Cientistas descobrem um novo e importante ponto fraco do coronavírus

0 170

Cientistas da Northwestern University, nos Estados Unidos, descobriram um novo ponto fraco na famosa proteína S ou proteína spike (espigão), a grande molécula por meio da qual o SARS-CoV-2 reconhece as células humanas e entra nelas. Assim, com esta descoberta, as portas para novos tipos de tratamento poderão estar abertas. A forma prática como é mostrada nesta descoberta poderá significar que foi encontrado o caminho para pôr fim a esta pandemia causada pelo novo coronavírus.

A cada dia que passa, as investigações conhecem melhor o SARS-CoV-2 e a forma como infeta os humanos.

Através de simulações que reproduziram a proteína numa nanoescala (um nanómetro equivalente a um milionésimo de milímetro), os cientistas analisaram uma região com carga positiva, conhecida como sítio de clivagem polibásica. Esta zona está localizada a uma distância de 10 nanómetros do local de reconhecimento de proteínas. É aqui o ponto exato onde a molécula se liga às proteínas humanas. Assim, esta clivagem permite que a ligação entre a proteína do pico e os recetores carregados negativamente em células humanas seja forte.

Portanto, eles projetaram uma molécula negativa com a capacidade de se ligar à clivagem. Como resultado, poderá haver um bloqueio à capacidade do SARS-CoV-2 de se ligar a células humanas.

 

Será o princípio do fim do coronavírus e da doença COVID-19?

Quanto mais se conhece o vírus e a sua forma de atuar, mais se poderá “fechar” as portas à ocorrência da COVID-19. A vacina ou tratamento poderá passar, antes de mais, por isolar o vírus, para que este não consiga infetar as células humanas.

O nosso trabalho indica que o bloqueio deste local de clivagem pode ser um tratamento profilático viável que reduz a capacidade do vírus de infetar humanos. Além disso, os nossos resultados explicam estudos experimentais que mostram que as mutações da proteína spike afetaram a transmissibilidade do vírus.

Explicou Monica Olvera de la Cruz, diretora da investigação.

Ler  Proibição de acumular funções deixa lares sem enfermeiros

Este local de clivagem era indescritível até agora e, de acordo com os investigadores, foi uma surpresa descobrir a sua localização e a sua capacidade de interagir no local de ligação, pelo qual a proteína do vírus se liga ao recetor humano.

Não esperávamos encontrar interações eletrostáticas a uma distância de 10 nanômetros. Em condições fisiológicas, este tipo de interação geralmente não ocorre a mais de um nanómetro.

Referiu Baofu Qiao, primeiro autor do estudo.

Neste caso, parece que não. Conforme explica Olvera Cruz, tudo indica que esta região adere a uma enzima chamada furina, muito abundante nos pulmões, “o que sugere que o local de clivagem é fundamental para a entrada do vírus nas células humanas”.

Com estas informações em mãos, Olvera de la Cruz e Qiao planeiam trabalhar com químicos e farmacologistas para desenvolver um novo tratamento que se ligue a essa região da proteína spike, do novo coronavírus.

A descoberta inaugura uma nova rota de tratamento possível e foi recentemente publicada na revista “ACS Nano“.

Fonte: PplWare

vote
Article Rating
Looks like you have blocked notifications!
0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Utilizamos cookies para personalizar conteúdo e anúncios, fornecer funcionalidades e analisar o nosso tráfego. Ao continuar a navegar, está a concordar com a sua utilização. Aceitar Ler mais

0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x
error: Alert: Content is protected !!
Partilha isto com um amigo