Jovem com doença rara conta como é morrer 36 vezes num ano (com video)

0 34

Com o objectivo de sensibilizar o público para a sua doença cardíaca rara, uma jovem de 21 anos autorizou a divulgação de um vídeo em que aparece a «morrer». Num ano, Sara Brautigam foi declarada clinicamente morta 36 vezes.

À jovem foi diagnosticada há quatro anos a Postural Orthostatic Tachycardia Syndrome, um padecimento que provoca severos ataques, em que o paciente sofre palpitações rápidas que levam à paragem cardíaca. Por vezes, os ataques duram meia hora.

«Na verdade isto foi um ataque bastante ligeiro. Como podem ver o meu batimento cardíaco está muito elevado. Depois podem ver-me a ficar inanimada e os médicos e as enfermeiras a reunirem-se à minha volta», afirmou.

«Não podem fazer-me CPR porque [essa manobra de reanimação] cansa o coração para nada, portanto não faz sentido [realizá-la]. Quando o coração se enche de sangue novamente, é quando começa a bater outra vez».

«O meu sangue tende a armazenar-se nas pernas, e os médicos precisam de ajudar a devolvê-lo ao coração».

Sara, natural de Doncaster (Inglaterra), explicou que no vídeo, é no momento em que os médicos lhe começam a dar oxigénio que ela «morre».

«Não me podem dar oxigénio porque isso prolonga o ataque. Este vídeo é antigo e foi filmado antes do diagnóstico certo, portanto os médicos estão a entrar em pânico e é por isso que os vêem a dar-me oxigénio».

«De facto, é uma questão de me deixarem ali e rezarem. A única coisa que podem fazer é pôr-me a soro», acrescentou.

«Quando os ataques acontecem, os médicos tentam fazer tudo o que podem para me infligir dor e choque de modo a trazerem-me novamente à vida». «Muitas vezes acordo cheia de nódoas. Uma vez picaram-me com um alfinete mas eu nem me mexi», referiu.

«Costuma-se dizer que quando morremos, a audição é a última coisa a ir, e essa é a minha experiência. Depois de um ataque, acordo com dores de morte no peito e fico muito cansada».

«Perguntam-me isso muitas vezes, mas não vejo nenhuma luz ao fundo do túnel, fica tudo escuro».

«Ainda se consegue ouvir as coisas e há uma voz na minha cabeça que ainda está activa e consciente e quer tentar comunicar com as pessoas à volta. Consigo lembrar-me do que as pessoas estão a dizer quando perco os sentidos, mas não tenho nenhuma outra noção do que se está a passar», concluiu, citada pela imprensa britânica.

AVISO: O vídeo pode chocar os leitores mais sensíveis.

Fonte: Diário Digital

O melhor da PortalEnf...

Assina e recebe as últimas novidades da PortalEnf!

Obrigado por assinares. Se não receberes o mail de confirmação verifica a caixa de Spam!

Something went wrong.

Loading...
Share This Article:

close

Segue-nos nas redes sociais!

Partilha isto com um amigo