Notícias

O uso excessivo das redes sociais durante a pandemia de COVID-19 exacerbou os desafios de saúde mental dos adolescentes

adolescente on-line

Crédito: Unsplash/CC0 Domínio Público

Como é que o tempo passado online, e especialmente nas redes sociais, afeta o cérebro e o comportamento das crianças e dos jovens?

As plataformas de mídia social são aparentemente projetadas para capturar a atenção dos usuários e produzir verificações habituais de aplicativos e notificações. Nos últimos anos, as nossas vidas têm sido cada vez mais dominadas pelas redes sociais, seja como fonte de informação, entretenimento ou apenas como forma de nos conectarmos com outras pessoas.

Só no Canadá, existem atualmente mais de 30 milhões de contas de redes sociais registadas, sendo os adolescentes um dos maiores grupos de utilizadores.

Durante a pandemia de COVID-19, os jovens foram drasticamente afetados pela mudança repentina para um mundo digital e pela explosão da dependência dos ecrãs. O encerramento das escolas, juntamente com o isolamento social, levou a aumentos dramáticos no uso diário do tempo de ecrã e exacerbou os desafios de saúde mental para muitos jovens.

A investigação mostra fortes ligações entre o tempo de ecrã e preocupações de saúde mental, incluindo ansiedade e depressão, embora poucos estudos longitudinais tenham sido realizados nas eras pandémica ou pós-pandémica para determinar relações causais. O stress dos confinamentos e a ausência de redes de apoio típicas deixaram os adolescentes mais vulneráveis ​​do que nunca aos efeitos negativos das redes sociais.

Agora, nos anos que se seguiram aos confinamentos pandémicos, é imperativo que estudemos e abordemos o impacto que o tempo excessivo de ecrã pode ter no desenvolvimento do cérebro.

Recompensa e punição

Uma faceta fundamental das redes sociais é que elas envolvem sistemas cerebrais envolvidos em recompensas e punições, o que pode colocar crianças e adolescentes em risco de desenvolvimento cerebral adverso. Durante a infância e a adolescência, nossos cérebros ainda passam por períodos dramáticos de desenvolvimento, tornando-os mais suscetíveis ao impacto do tempo excessivo de tela.

Crianças e jovens têm sistemas de recompensa muito ativos no cérebro. Recompensas naturais podem causar uma breve liberação de substâncias químicas que fazem você se sentir bem no cérebro, como a dopamina. As redes sociais podem oferecer níveis constantes de recompensas que são superiores ao normal e afetam a química cerebral, fazendo com que as crianças procurem mais recompensas, até mesmo a níveis de dependência.

A parte do nosso cérebro que monitoriza atividades arriscadas mas gratificantes – o córtex pré-frontal – não amadurece completamente até atingirmos os 30 anos. O fato de essa área do cérebro não estar totalmente desenvolvida em crianças e adolescentes pode afetar sua capacidade de controlar comportamentos de rolagem e monitorar gatilhos emocionais.

Juntamente com mudanças na química do cérebro, isso pode levar ao uso excessivo do tempo de tela. A linha temporal do desenvolvimento do córtex pré-frontal também poderia explicar por que os adultos são menos propensos a enfrentar as mesmas consequências dos efeitos negativos das redes sociais.

Além disso, alguns estudos relataram alterações na ativação e estrutura cerebral cortical e subcortical em crianças e adolescentes que foram associadas ao alto tempo de uso de telas. Esses estudos relataram mudanças nos centros de recompensa e punição do cérebro.






CBC News analisa o impacto das mídias sociais nos adolescentes.

Outro exemplo disto vem de um estudo longitudinal que acompanhou crianças durante três anos, mostrando atraso no desenvolvimento de regiões envolvidas na conexão social e na compreensão dos pensamentos e sentimentos dos outros.

