COVID-19: Estruturas da PSP e GNR exigem que polícias sejam prioritários nos testes

0 5

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

O presidente da ASPP explicou que os polícias ao terem acesso aos testes de forma rápida isso significa “a diferença entre estar dois ou três dias ausente ou 15 dias ausente do serviço para fazer um teste”.

“As entidades de saúde não estão a ter consciência do problema que se está a criar no seio da PSP. As entidades competentes não estão a olhar de forma consciente”, afirmou, sublinhando que se trata de “um problema que deve ser resolvido rapidamente” para garantir que os polícias não são “um fator de contágio”.

Paulo Rodrigues disse ainda que os polícias entendem que os médicos e enfermeiros sejam prioritários, mas os elementos das forças de segurança também estão na linha na frente do combate a esta pandemia ao fiscalizar as medidas previstas no estado de emergência.

Também o presidente da APG, César Nogueira, considerou “inadmissível” que os militares da GNR “não sejam prioritários” para realizar os testes à covid-19, uma vez que “são parte fundamental” na proteção e combate à pandemia e fazem parte do grupo de risco.

“É inconcebível. Estão na linha da frente e devem ser prioritários nos testes”, disse à Lusa César Nogueira, sublinhando que basta um militar estar infetado para que toda a equipa fique de quarentena, o que pode pôr em causa o serviço.

O presidente da APG defendeu a existência de uma despistagem constante aos elementos das forças de segurança para que se consiga ter os níveis de eficácia.

“Se não corremos o risco de ficar sem efetivos”, disse, sustentando que os militares deviam realizar testes a cada 15 dias, como foi defendido pelo bastonário da Ordem dos Médicos.

Na conferência de imprensa realizada hoje, a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, foi questionado pela Lusa sobre a realização de testes para os elementos das forças de segurança, tendo respondido que há regras básicas independentemente da profissão.

“Seja qual for o cidadão que tenha uma situação de sintomas, será testado de acordo com a gravidade desses sintomas, em domicílio, em centro de saúde ou em hospital e serão todos isolados, obviamente. Uma pessoa com sintomas tem de ficar isolada, mesmo antes de sabermos o resultado do teste. Essa é a regra básica, independentemente da profissão. Depois, os testes são de acordo com a sua condição clínica também, independentemente da profissão”, disse Graça Freitas, frisando que “a regra número um é que quem tem sintomas fica aqui isolado”.

No âmbito do estado de emergência, que se iniciou a 22 de março, a GNR e PSP têm vindo a desenvolver uma intensa atividade de sensibilização, vigilância e fiscalização junto da população.

Em Portugal, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 187 mortes, mais 27 do que na véspera (+16,9%), e 8.251 casos de infeções confirmadas, o que representa um aumento de 808 em relação a terça-feira (+10,9%).

Como é que o sabão destrói o vírus? Dúvidas e perguntas frequentes sobre a lavagem das mãos

Fonte: Lifestyle Sapo

Gostaste deste artigo? Divulga-nos junto dos teus amigos e colegas! Ajuda-nos a Manter a PortalEnf. Clica aqui para saber mais!

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Utilizamos cookies para personalizar conteúdo e anúncios, fornecer funcionalidades e analisar o nosso tráfego. Ao continuar a navegar, está a concordar com a sua utilização. Aceitar Ler mais

Share This Article:

close

Assina a nossa Newsletter!

Assina e recebe as últimas novidades da PortalEnf!

Obrigado por assinares. Se não receberes o mail de confirmação verifica a caixa de Spam!

Something went wrong.

O melhor da PortalEnf no teu Email...

Assina a nossa Newsletter e recebe todas as novidades da PortalEnf!

Obrigado por assinar. Vais receber um mail... verifica a caixa de Spam!

Something went wrong.

Partilha isto com um amigo