Casamento faz bem ao coração, diz estudo

0 14

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

DD201F6A44F237C2878AEE44F516_h305_w430_m2_q80_cssiEzcamO casamento faz bem ao coração, conclui-se num vasto estudo norte-americano segundo o qual as pessoas casadas têm menos risco de doenças cardiovasculares do que as solteiras, viúvas ou divorciadas.

Os investigadores conseguiram estabelecer, em termos corrigidos de variações como a idade, o sexo, a raça e outros riscos cardiovasculares, uma ligação entre o estado matrimonial e o risco de sofrer doenças cardiovasculares, relação que se estabeleceu tanto nos homens como nas mulheres.

Para as pessoas casadas, o risco de doenças cardiovasculares em geral era 5% menor do que entre os solteiros.

“Os resultados do estudo não devem certamente incitar ninguém a casar precipitadamente”, disse o principal autor do estudo, Carlos Alviar, da faculdade de medicina da Universidade de Nova Iorque.

“Mas é importante saber se as pessoas vivem sozinhas ou em casal, porque isso pode ter consequências importantes na sua saúde cardiovascular”, afirmou.

 

Estudo analisou 3,5 milhões de pessoas

O estudo, realizado a partir de fichas médicas de mais de 3,5 milhões de pessoas de 21 a 102 anos nos EUA, foi apresentado, esta sexta-feira, na conferência anual do Colégio Americano de Cardiologia, em Washington.

Outros estudos de menor dimensão já tinham chegado à mesma conclusão, mas os investigadores sublinham que a extensão deste último permite pela primeira vez estabelecer os riscos associados a quatro patologias cardiovasculares (doença arterial periférica, acidentes vasculares cerebrais, doença da artéria coronária e aneurisma da aorta abdominal) em função de diferentes situações familiares.

Os riscos cardiovasculares tradicionais como a hipertensão, o tabagismo, a diabetes e a obesidade eram semelhantes à do todo da população norte-americana, explicam os autores.

 

As probabilidades de sofrer um aneurisma da aorta abdominal, de doenças vasculares cerebrais e de doenças nas artérias das pernas eram inferiores em 8%, 9% e 19%, respetivamente.

 

Por outro lado, os divorciados ou viúvos tinham mais risco de doença cardiovascular do que os solteiros e do que os casados.

Para os viúvos, o risco era 3% maior em todas as doenças vasculares e 7% superior nas doenças coronárias, concluíram os investigadores.

O divórcio surge ligado a maiores probabilidades de sofrer de todas as patologias vasculares.

 

“A ligação entre o casamento e uma diminuição do risco de doenças cardiovasculares é mais marcada entre os jovens, o que foi uma surpresa”, sublinhou Alviar.

Para as pessoas com menos de 50 anos, estar casado traduz-se numa redução de 12% do risco de doenças cardiovasculares, taxa que se reduz para 7% entre os 51 e os 60 anos e para apenas 4% nas pessoas com mais de 61 anos.

Os dados foram recolhidos junto de pessoas que participaram num programa pago de despistagem de doenças cardiovasculares em mais de 20 mil locais nos 50 estados norte-americanos, entre 2003 e 2008.

Os autores sublinham que a amostra inclui uma proporção relativamente pequena de participantes pertencentes às minorias raciais e étnicas, o que pode limitar o significado dos resultados.

 

Fonte : http://www.jn.pt/

Gostar
Seguir
google

O melhor da PortalEnf no teu Email...

Assina a nossa Newsletter e recebe as últimas novidades da PortalEnf!

Obrigado por assinares. Se não receberes o mail de confirmação verifica a caixa de Spam!

Something went wrong.

Loading...
Share This Article:

close

Partilha isto com um amigo