“Helmet” em Ventilação Mecânica Não Invasiva

0 146
vote
Article Rating

A ventilação mecânica não invasiva (VNI) com “Helmet” (capacete) é considerada uma alternativa interessante à ventilação convencional em certos pacientes com insuficiência respiratória aguda.

O crescente uso da VNI em unidades de terapia intensiva tornou necessário que os profissionais de saúde que se deparam com essa técnica ampliem e adaptem seus conhecimentos sobre essa terapia respiratória.

Este artigo tem como objetivo apresentar o “Helmet” como um novo tipo de interface e descrever os cuidados de enfermagem que um paciente com “Helmet” necessita.

 

DEFINIÇÃO

É um dispositivo em forma de capacete no qual o paciente faz a introdução da cabeça para receber tratamento de ventilação mecânica não invasiva.

É amplamente utilizado em pacientes com insuficiência respiratória aguda ou crônica de várias etiologias e principalmente em casos especiais como traumas faciais, pacientes com anatomia difícil ou com grande susceptibilidade a lesões cutâneas.

 

DESCRIÇÃO

O capacete é uma interface de suporte de ventilação não invasiva que consiste num capacete de PVC transparente, sem látex e descartável, vedado ao pescoço por uma membrana que evita vazamentos. Possui um anel inferior rígido e é preso às axilas ou ao abdômen por um arnês. Possui conexões laterais em ambos os lados para os membros inspiratórios e expiratórios e várias conexões anteriores para cateteres ou sondas. Na parte frontal possui sistema de segurança anti-asfixia com abertura rápida por fio ou cremalheira. (Ver imagem 1. Descrição do capacete).

INDICAÇÕES E CONTRA-INDICAÇÕES

Indicações:

• Insuficiência respiratória aguda ou crônica

• Trauma facial

• Pacientes com anatomia difícil

• Pacientes suscetíveis a lesões cutâneas

 

Ler  Princípios para a Inserção de Acessos Vasculares

Contra-indicações:

– Intolerância ao capacete

Nível de consciência reduzido

Pneumotórax

– Doença isquêmica cardíaca aguda

– Hipertensão intracraniana

 

PROCEDIMENTO DE APLICAÇÃO

O paciente deve apresentar uma série de condições para ser candidato ao tratamento com VNI com “Helmet” de interface. O paciente deve estar atento, cooperar e aceitar o tratamento do “Helmet”. Por outro lado, é necessário que o paciente esteja hemodinamicamente estável e os sinais vitais sejam monitorados durante o tratamento.

Existem diferentes tamanhos de capacete e a seleção do tamanho deve ser feita individualmente, ajustando-se às características de cada paciente.

Quando uma interface do tipo capacete deve ser instalada, o capacete específico e a fonte de gás (respirador ou fluxómetro) devem ser escolhidos primeiro de acordo com a terapia ventilatória escolhida. O paciente deve ser informado sobre o procedimento e sua colaboração será solicitada.

Os parâmetros de ventilação devem ser ajustados e o capacete sempre pressurizado antes de colocá-lo. Para isso, são necessárias duas pessoas (médico e enfermeiro) que se posicionarão dos dois lados da cama e farão a abertura manual do anel interno elástico para permitir a entrada da cabeça. Uma vez colocado o capacete, ele deve ser fixado com o arnês axilar.

Uma vez colocado, os sinais vitais do paciente são monitorados: pressão arterial, frequência cardíaca, frequência respiratória e oximetria de pulso. O paciente será colocado na posição de Fowler e o nível de consciência será monitorado.

O enfermeiro, como parte fundamental do tratamento, além de ter conhecimento adequado sobre a técnica de colocação e manuseio, deve ter cuidado especial no gerenciamento dos cuidados que serão prestados ao paciente, agrupando-os para evitar desligamentos desnecessários.

 

CUIDADOS DE ENFERMAGEM

De entre os cuidados de enfermagem prestados ao paciente estão:

– Higiene habitual, hidratação.

