Fundo de apoio a greves dos enfermeiros ainda tem 246 mil euros

0 4

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Segundo o breve relatório, divulgado pelo jornal Público e que foi publicado na página do Facebook do grupo “Greve Cirúrgica”, que esteve na origem das paralisações que obrigaram a adiar milhares de cirurgias, sobraram da primeira greve 42.157 euros.

Os dados indicam que o total angariado da segunda greve (384.836 euros) mais o que sobrou da primeira totalizou 426.933 euros.

O grupo lembra ainda que, do valor total angariado, é retirado pela plataforma PPL o correspondente ao IVA (23%) e à comissão pelo trabalho. Os dados indicam ainda que foram gastos 180.869 em doações e despesas de manutenção de conta, restando um remanescente de 246.124 euros.

O grupo de profissionais aproveita a mensagem publicada para agradecer “todos os contributos dos colegas em prol desta luta nunca antes tentada”, aos enfermeiros dos blocos cirúrgicos que levaram a cabo a paralisação, aos piquetes de greve e aos sindicatos que a apoiaram.

“Fizemos o que ainda não tinha sido feito e não vamos parar por aqui”, avisa o grupo, garantindo: “Brevemente daremos mais informações acerca do destino do montante remanescente”.

O grupo “Greve Cirúrgica” garante que vai manter-se “atento e em período de definição de novas estratégias” e afirma: “vamos continuar sempre ao lado dos enfermeiros”.

A primeira greve cirúrgica decorreu entre 22 de novembro e 31 de dezembro de 2018 e a segunda entre 31 de janeiro e 28 de fevereiro, acabando por ser interrompida depois de a Procuradoria-Geral da República ter considerado a primeira paralisação ilegal por não corresponder ao pré-aviso e porque o fundo usado para compensar a perda de salário não foi constituído nem gerido pelos sindicatos que decretaram a greve.

Na segunda greve, o Governo decretou uma requisição civil para quatro dos dez centros hospitalares abrangidos pela paralisação, alegando o não cumprimento dos serviços mínimos que tinham sido definidos com os sindicatos.

Entretanto, o Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal (Sindepor) marcou uma greve para começar a 02 de abril, mas foi sendo sucessivamente adiada na sequência das negociações com a tutela e que acabou cancelada na passada quarta-feira.

“Para o Sindepor a prioridade será sempre a resolução dos problemas dos Enfermeiros através de processos negociais pelo que, neste momento e tendo em conta as condições existentes, decretamos a suspensão definitiva da greve”, lê-se na mensagem publicada na página do Facebook deste sindicato.

LUSA

Fonte: Saúde Online

[ratemypost] [ratemypost-result]

Loading...
Share This Article:

close

Partilha isto com um amigo