínio Público

O uso de contraceptivos é baixo entre pessoas com deficiência em idade reprodutiva que estão inscritas no Medicare, de acordo com um novo estudo da Universidade de Pittsburgh que destaca como a falta de cobertura contraceptiva por parte do Medicare pode impedir que pessoas com deficiência inscritas tenham acesso à contracepção.

Publicado em Assuntos de Saúde, o estudo fornece a primeira visão geral nacional do uso de contraceptivos entre os inscritos no Medicare, o seguro de saúde governamental para pessoas com mais de 65 anos e para pessoas com deficiências qualificadas. Os investigadores afirmam que são necessárias mudanças políticas para expandir a cobertura contraceptiva no Medicare e para garantir cuidados de saúde mais equitativos para as pessoas com deficiência, que já enfrentam barreiras aos cuidados de saúde reprodutiva e têm taxas mais elevadas de complicações na gravidez e mortes do que as pessoas sem deficiência.

“O governo federal exige que as seguradoras comerciais e o Medicaid cubram todos os métodos contraceptivos sem partilha de custos, mas não há nenhum requisito semelhante para o Medicare, o que significa que os inscritos com deficiência podem não ter acesso à contracepção ou ao seu método contraceptivo preferido”, disse o autor principal. Jacqueline Ellison, Ph.D., MPH, professora assistente do Departamento de Política e Gestão de Saúde da Pitt School of Public Health. “As pessoas com deficiência já são marginalizadas e enfrentam barreiras no acesso aos cuidados de saúde. É injusto que enfrentem barreiras adicionais relacionadas com os custos para receberem o seu método contraceptivo preferido.”

O Medicare não exige cobertura de contracepção para prevenir gravidez, mas pode cobrir certos contraceptivos para indicações clínicas, como endometriose. A contracepção oral também pode ser coberta pela Parte D, um benefício opcional de cobertura de medicamentos com custo extra. Os pacientes também podem ter cobertura para outros métodos contraceptivos inscrevendo-se no Medicare Advantage, que é fornecido por empresas privadas que contratam o Medicare, mas o escopo da cobertura depende da empresa.

Este complicado cenário de seguros significa que as pessoas com deficiência podem não ter acesso à contracepção ou podem ser forçadas a pagar do próprio bolso para aceder ao seu método de contracepção preferido.

Em 2019, o Medicare era a principal cobertura de seguro de saúde para cerca de 1,38 milhões de mulheres em idade reprodutiva com deficiência: cerca de 941.000 tinham o Medicare tradicional e cerca de 444.000 tinham o Medicare Advantage. Para compreender mais sobre os padrões de utilização de contraceptivos entre esta população, Ellison e a sua equipa utilizaram duas bases de dados de reclamações de seguros para analisar uma amostra de estudo que representa 17,2% das populações do Medicare tradicional e 9,5% das populações do Medicare Advantage.

Os pesquisadores descobriram que o uso de anticoncepcionais era baixo entre mulheres com deficiência em idade reprodutiva. Apenas 14,3% dos inscritos no Medicare tradicional e 16,3% daqueles com Medicare Advantage tinham um pedido de seguro para contracepção em 2019. Em comparação, outro estudo descobriu que cerca de 25% das mulheres em idade reprodutiva com Medicaid – que é necessário para cobrir todas as formas de contracepção – fez tal afirmação em 2018.

A análise também mostrou variação nos métodos contraceptivos por tipo de cobertura do Medicare. Por exemplo, os inscritos no Medicare Advantage tinham cerca de quatro vezes mais probabilidade de usar um dispositivo intrauterino e 10 vezes mais probabilidade de fazer laqueadura tubária do que aqueles com o Medicare tradicional.

“Essa variação não se deve à preferência do paciente: não há razão para que as pessoas com o Medicare Advantage tenham muito mais probabilidade do que aquelas com o Medicare tradicional de preferirem usar o dispositivo intrauterino ou se submeterem à esterilização tubária”, explicou Ellison. “Esta é uma função do Medicare que não exige cobertura para toda a gama de métodos contraceptivos”.

As inscritas no Medicare com indicações não contraceptivas – como acne, endometriose, dor menstrual e sangramento irregular – tinham quase duas vezes mais probabilidade de usar anticoncepcionais do que aquelas sem tal indicação. Esta conclusão pode realçar a importância dos contraceptivos por razões que vão além da prevenção da gravidez, ou pode reflectir a documentação de médicos sobre tal indicação para ajudar os seus pacientes a obterem contracepção quando, de outra forma, não teriam cobertura.

“As pessoas com deficiência são mais vulneráveis ​​à interferência dos tutores e dos médicos na sua tomada de decisão reprodutiva”, disse Ellison. “É fundamental que, ao mesmo tempo que garantimos o acesso a toda a gama de métodos contraceptivos, protejamos as pessoas com deficiência contra tal interferência, garantindo que os cuidados contraceptivos fornecidos no programa Medicare sejam verdadeiramente centrados na pessoa”.

Outros autores do estudo foram Sabnum Pudasainy, MS, Deirdre Quinn, Ph.D., MPH, Sonya Borrero, MD, MS, Iris Olson, MPH, Qingwen Chen, MS, e Marian Jarlenski, Ph.D., MPH, todos de Pitt; e Meghan Bellerose, MPH, e Theresa I. Shireman, Ph.D., da Brown University.

Mais Informações:
Jacqueline Ellison et al, Uso de contraceptivos entre os inscritos no Medicare tradicional e no Medicare Advantage, Assuntos de Saúde (2024). DOI: 10.1377/hlthaff.2023.00286

Fornecido pela Universidade de Pittsburgh

Citação: Estudo destaca barreiras ao acesso a contraceptivos para inscritos com deficiência no Medicare (2024, 8 de janeiro) recuperado em 8 de janeiro de 2024 em https://medicalxpress.com/news/2024-01-highlights-barriers-contraceptive-access-disabled.html

Este documento está sujeito a direitos autorais. Além de qualquer negociação justa para fins de estudo ou pesquisa privada, nenhuma parte pode ser reproduzida sem permissão por escrito. O conteúdo é fornecido apenas para fins informativos.

Portalenf Comunidade de Saúde

A PortalEnf é um Portal de Saúde on-line que tem por objectivo divulgar tutoriais e notícias sobre a Saúde e a Enfermagem de forma a promover o conhecimento entre os seus membros.

Looks like you have blocked notifications!

Comenta no Facebook

Portalenf Comunidade de Saúde

A PortalEnf é um Portal de Saúde on-line que tem por objectivo divulgar tutoriais e notícias sobre a Saúde e a Enfermagem de forma a promover o conhecimento entre os seus membros.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Botão Voltar ao Topo
Keuntungan Bermain Di Situs Judi Bola Terpercaya Resmi slot server jepang
error: Alert: Conteúdo protegido !!
Send this to a friend