DESTEMIDA GREVE CIRÚRGICA DOS ENFERMEIROS PORTUGUESES

0 1.260

“Unidos, ficaremos de pé, dividindo-nos, cairemos.”- Charles Dickens 1812-1870

Os ENFERMEIROS PORTUGUESES assumiram inédita e destemidamente uma forma de alerta, greve e reivindicação, nunca antes vista ou praticada.

São já milhares os ENFERMEIROS, que apesar dos seus parcos salários, assumiram e concretizaram a dádiva/contribuição de quantias variáveis em dinheiro para, rapidamente, se reunir pelo menos 300.000€, para financiar uma “greve cirúrgica” a nível dos blocos operatórios dos: Centro Hospitalar Universitário de S. João, EPE; Centro Hospitalar Universitário do Porto, EPE; Centro Hospitalar Universitário de Coimbra, EPE; Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Norte, EPE, e Centro Hospitalar de Setúbal, EPE.

Esta onda de solidariedade para com os ENFERMEIROS PORTUGUESES, já atravessou fronteiras e muitos Colegas a trabalhar no estrangeiro também estão a contribuir e a apoiar.

Por cá, entre nós, há também dádivas de outras pessoas, fora da classe de Enfermagem, outros serviços que se uniram e contribuíram. Até comoventes, mas exemplares e mobilizadoras histórias sobre contributos de filhos de ENFERMEIROS, que das suas pequenas “poupanças” destinadas à compra de brinquedos e computadores, retiraram uma quantia e ofereceram aos seus pais ENFERMEIROS, para ajudar nesta GREVE CIRÚRGICA – um pequeno contributo em valor, mas enormíssimo no gesto!

A razão desta forma de luta, mais agressiva e radical, é motivada pela forma vergonhosa, desprezível, desrespeitadora, ignóbil e de perfídia que o poder político, dos diversos governos da direita à esquerda, os deputados da Assembleia da República e Presidência da República, têm tratado os ENFERMEIROS PORTUGUESES.

Verdadeiros heróis, num SNS depauperado, com equipamentos obsoletos, sem investimento e sem modernização a ENFERMAGEM luta com problemas, que, apesar de existirem, não têm implicado nem diminuído, o excelente desempenho destes profissionais, num espírito de missão, dedicação, brio e competência profissional e cientifica, alcançando indicadores de excelência, que colocam ao serviço da Sociedade para em pleno, 24 sobre 24 horas, ao longo dos 365 dias do ano, tratar, cuidar, reabilitar e reinserir os doentes/utentes/famílias. Tudo isto com restrições enormíssimas de recursos humanos, estruturais, de instalações e equipamentos.

Sabemos que a greve vai ter implicações grandes e consequências maiores, no adiamento de milhares de cirurgias. Por nossa vontade, concerteza que evitávamos todos os inconvenientes, daí decorrentes, que se possam repercutir no Cidadão doente. Temos também a certeza que, pelos ENFERMEIROS PORTUGUESES, a nenhum Cidadão lhe faltará os cuidados de saúde urgentes, seja em que patamar ou escala do Sistema Nacional de Saúde, for. Mas também não abrandaremos as nossas posições e reivindicações, porque o que aqui exprimimos ao Governo, à Sociedade e ao País, é justo. E é também, para melhor cuidar, reabilitar e reinserir os nossos doentes, que desenvolvemos esta reivindicação. Precisamos de mais tempo para estar junto daqueles que precisam, que tratamos e cuidamos. E disso que não haja qualquer dúvida!

Por tudo isto, exigimos, entre outras coisas:

  • Uma nova carreira que contemple as categorias de ENFERMEIRO ESPECIALISTA E ENFERMEIRO CHEFE/GESTOR;
  • Progressões justas e ajustadas a Todos os ENFERMEIROS (muitos ENFERMEIROS estão sem progredir 10, 12, 15, 18 e mais anos);
  • Remunerações justas e adequadas de acordo com a nossa formação académica, responsabilidade e exigência profissional;
  • Reconhecimento do desgaste e penosidade da nossa profissão.
  • Cumprimento das dotações seguras nos Serviços;

Os ENFERMEIROS PORTUGUESES, não querem em manifestação chegar ao extremo de derrubar grades e subir a escadaria da Assembleia da República. Temos uma postura de firmeza, lealdade para com os nossos princípios e juramentos e junto daqueles a quem dedicamos os nossos cuidados. Mantemos a nossa seriedade e reivindicação, até que o poder político honre a sua palavra, assuma as negociações já feitas e assinadas e escutem a nossa voz.

Caros Colegas e ENFERMEIROS PORTUGUESES, não esqueçamos que “não se esquenta uma casa com a promessa de lenha” (provérbio Japonês). E o poder político passa o tempo e as legislaturas a prometer e a não cumprir, apesar das mensagens de campanha, de declarações à imprensa e à comunicação social, de que os ENFERMEIROS PORTUGUESES são o pilar do SNS, de que têm razão nas suas reivindicações e de que vão ser os mais beneficiados nas progressões. Tudo declarações falaciosas, que estamos fartos de ouvir, pela boca dos mais responsáveis dos diversos governos e Presidência da República.

O momento exige muita serenidade, mas muita firmeza e união. Olhamos o poder político olhos nos olhos e exprimimos as nossas mais que válidas razões. Os ENFERMEIROS PORTUGUESES são gente que cuida de gente, que no acto final da nossa licenciatura, fizemos um juramento de que estávamos ao serviço da vida e das pessoas. Este é um valor supremo da nossa profissão. Os doentes/utentes/famílias para nós não são números, são Pessoas!

JUNTOS SOMOS MAIS FORTES. Assim o queiramos e saibamos sê-lo!

Humberto Domingues

Enf. Espec. Saúde Comunitaria

2018.11.02 – 09h00

O melhor da PortalEnf no teu Email...

Assina aqui a nossa Newsletter e recebe todas as novidades da PortalEnf!

Obrigado por assinar. Vais receber um mail... verifica a caixa de Spam!

Something went wrong.

Loading...
Share This Article:

close

Partilha isto com um amigo