Notícias

Cabo Verde é o terceiro país africano a eliminar a malária

malária

Crédito: CC0 Domínio Público

Cabo Verde foi certificado como livre de malária pela Organização Mundial de Saúde.

O arquipélago a oeste do Senegal consiste em 10 ilhas e tem uma população de mais de 500.000 pessoas. É o terceiro país de África a ser declarado livre da malária, depois das Maurícias (em 1973) e da Argélia (em 2019).

Isto eleva o total de países livres de malária para 43 em todo o mundo.

Conseguir a certificação de livre de malária não é uma tarefa simples. Como especialistas na prevenção e controlo da malária, explicamos o longo caminho de Cabo Verde para eliminar a doença que matou mais de 600.000 pessoas em todo o mundo em 2022.

Como Cabo Verde alcançou o seu objetivo

A malária, endémica desde a colonização das ilhas anteriormente desabitadas no século XV, afectou todas as 10 ilhas antes de 1950.

Durante a década de 1940, a malária representava uma grave ameaça à saúde. Epidemias graves resultaram em mais de 10.000 casos e 200 mortes anualmente até serem implementadas intervenções específicas.

O país esteve perto de eliminar a malária duas vezes, mas estes ganhos não foram sustentados.

A pulverização residual interna com DDT foi feita em cada ilha até o fim da transmissão em todo o país, em 1967. O efeito residual do inseticida ajudou a matar os mosquitos durante um período mais longo. Também foram realizados larvicidas, utilização de produtos químicos para atingir larvas de mosquitos em locais de reprodução e detecção ativa de casos.

As campanhas de pulverização residual intradomiciliária foram interrompidas em 1969. O resultado foi uma recorrência da transmissão local na ilha de Santiago em 1973, seguida por uma grande epidemia em 1977.

A segunda tentativa de eliminar a malária começou em 1978 e resultou na interrupção da transmissão em 1983. O número de casos manteve-se em níveis baixos a partir de 1989, confinando a malária às ilhas de Santiago e Boa Vista. Mas em 2006, o aumento dos casos ameaçava o turismo.

Foi tomada uma decisão política para impulsionar os esforços de eliminação em todo o país. Isto levou a uma mudança na política nacional de saúde do país em 2007.

O foco estava no diagnóstico ampliado, no tratamento precoce e eficaz e no manejo de todos os casos.

Cabo Verde estava no bom caminho para eliminar a malária, mas em 2017 registou o seu “pior surto de malária” desde 1991, com 423 casos.

O surto levou a um ajuste de estratégia. A reorientação do controlo dos vectores, visando os bairros afectados e as comunidades propensas à infecção pela malária, evitou o aumento dos casos. A transmissão foi interrompida com sucesso durante quatro anos.

Processo para obter certificação de livre de malária

A OMS notificou 249 milhões de casos de malária e 619.000 mortes relacionadas com a malária em todo o mundo em 2022.

A região africana foi responsável por 94% de todos os casos e 96% de todas as mortes.

Alcançar o estatuto de livre de malária destaca a determinação e o compromisso de uma nação. Os países devem cumprir os critérios rigorosos da OMS para atingir este objectivo. Em primeiro lugar, deve haver zero casos de malária transmitidos autóctone (localmente) durante pelo menos três anos consecutivos.

Em segundo lugar, um país deve demonstrar que tem capacidade para prevenir a reintrodução da transmissão de doenças.

Só então os países poderão solicitar a certificação da OMS, trabalhando com os escritórios regionais para desenvolver um plano e um cronograma de certificação.

Se um país falhar, poderá voltar a candidatar-se após três anos.

Para manter o estatuto de indemnidade de malária, os países devem continuar a prevenir a transmissão e a submeter relatórios anuais à OMS.

Previsões para os próximos países a darem o salto

A iniciativa E-2025 da OMS centra-se em 25 países que visam a eliminação até 2025.

Belize alcançou a eliminação em 2023. A Malásia reportou zero transmissão local pelo quinto ano consecutivo, enquanto Timor-Leste e Arábia Saudita alcançaram dois anos consecutivos sem transmissão local (2021 e 2022). Se mantidos, poderão ser declarados livres da malária em breve. Pela primeira vez, tanto o Butão como o Suriname relataram zero casos indígenas em 2022.

Na região de África, vários países relataram reduções significativas na transmissão autóctone em 2022. Estes incluíram o Botsuana (43,5%), Eswatini (57,6%) e a África do Sul (31,3%). As Comores registaram uma duplicação do número de casos no mesmo ano. São Tomé e Príncipe registou um aumento de 46%.

Apesar dos esforços dos países, os acontecimentos climáticos extremos e o movimento transfronteiriço podem ter um impacto na transmissão ou recorrência.

A obtenção da certificação é importante e o sucesso de Cabo Verde impulsionará um desenvolvimento positivo no país.

O turismo desempenha um papel importante na economia do país. Foi responsável por uma parte substancial do PIB do país pré-COVID (24%), pelo emprego formal (10%) e pela maior parte do investimento estrangeiro. O estatuto de livre de malária pode potencialmente atrair mais visitantes ao país.

A infra-estrutura estabelecida para a eliminação da malária reforçou o sistema de saúde do país. Isto pode ser benéfico contra outras doenças transmitidas por mosquitos, como a dengue, que também afecta o turismo.

O marco “pessoal” de um país pode ajudar a impulsionar os esforços globais de eliminação da malária. A conquista de Cabo Verde é um apelo à acção para que a comunidade da malária não desista. Devemos esforçar-nos mais para acabar definitivamente com a malária.

Fornecido por A Conversa

Este artigo foi republicado de The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original.A conversa

Citação: Cabo Verde é o terceiro país africano a eliminar a malária (2024, 3 de fevereiro) recuperado em 3 de fevereiro de 2024 em https://medicalxpress.com/news/2024-02-cape-verde-african-country-malaria.html

Este documento está sujeito a direitos autorais. Além de qualquer negociação justa para fins de estudo ou pesquisa privada, nenhuma parte pode ser reproduzida sem permissão por escrito. O conteúdo é fornecido apenas para fins informativos.

Portalenf Comunidade de Saúde

A PortalEnf é um Portal de Saúde on-line que tem por objectivo divulgar tutoriais e notícias sobre a Saúde e a Enfermagem de forma a promover o conhecimento entre os seus membros.

Looks like you have blocked notifications!

Comenta no Facebook

Portalenf Comunidade de Saúde

A PortalEnf é um Portal de Saúde on-line que tem por objectivo divulgar tutoriais e notícias sobre a Saúde e a Enfermagem de forma a promover o conhecimento entre os seus membros.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Botão Voltar ao Topo
Keuntungan Bermain Di Situs Judi Bola Terpercaya Resmi slot server jepang
error: Alert: Conteúdo protegido !!
Send this to a friend