Notícias

A pesquisa sobre a ilusão visual do coelho dá um salto em frente

A pesquisa sobre a ilusão visual do coelho dá um salto em frente

Pesquisadores da Universidade de Kyushu exploraram ainda mais a ilusão visual do coelho. Os três coelhos representam os flashes reais, enquanto os pontos acima deles mostram onde as pessoas percebem os pontos de luz. O segundo ponto geralmente é percebido próximo ao centro. Crédito: Universidade Kyushu

Pesquisadores da Universidade de Kyushu descobriram novas variações de uma ilusão tradicional, com base em como percebemos o movimento das luzes piscantes. Publicado em 21 de maio em i-Percepção, as descobertas mostram que quando três flashes de luz são apresentados em rápida sucessão em nossa visão lateral, nosso cérebro tende a percebê-los em linha reta, com o segundo flash em torno do ponto médio, independentemente da localização real do segundo flash. Esta pesquisa, que ganhou o prêmio de melhor artigo em início de carreira da revista este ano, oferece novas perspectivas sobre erros de percepção e confiabilidade do depoimento de testemunhas oculares.

Para pessoas sem deficiência visual grave, a visão é o sentido mais vital. No entanto, a informação que os nossos olhos fornecem nem sempre é uma representação fiel da realidade. Um fenômeno fascinante que destaca isso é a ilusão visual da saltação.

Quando uma série de pontos de luz piscam rapidamente na visão periférica, podemos confundir as suas verdadeiras posições, pensando que o flash está a saltar da sua localização original para outro ponto. Parece que um coelho está pulando de um lugar para outro, por isso também é chamado de “ilusão visual do coelho”.

Em experimentos tradicionais, essa ilusão é estudada usando três flashes que aparecem em dois locais: os dois primeiros flashes exatamente no mesmo local à esquerda e o terceiro flash à direita. Sob estas condições, uma ilusão é criada quando o segundo flash é percebido aproximadamente a meio caminho entre os dois pontos.

Mas será esta a única condição para que a ilusão ocorra? Pesquisadores da Universidade de Kyushu decidiram experimentar alterando a localização do segundo flash para ver se isso impactava a ilusão. Eles corrigiram o primeiro e o terceiro flashes na visão periférica, modificaram a duração e os intervalos dos flashes para garantir que a ilusão ocorresse e, em seguida, conduziram três experimentos.







Nesta ilusão criada por pesquisadores da Universidade de Kyushu, o primeiro flash aparece à esquerda, e o segundo e o terceiro flashes estão no mesmo local, à direita. Mas é isso que você vê quando olha para a cruz? A velocidade dos flashes é ligeiramente mais lenta que a da condição de ilusão no experimento. Crédito: Universidade Kyushu

Suas descobertas indicam que os participantes interpretaram mal o segundo flash, colocando-o próximo ao ponto médio entre o primeiro e o último flash. Esta ilusão ocorreu independentemente de o segundo flash estar no mesmo local que o terceiro ou ainda mais à direita do terceiro flash.

“É como um coelho voltando para o meio depois que o cérebro o processa”, comenta Sheryl Anne Manaligod de Jesus, primeira autora do estudo e estudante de doutorado na Escola de Pós-Graduação em Design da Universidade de Kyushu.

Além disso, os pesquisadores descobriram que os flashes não precisam ser apresentados em linha para que a ilusão aconteça. Mesmo quando o segundo flash apareceu acima ou abaixo do ponto médio, a sua localização percebida ainda tendia a ser perto do centro. Isto acontece porque quando o nosso sistema visual recebe flashes em rápida sucessão, o cérebro processa-os como um todo, levando a uma reorganização perceptual dos flashes num padrão mais simples e coerente.

Uma maneira de investigar mais a fundo os mecanismos da ilusão de saltação visual é fornecer os resultados experimentais à inteligência artificial. A comparação das respostas humanas e da IA ​​pode indicar se as nossas vias visuais são mais simples ou mais complexas do que imaginamos.

A pesquisa sobre a ilusão visual do coelho dá um salto em frente

Pesquisadores da Universidade de Kyushu conduziram três experimentos para estudar a ilusão visual do coelho. Tradicionalmente, os dois primeiros flashes são apresentados no mesmo local. Nestas experiências, os investigadores alteraram a posição do segundo flash para ver como afectava a ilusão percebida. Os resultados mostraram que, nas três condições, os participantes perceberam o segundo flash próximo ao centro. Crédito: Hector Palomo/Universidade de Kyushu

O que “vemos” não depende apenas da nossa visão, é muitas vezes uma construção do nosso cérebro, influenciada pela atenção e pela memória. Isto questiona a confiabilidade do depoimento de testemunhas oculares.

“Nosso cérebro às vezes usa eventos futuros para interpretar o passado”, diz de Jesus, “Isso é chamado de pós-dição, o que significa que a forma como percebemos um evento passado, como o segundo flash, é influenciada pelo que acontece depois. Isso resulta na ilusão fascinante do flash aparecendo em um lugar onde nunca existiu.”

Como sugere o estudo, a nossa visão periférica, especialmente com objetos em movimento rápido, não é totalmente confiável. Mais pesquisas sobre ilusões de saltação visual são necessárias para nos ajudar a compreender melhor o processamento visual e potencialmente melhorar nossa visão periférica. Depois de estudar como as mudanças de posição afetaram o “coelho” percebido, o próximo passo da equipe é explorar como a atenção impacta a ilusão.

Para onde o coelho pula? Ou vemos um coelho ou um pato? Até que ponto nosso cérebro engana nossa percepção do mundo visual? Apesar de necessitar de mais investigação para compreender plenamente estas ilusões, é claro o seu poder de enriquecer as nossas vidas com experiências únicas e agradáveis.

Como observa o professor Hiroyuki Ito, supervisor de de Jesus e segundo autor da Faculdade de Design da Universidade de Kyushu: “O mais importante é aproveitar as ilusões”.

Mais Informações:
Sheryl Anne Manaligod de Jesus et al, Refazendo o caminho do coelho: Efeitos da alteração da segunda posição do flash na ilusão de saltação visual, i-Percepção (2024). DOI: 10.1177/20416695241254016

Fornecido pela Universidade Kyushu

Citação: A pesquisa sobre a ilusão visual do coelho dá um salto adiante (2024, 11 de junho) recuperada em 11 de junho de 2024 em https://medicalxpress.com/news/2024-06-visual-rabbit-illusion.html

Este documento está sujeito a direitos autorais. Além de qualquer negociação justa para fins de estudo ou pesquisa privada, nenhuma parte pode ser reproduzida sem permissão por escrito. O conteúdo é fornecido apenas para fins informativos.

Looks like you have blocked notifications!

Segue as Notícias da Comunidade PortalEnf e fica atualizado.(clica aqui)

Portalenf Comunidade de Saúde

A PortalEnf é um Portal de Saúde on-line que tem por objectivo divulgar tutoriais e notícias sobre a Saúde e a Enfermagem de forma a promover o conhecimento entre os seus membros.

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo
Keuntungan Bermain Di Situs Judi Bola Terpercaya Resmi slot server jepang