Atualidade

Sindicato dos Enfermeiros critica precariedade laboral no Hospital de Gaia

O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) disse hoje que há dezenas de enfermeiros a trabalhar como “falsos recibos verdes” no Hospital de Vila Nova de Gaia/Espinho e “cerca de uma centena” com vínculo precário.

Em declarações à agência Lusa, Fátima Monteiro do SEP criticou “uma situação que se prolonga no tempo” e que é, disse, “promovida pelo Estado, aquele que devia ser o primeiro a criar condições para acabar com a precariedade”.

“Algumas dezenas são falsos recibos verdes. Dão resposta a necessidades permanentes, cumprem horário e respondem perante chefias. São jovens enfermeiros que aceitam os recibos verdes para iniciar carreira e ganhar experiência. É incrível que seja o próprio estado a promover a precariedade”, disse Fátima Monteiro.

Paralelamente, o SEP estima que neste hospital que faz parte da nova Unidade de Saúde Local Gaia/Espinho (USLGE) trabalhem “cerca de uma centena pelo menos” de enfermeiros com vinculo precário, seja ao abrigo de contratos de substituição ou de contratos a termo.

“Todos são necessários. Todos são necessidades permanentes, se não, não continuávamos a assistir ao recurso ao trabalho extraordinário. Esta situação causa insegurança a profissionais e utentes”, disse Fátima Monteiro, acrescentando que “a progressão na carreira para quem foi avaliado e já devia estar a receber aumento de salário também continua parada” neste hospital.

O SEP agendou para quarta-feira uma conferência de imprensa de “denúncia pública” em frente ao Hospital Santos Silva, em Vila Nova de Gaia, no distrito do Porto.

Na convocatória lê-se que os enfermeiros exigem resposta para diversos problemas, entre os quais o fim dos vínculos precários, a contabilização de todos os pontos/anos de serviço para efeitos de progressão, bem como o pagamento das progressões com retroativos a 2018.

São também reivindicações a regulação dos horários de trabalho, aplicando as 35 horas por semana a todos os enfermeiros “para permitir conciliar a vida profissional com a vida familiar” e o pagamento de todo o trabalho extraordinário.

A agência Lusa contactou a ULSGE que, em resposta escrita, referiu que prevê, no seu Plano de Desenvolvimento Organizacional, a contratação de mais de 170 profissionais de enfermagem em 2024.

“Aguardamos a aprovação, o que irá permitir à ULSGE constituir vínculos permanentes a profissionais contratados em regime de substituição ou temporariamente, para suprir situações também elas temporárias, mas que dado o crescimento da atividade assistencial justificam a contratação permanente destes profissionais”, concluiu.

LUSA/HN

Outros artigos com interesse:

Source link

Looks like you have blocked notifications!

Segue as Notícias da Comunidade PortalEnf e fica atualizado.(clica aqui)

Portalenf Comunidade de Saúde

A PortalEnf é um Portal de Saúde on-line que tem por objectivo divulgar tutoriais e notícias sobre a Saúde e a Enfermagem de forma a promover o conhecimento entre os seus membros.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Botão Voltar ao Topo
Keuntungan Bermain Di Situs Judi Bola Terpercaya Resmi slot server jepang
Send this to a friend