Notícias

Primeiros bioimplantes cardíacos para tratamento de infarto do miocárdio utilizando células-tronco do cordão umbilical

Primeiros bioimplantes cardíacos para tratamento de pacientes com infarto do miocárdio utilizando células-tronco do cordão umbilical

PeriCord no laboratório. Crédito: IGTP

Os resultados de um estudo pioneiro respaldam a segurança dos bioimplantes denominados PeriCord, feitos a partir de células-tronco do cordão umbilical e do pericárdio de um doador de tecido, que auxiliam na regeneração e revascularização da área afetada. O estudo monitorou sete intervenções desta cirurgia pioneira de engenharia de tecidos ao longo de três anos, observando excelente biocompatibilidade e nenhuma rejeição nos pacientes.

A terapia foi desenvolvida pelo grupo de pesquisa ICREC (Insuficiência Cardíaca e Regeneração Cardíaca) do Germans Trias i Pujol Research Institute (IGTP) e do Banc de Sang i Teixits (BST). PeriCord tem propriedades antiinflamatórias e abre a porta para a criação de outros medicamentos para doenças além do coração.

O artigo está publicado na revista eBioMedicina.

Os resultados promissores obtidos num ensaio clínico com um medicamento pioneiro de terapia avançada denominado PeriCord, que visa reparar o coração de pacientes que sofreram um ataque cardíaco, confirmam a viabilidade de novas terapias baseadas na aplicação de células estaminais e engenharia de tecidos para promover a regeneração de tecidos danificados.

Este novo medicamento, derivado de células estaminais do cordão umbilical e do pericárdio provenientes de doadores de tecidos, é um produto de engenharia de tecidos pioneiro no mundo (um tipo de terapia avançada que combina células e tecidos optimizados em laboratório). O medicamento é aplicado em pacientes submetidos a revascularização do miocárdio, utilizando o procedimento para reparar a cicatriz na região do coração afetada pelo infarto, que perdeu a capacidade de bater quando o fluxo sanguíneo parou.

A primeira intervenção desta nova terapia ocorreu há quase 4 anos, resultante de uma colaboração entre o ICREC do IGTP e o BST. Após seu sucesso, foi iniciado um estudo para demonstrar sua segurança clínica. O estudo incluiu 12 candidatos a bypass coronário, 7 tratados com bioimplantes e 5 sem, para comparar os resultados.

Antoni Bayés, pesquisador do ICREC e primeiro autor do artigo, afirma: “Este ensaio clínico pioneiro em humanos surge após muitos anos de pesquisa em engenharia de tecidos, representando um tratamento muito inovador e esperançoso para pacientes com cicatriz cardíaca resultante de ataque cardíaco “, referindo-se ao PeriCord.

Primeiros bioimplantes cardíacos para tratamento de pacientes com infarto do miocárdio utilizando células-tronco do cordão umbilical

Bioimplante cardíaco PeriCord. Crédito: IGTP

Embora o presente estudo tenha como objetivo demonstrar a segurança deste novo medicamento no contexto do enfarte do miocárdio, os seus resultados positivos demonstraram que o PeriCord possui outras propriedades excepcionais. Provou ser um medicamento com excelente biocompatibilidade, minimizando drasticamente o risco de rejeição e garantindo uma perfeita tolerância do organismo.

Além disso, possui propriedades antiinflamatórias, abrindo caminho para aplicações mais amplas em patologias que envolvem inflamação. “O seu potencial pode ser muito mais vasto; acreditamos que pode ser uma ferramenta valiosa para modular processos inflamatórios”, explica o Dr. Sergi Querol, responsável pelo Serviço de Terapias Celulares e Avançadas do BST.

Pacientes graves, mas estáveis

Os pacientes incluídos na terapia são indivíduos que sofreram infarto e apresentam redução na qualidade e na expectativa de vida. O bypass garante a circulação sanguínea na área, e o bioimplante vai um passo além para estimular a cicatriz, iniciando mecanismos celulares envolvidos na reparação tecidual.

“São utilizadas substâncias de origem humana fornecidas voluntariamente, tanto em termos de tecido pericárdico de doador multitecido quanto de células-tronco mesenquimais de doadores de cordão umbilical no nascimento de um bebê”, explica Querol. É muito gratificante pensar que “graças a isto e aos doadores, disponibilizamos uma nova ferramenta terapêutica que pode melhorar a qualidade de vida do paciente”.

O PeriCord consiste em uma membrana proveniente do pericárdio de um doador de tecido, que o BST descelularizou e liofilizou. Em seguida, foi recelularizado com essas células-tronco do cordão umbilical.

Uma vez na sala de cirurgia, os cirurgiões fixam o bioimplante gerado em laboratório na área afetada do coração do paciente. Após um ano, o tecido implantado adere e se adapta perfeitamente à estrutura do coração, cobrindo a cicatriz deixada pelo infarto.

Mais Informações:
Antoni Bayes-Genis et al, Implantação de um enxerto de tecido duplo alogênico humano projetado em coração danificado: insights do ensaio clínico PERISCOPE fase I, eBioMedicina (2024). DOI: 10.1016/j.ebiom.2024.105060

Fornecido pelo Instituto de Pesquisa Alemão Trias i Pujol

Citação: Ensaio clínico: Primeiros bioimplantes cardíacos para tratamento de infarto do miocárdio usando células-tronco do cordão umbilical (2024, 5 de abril) recuperado em 5 de abril de 2024 em https://medicalxpress.com/news/2024-04-clinical-trial-cardiac-bioimplants- tratamento.html

Este documento está sujeito a direitos autorais. Além de qualquer negociação justa para fins de estudo ou pesquisa privada, nenhuma parte pode ser reproduzida sem permissão por escrito. O conteúdo é fornecido apenas para fins informativos.

Looks like you have blocked notifications!

Segue as Notícias da Comunidade PortalEnf e fica atualizado.(clica aqui)

Portalenf Comunidade de Saúde

A PortalEnf é um Portal de Saúde on-line que tem por objectivo divulgar tutoriais e notícias sobre a Saúde e a Enfermagem de forma a promover o conhecimento entre os seus membros.

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo
Keuntungan Bermain Di Situs Judi Bola Terpercaya Resmi slot server jepang