Notícias

Cientistas apelam a medidas urgentes para prevenir doenças imunomediadas causadas pelas alterações climáticas e pela perda de biodiversidade

Cientistas apelam a medidas urgentes para prevenir doenças imunomediadas causadas pelas alterações climáticas e pela perda de biodiversidade

As alterações climáticas estão associadas a um aumento de doenças imunomediadas. Crédito: Agache et al/Frontiers

Os ecossistemas em que vivemos não funcionam como antes – e isso é mau para a nossa saúde. As alterações climáticas, a poluição e a queda da biodiversidade estão a danificar o nosso sistema imunitário. A falta de exposições ambientais positivas para reforçar o nosso sistema imunitário, e as crescentes exposições negativas que atacam esses sistemas, estão a combinar-se para causar um aumento dramático de doenças imunomediadas, como a asma e o cancro.

As medidas de protecção contra esta situação poderiam ter um retorno do investimento muito poderoso: estima-se que 1 dólar gasto na mitigação das alterações climáticas poupa 3 dólares em custos de cuidados de saúde. Uma equipe global de pesquisadores escrevendo em Fronteiras na Ciência apelam a medidas urgentes para salvaguardar um futuro saudável.

“O aumento da emissão de poluentes levou a mudanças fundamentais no nosso ambiente”, disse a primeira autora, Prof. Ioana Agache, da Universidade Transilvânia de Brasov, Roménia, e co-presidente das Diretrizes da Academia Europeia de Alergia e Imunologia Clínica sobre Ciência Ambiental para Alergia e Asma.

“De uma perspectiva evolutiva, o sistema imunitário é constantemente moldado para responder ao ambiente e manter a saúde; no entanto, as mudanças recentes têm sido demasiado rápidas para que o nosso sistema imunitário se adapte adequadamente”.

Saúde planetária é saúde preventiva

Os efeitos das alterações climáticas antropogénicas e da poluição nos nossos corpos são complexos, mas um factor crucial são os danos que infligem ao nosso sistema imunitário. Estes desenvolvem-se ao longo do tempo em resposta a factores ambientais – positivos ou negativos.

A exposição a poluentes tóxicos danifica a barreira epitelial, levando à desregulação imunológica, o que leva a doenças autoimunes e ao câncer. Entretanto, a falta de exposição à biodiversidade adequada significa que os sistemas imunitários não estão devidamente calibrados, aumentando as taxas de alergias e asma. O aumento das temperaturas altera as estações do pólen, de modo que a estação começa mais cedo e dura mais tempo, e que o pólen libertado provoca reações alérgicas mais fortes, aumentando a prevalência e a gravidade das alergias ao pólen.

Cientistas apelam a medidas urgentes para prevenir doenças imunomediadas causadas pelas alterações climáticas e pela perda de biodiversidade

São necessárias soluções multiníveis e multissectoriais para reduzir as doenças imunitárias relacionadas com o clima. Crédito: Agache et al/Frontiers

As alterações climáticas estão a aumentar a frequência e a gravidade das catástrofes naturais, com impactos secundários significativos na saúde. As temperaturas mais elevadas aumentam a probabilidade de incêndios florestais, que libertam partículas atmosféricas e outros poluentes.

Estes poluentes podem espalhar-se por centenas de quilómetros e perdurar muito depois de o incêndio ter sido apagado, contribuindo para a desregulação imunitária e agravando uma série de problemas de saúde. Contribuem também para o aquecimento global, aumentando a probabilidade de futuros incêndios florestais.

“Como médico-cientista, vi em primeira mão como a poluição do ar causada por incêndios florestais afeta a saúde respiratória”, disse o professor Kari Nadeau, da Universidade de Harvard, autor sênior. “Também vi o impacto do prolongamento da estação do pólen e do aumento da alergenicidade do pólen nas alergias e na asma”.

Estes impactos recaem mais fortemente sobre os membros mais vulneráveis ​​da sociedade. Uma dieta inadequada, a falta de acesso ao ambiente natural e a falta de habitações seguras e limpas aumentam as probabilidades de desenvolvimento de doenças imunomediadas. As medidas para combater os impactos das alterações climáticas na saúde devem incluir explicitamente a equidade, para garantir uma recuperação global de uma ameaça global.

Adaptar e mitigar

Os cientistas apelam a uma abordagem dupla: adaptar-se às alterações climáticas, melhorando os regimes alimentares, a habitação, o acesso à natureza e as práticas agrícolas, e mitigar o seu impacto, reduzindo as emissões, melhorando a qualidade do ar e promovendo a biodiversidade ambiental. Para tomarmos medidas eficazes, contudo, precisamos de dados para informar novas medidas e acompanhar o progresso das medidas existentes.

Cientistas apelam a medidas urgentes para prevenir doenças imunomediadas causadas pelas alterações climáticas e pela perda de biodiversidade

Precisamos de melhores medidas dos impactos das alterações climáticas na saúde humana. Crédito: Agache et al/Frontiers

Agache e colegas concentram-se em três iniciativas principais de dados: biomarcadores, modelos económicos e técnicas de ciência de dados. Os biomarcadores rastrearão doenças imunomediadas, como o cancro causado pela poluição atmosférica, enquanto novos modelos económicos poderão quantificar os danos causados ​​pelas alterações climáticas e os benefícios em termos de custos das ações corretivas. Entretanto, os cientistas de dados estão a desenvolver novas abordagens para desvendar as influências multifatoriais do nosso ambiente alterado no nosso sistema imunitário.

“Os impactos das mudanças climáticas são complexos, com efeitos multifacetados”, disse a Dra. Vanitha Sampath, da Universidade de Harvard, autora. “A IA pode ajudar na convergência e análise de conjuntos de dados díspares para identificar ameaças e informar a remediação.”

“É claro que a saúde planetária e a saúde humana estão interligadas”, concluiu Nadeau. “Espero que, ao partilhar o conhecimento actual sobre como as nossas acções afectam negativamente a saúde planetária e humana, e algumas das acções que podemos tomar para nos adaptarmos e mitigarmos estas mudanças, possamos capacitar os cidadãos individuais, bem como as organizações locais, nacionais e internacionais, para trabalhar para um futuro melhor.”

Mais Informações:
Doença imunomediada causada por riscos ambientais associados às alterações climáticas: mitigação e adaptação, Fronteiras na Ciência (2024). DOI: 10.3389/fsci.2024.1279192

Citação: Cientistas pedem ação urgente para prevenir doenças imunomediadas causadas por mudanças climáticas e perda de biodiversidade (2024, 4 de abril) recuperado em 4 de abril de 2024 em https://medicalxpress.com/news/2024-04-scientists-urgent-action- doenças imunológicas.html

Este documento está sujeito a direitos autorais. Além de qualquer negociação justa para fins de estudo ou pesquisa privada, nenhuma parte pode ser reproduzida sem permissão por escrito. O conteúdo é fornecido apenas para fins informativos.

Looks like you have blocked notifications!

Segue as Notícias da Comunidade PortalEnf e fica atualizado.(clica aqui)

Portalenf Comunidade de Saúde

A PortalEnf é um Portal de Saúde on-line que tem por objectivo divulgar tutoriais e notícias sobre a Saúde e a Enfermagem de forma a promover o conhecimento entre os seus membros.

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo
Keuntungan Bermain Di Situs Judi Bola Terpercaya Resmi slot server jepang