Notícias

Examinando como 309 municípios na Finlândia organizaram seus serviços de assistência social e saúde

Examinando como 309 municípios na Finlândia organizaram seu bem-estar social e ele

Nenhum município depende da provisão puramente pública ou privada de assistência social e serviços de saúde. Crédito: Katri Kauppi e Suvituulia Taponen

Pesquisa recente, agora publicada na revista Revisão da Gestão Pública, mostra que a divisão rígida entre serviços públicos e privados não é realista e a privatização de serviços não traz automaticamente economia de custos. A centralização vale a pena, no entanto: municípios grandes e municípios que prestam serviços por meio de autoridades municipais conjuntas geralmente têm custos mais baixos.

Os resultados da pesquisa e a experiência prática da lucratividade da privatização da previdência social e dos serviços de saúde são contraditórios.

Por esta razão, Katri Kauppi, professora da Aalto University School of Business, e a pesquisadora de pós-doutorado Suvituulia Taponen, da University of Helsinki, quiseram examinar minuciosamente como os serviços de bem-estar social e de saúde são organizados na prática nos municípios finlandeses e como os custos diferem entre os métodos de produção de diferentes serviços.

Para os fins da pesquisa, eles analisaram como a produção de dez diferentes serviços de assistência social e saúde foi organizada nos 309 municípios da Finlândia em 2016-2019 e se o Método de produção tinha uma relação com o tamanho do municípioproporção de áreas urbanas e estrutura populacional ou os custos dos serviços.

“A pesquisa mostra que nenhum município depende da provisão puramente pública ou privada de assistência social e serviços de saúde. Em vez disso, os métodos são combinados e o mesmo serviço pode ser produzido de maneiras diferentes”, diz Katri Kauppi.

Com base na análise, Kauppi e Taponen dividiram os municípios em cinco grupos:

1. Colaboradores (Kumppanit em finlandês)

O município adquire principalmente os serviços de uma autoridade municipal conjunta, normalmente aproximadamente 95 por cento.

2. Suplementadores (Täydentäjät)

O município complementa a sua própria prestação de serviços adquirindo serviços principalmente ao setor privado e a terceiros. Esses municípios compram, por exemplo, 42% de empresas de serviços habitacionais para pessoas com deficiência e 43% de serviços especiais para serviços de abuso de substâncias. Neste grupo são adquiridos muitos serviços de proteção à criança, aproximadamente 72 por cento da produção de serviços. Os números são médias dos dados de 2019.

3. Compradores (Hankkijat)

Os compradores são pequenos municípios com menos de 20.000 habitantes que são obrigados pela lei sobre a reforma municipal e da estrutura de serviços (169/2007) (em finlandês) a cooperar na produção de serviços. Esses municípios compram uma proporção significativa de seus serviços dos chamados municípios anfitriões. Seus métodos de produção variam de acordo com o serviço. Além da produção própria, os métodos de produção incluem compras de prefeituras, municípios e empresas conjuntas.

4. Privatizadores (Yksityistäjät)

Municípios muito pequenos produzem poucos serviços próprios. Eles compram uma quantidade significativa de seus serviços de empresas e, em parte, de outros atores públicos.

5. Descentralizadores (Hajauttajat)

Nos Descentralizadores, os métodos de produção variam mais do que em outros municípios entre os métodos de produção individuais, e não há uma forma dominante clara. Ao examinar dados de longo prazo, muitos municípios mudaram para ou do grupo Descentralizadores. Os descentralizadores provavelmente são municípios em fase de transição, e a descentralização faz parte de uma fase intermediária na qual os municípios estão passando de um dos quatro primeiros modelos para outro.

o dados de pesquisa foi coletado no nível municipal. Por exemplo, os dados podem mostrar que um município comprou 90% de um determinado serviço de uma autoridade municipal conjunta. No entanto, os dados não explicam como a junta municipal produziu seu serviço.

Diferenças de custo menores do que o esperado

Com exceção das Privatizadoras, a produção de serviços em quase todos os municípios depende de uma combinação de métodos de produção. Os municípios combinam de forma flexível a produção pública e privada, cooperam com outros municípios e compram serviços dos municípios anfitriões.

Foram encontradas diferenças estatisticamente significativas nos custos de produção de serviços. No entanto, as diferenças não foram tão significativas quanto se poderia esperar com base nas contradições do debate público. Em muitos serviços, Suplementadores e Colaboradores conseguiram cobrir custos menores que outros, mas não em todos os serviços. Em 2019, por exemplo, o custo médio por habitante da consulta ambulatorial serviços de saúde foi de 461€ para Complementares e 486€ para Colaboradores, contra 569€ para Descentralizadores. O pano de fundo provavelmente será o tamanho médio maior dos municípios Suplementares e os benefícios de custo da centralização com parceiros.

Além do modelo de produção, as diferenças de custos também se explicam pela estrutura etária: Em média, a população de Suplementadores é mais jovem que a dos demais municípios. O mais significativo bem-estar social e os custos com saúde foram incorridos pelos municípios Descentralizadores, o que pode ser explicado pelos possíveis custos e sobreposições de funções relacionados à fase de transição da produção do serviço.

“Os resultados da pesquisa sustentam a ideia de custo-efetividade de serviços centralizados. Quando comparamos os custos por habitante de diferentes serviços, estatisticamente a maioria dos custos mais baixos foram encontrados em Suplementadores, ou seja, grandes municípios, e em parceiros que reuniram os volumes populacionais de vários municípios em uma autoridade municipal conjunta. A relação custo-benefício dos serviços centralizados é um dos objetivos dos condados de serviços de bem-estar a partir de 1º de janeiro de 2023”, diz Suvituulia Taponen.

Os pesquisadores destacam que os novos municípios de serviços de bem-estar, principalmente aqueles que não possuem uma autarquia municipal, começarão a funcionar durante a fase de transição. Nesta situação, a produção de serviços pode ser mais cara. Do ponto de vista dos custos de produção, esforços devem ser feitos para avançar rapidamente para um modelo operacional de Suplementadores ou Colaboradores.

Mais Informações:
Katri Kauppi et al, Colaboradores, suplementadores, compradores e privatizadores – traçando o perfil das formas de prestação de assistência social e de saúde dos municípios finlandeses por meio da análise de cluster, Revisão da Gestão Pública (2022). DOI: 10.1080/14719037.2022.2150882

Fornecido por
Universidade de Aalto


Citação: Examinando como 309 municípios na Finlândia organizaram seus serviços de assistência social e saúde (2022, 28 de dezembro) recuperado em 28 de dezembro de 2022 em https://medicalxpress.com/news/2022-12-municipalities-finland-social-welfare-health .html

Este documento está sujeito a direitos autorais. Além de qualquer negociação justa para fins de estudo ou pesquisa privada, nenhuma parte pode ser reproduzida sem a permissão por escrito. O conteúdo é fornecido apenas para fins informativos.

Looks like you have blocked notifications!

Segue as Notícias da Comunidade PortalEnf e fica atualizado.(clica aqui)

Portalenf Comunidade de Saúde

A PortalEnf é um Portal de Saúde on-line que tem por objectivo divulgar tutoriais e notícias sobre a Saúde e a Enfermagem de forma a promover o conhecimento entre os seus membros.

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo
Keuntungan Bermain Di Situs Judi Bola Terpercaya Resmi slot server jepang