Diferentes impactos

No entanto, nem todas as pesquisas apontam que o tempo de tela está associado a mudanças no desenvolvimento do cérebro. Um estudo de imagem em grande escala que foi concebido para examinar as experiências da infância nos Estados Unidos – incluindo tabagismo, videojogos e sono – em quase 12.000 crianças não mostrou nenhuma associação entre o tempo de ecrã e o desenvolvimento do cérebro.

Pode haver várias explicações para a dissonância entre o estudo de desenvolvimento infantil em grande escala e estudos menores que foram concebidos para analisar o tempo de tela. Por exemplo, usuários potencialmente pesados ​​do tempo de tela optaram por participar de estudos menores e mais focados. Por sua vez, as crianças que correm maior risco de sofrer os efeitos adversos do tempo de ecrã podem representar uma fração menor dos dados numa grande coorte.

Dada a utilização generalizada das redes sociais, não é surpresa que nem todas as crianças e jovens sejam impactados da mesma forma. Adolescentes e jovens adultos que têm problemas de saúde mental pré-existentes, particularmente ansiedade, podem estar em maior risco de sofrer os efeitos nocivos do uso das redes sociais no cérebro e no comportamento.

Aqueles que sofrem de ansiedade podem usar as redes sociais com mais frequência para buscar validação e garantias, ou como um mecanismo de enfrentamento desadaptativo para evitar interações pessoais e estressores do mundo real.

São necessárias mais pesquisas longitudinais para compreender melhor os fatores de risco para a saúde mental para resultados adversos associados ao uso excessivo das redes sociais, bem como os efeitos a longo prazo no desenvolvimento do cérebro.

Adaptando-se a um mundo digital

À medida que avançamos e nos adaptamos a um mundo cada vez mais digital, são necessárias diretrizes claras relativamente às quantidades, tipos e conteúdos do tempo de ecrã que são mais prejudiciais para o desenvolvimento das crianças, bem como aos fatores de risco e resiliência associados, que são informados pela ciência.

Por esta razão, é mais importante do que nunca que os investigadores desenvolvam estudos que nos permitam compreender o que está a acontecer ao cérebro das crianças e adolescentes e aos seus comportamentos, e como isso está a afectar os resultados a longo prazo.

Entretanto, os educadores e os pais devem iniciar um diálogo aberto para ajudar as crianças e os adolescentes a compreender as consequências que o tempo excessivo de ecrã pode ter no desenvolvimento do cérebro e na saúde mental. Os adolescentes também devem receber estratégias e aprender como estabelecer limites para ajudá-los a administrar o tempo de tela de maneira responsável.

É crucial que encorajemos relações saudáveis ​​com a tecnologia para minimizar o potencial de problemas e preocupações sociais a longo prazo no futuro.

Fornecido por A Conversa

Este artigo foi republicado de The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original.A conversa

Citação: O uso excessivo de mídia social durante a pandemia de COVID-19 exacerbou os desafios de saúde mental dos adolescentes (2024, 21 de janeiro) recuperado em 21 de janeiro de 2024 em https://medicalxpress.com/news/2024-01-excessive-social-media-covid-pandemic .html

Este documento está sujeito a direitos autorais. Além de qualquer negociação justa para fins de estudo ou pesquisa privada, nenhuma parte pode ser reproduzida sem permissão por escrito. O conteúdo é fornecido apenas para fins informativos.

Portalenf Comunidade de Saúde

A PortalEnf é um Portal de Saúde on-line que tem por objectivo divulgar tutoriais e notícias sobre a Saúde e a Enfermagem de forma a promover o conhecimento entre os seus membros.

Looks like you have blocked notifications!

Comenta no Facebook

Portalenf Comunidade de Saúde

A PortalEnf é um Portal de Saúde on-line que tem por objectivo divulgar tutoriais e notícias sobre a Saúde e a Enfermagem de forma a promover o conhecimento entre os seus membros.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Botão Voltar ao Topo
Keuntungan Bermain Di Situs Judi Bola Terpercaya Resmi slot server jepang
error: Alert: Conteúdo protegido !!
Send this to a friend