– Alimentos, bochechos com anti-séptico e pomada labial solúvel em água.

– Lavar os olhos com solução salina 0,9%. Hidratação conjuntival com lágrimas artificiais.

– Avalie a necessidade de tampões de ouvido em relação ao ruído.

– Elimine a transpiração nas áreas de vedação ou fixação.

– Proteja as áreas de pressão do arnês.

O enfermeiro responsável pelo paciente desempenha um papel muito importante no reconhecimento das possíveis complicações que podem surgir no paciente, por isso, deve acompanhar atentamente o aparecimento de:

– Sinais de fadiga muscular, dispneia, cianose.

– Distensão abdominal.

– Náusea / vômito (risco de aspiração)

– Complicações nas extremidades superiores devido à compressão do arnês

VANTAGENS E DESVANTAGENS

Vantagem:

• As complicações derivadas da entubação endotraqueal são evitadas.

• Melhora o conforto do paciente relacionado à ausência de entubação endotraqueal (eOT).

• Permite que o paciente interaja com seu ambiente e se mova livremente, mantendo uma boa vedação e reduzindo vazamentos de ar.

• Períodos VNI mais longos são alcançados.

Desvantagens:

• O capacete é mais barulhento do que outros tipos de interface.

• O espaço morto é maior.

• Não permite monitorar o volume corrente.

• É muito mal tolerado por pacientes que sofrem de claustrofobia.

• Grave secura nasal e oral.

• Irritação dos olhos.

BIBLIOGRAFÍA

  • Raurell M, Romero A, Rodríguez M, Farrés M, Martí JD, Hurtado B et al. Prevention and treatment of skin lesions associated with non-invasive mechanical ventilation. Enferm Intensiva. 2017; 2399(17):30001-9.
  • Coudroy R, Frat JP, Thille AW. Should we carry out noninvasive ventilation using a helmet in acute respiratory distress syndrome? Ann Transl Med. 2016; 4(18):351.
  • Sehgal IS, Agarwal R. Non-invasive ventilation in acute respiratory distress syndrome: helmet use saves lives? Ann Transl Med. 2016; 4(18):349.
  • Liu Q, Gao Y, Chen R, Cheng Z. Noninvasive ventilation with helmet versus control strategy in patients with acute respiratory failure: a systematic review and meta-analysis of controlled studies. Crit Care. 2016; 20:265.
  • Marshall H. Non-invasive ventilation by helmet more effective than face mask in acute respiratory distress syndrome. Lancet Respir Med. 2016; 4(8):610.
  • Patel BK, Wolfe KS, Pohlman AS, Hall JB, Kress JP. Effect of Noninvasive Ventilation Delivered by Helmet vs Face Mask on the Rate of Endotracheal Intubation in Patients With Acute Respiratory Distress Syndrome: A Randomized Clinical Trial. JAMA. 2016; 315(22):2435-41.
Ler  Prevenção de tromboembolismo venoso após cirurgia

Looks like you have blocked notifications!
Fonte https://www.revista-portalesmedicos.com/revista-medica/
Queres receber as nossas notificações?
Assina a nossa Newsletter!

Assina e recebe as últimas novidades da PortalEnf!

Obrigado por assinares. Se não receberes o mail de confirmação verifica a caixa de Spam!

Something went wrong.

Queres receber as nossas notificações?
Assina a nossa Newsletter!

Assina e recebe as últimas novidades da PortalEnf!

Obrigado por assinares. Se não receberes o mail de confirmação verifica a caixa de Spam!

Something went wrong.

0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Utilizamos cookies para personalizar conteúdo e anúncios, fornecer funcionalidades e analisar o nosso tráfego. Ao continuar a navegar, está a concordar com a sua utilização. Aceitar Ler mais

0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x
error: Alert: Content is protected !!
Partilha isto com um amigo