Notícias

Os antigos gregos e romanos tiveram Alzheimer?

estátua grega

Crédito: Pixabay/CC0 Domínio Público

Você pode pensar que a demência relacionada à idade sempre esteve conosco, desde o mundo antigo.

Mas uma nova análise de textos médicos clássicos gregos e romanos sugere que a perda grave de memória – que ocorre hoje em níveis epidémicos – era extremamente rara entre 2.000 e 2.500 anos atrás, no tempo de Aristóteles, Galeno e Plínio, o Velho.

A pesquisa liderada pela USC, publicada no Jornal da Doença de Alzheimer, reforça a ideia de que a doença de Alzheimer e as demências relacionadas são doenças dos ambientes e estilos de vida modernos, sendo o comportamento sedentário e a exposição à poluição atmosférica os principais culpados.

“Os antigos gregos tinham muito, muito poucas – mas nós as encontramos – menções a algo que seria como um comprometimento cognitivo leve”, disse o primeiro autor Caleb Finch, professor universitário da Escola de Gerontologia Leonard Davis da USC. “Quando chegamos aos romanos e descobrimos pelo menos quatro declarações que sugerem casos raros de demência avançada – não podemos dizer se é Alzheimer. Portanto, houve uma progressão que vai dos antigos gregos aos romanos.”

Os antigos gregos reconheciam que o envelhecimento geralmente trazia problemas de memória que reconheceríamos como comprometimento cognitivo leve, ou MCI, mas nada que se aproximasse de uma grande perda de memória, fala e raciocínio causada pela doença de Alzheimer e outros tipos de demência.

Finch e o co-autor Stanley Burstein, historiador da Universidade Estadual da Califórnia, em Los Angeles, debruçaram-se sobre um importante corpo de escritos médicos antigos de Hipócrates e seus seguidores. O texto cataloga doenças dos idosos, como surdez, tontura e distúrbios digestivos – mas não faz menção à perda de memória.

Séculos mais tarde, na Roma antiga, surgem algumas menções. Galeno comenta que aos 80 anos alguns idosos começam a ter dificuldade em aprender coisas novas. Plínio, o Velho, observa que o senador e famoso orador Valerius Messalla Corvinus esqueceu seu próprio nome. Cícero observou prudentemente que “a tolice dos idosos… é característica dos velhos irresponsáveis, mas não de todos os velhos”.

Finch especula que à medida que as cidades romanas se tornavam mais densas, a poluição aumentava, provocando casos de declínio cognitivo. Além disso, os aristocratas romanos usavam recipientes de chumbo para cozinhar, canos de água de chumbo e até acrescentavam acetato de chumbo ao vinho para adoçá-lo – envenenando-se involuntariamente com a poderosa neurotoxina.

(Alguns escritores antigos reconheceram a toxicidade do material contendo chumbo, mas pouco progresso foi feito no tratamento do problema até meados do século XX. Alguns estudiosos culpam o envenenamento por chumbo pela queda do Império Romano.)

Para este artigo, Finch não pensou apenas no Império Romano ou nos Gregos. Na ausência de dados demográficos para a Grécia e Roma antigas, Finch recorreu a um modelo surpreendente para o envelhecimento antigo: os actuais ameríndios Tsimane, um povo indígena da Amazónia boliviana.

Os Tsimane – tal como os antigos gregos e romanos – têm um estilo de vida pré-industrial que é muito activo fisicamente e têm taxas extremamente baixas de demência. Uma equipa internacional de investigadores cognitivos liderada por Margaret Gatz, professora de psicologia, gerontologia e medicina preventiva na Escola Leonard Davis da USC, descobriu que entre as pessoas mais velhas de Tsimane, apenas cerca de 1% sofre de demência. Em contraste, 11% das pessoas com 65 anos ou mais que vivem nos Estados Unidos têm demência, de acordo com a Associação de Alzheimer.

“Os dados de Tsimane, que são bastante profundos, são muito valiosos”, disse Finch. “Esta é a grande população de idosos mais bem documentada que tem demência mínima, o que indica que o ambiente é um enorme determinante no risco de demência. Eles dão-nos um modelo para fazer estas perguntas.”

Mais Informações:
Caleb E. Finch et al, Demência no antigo mundo greco-romano foi minimamente mencionada, Jornal da doença de Alzheimer (2024). DOI: 10.3233/JAD-230993

Fornecido pela Universidade do Sul da Califórnia

Citação: Os antigos gregos e romanos tiveram Alzheimer? (2024, 31 de janeiro) recuperado em 31 de janeiro de 2024 em https://medicalxpress.com/news/2024-01-ancient-greeks-romans-alzheimer.html

Este documento está sujeito a direitos autorais. Além de qualquer negociação justa para fins de estudo ou pesquisa privada, nenhuma parte pode ser reproduzida sem permissão por escrito. O conteúdo é fornecido apenas para fins informativos.

Portalenf Comunidade de Saúde

A PortalEnf é um Portal de Saúde on-line que tem por objectivo divulgar tutoriais e notícias sobre a Saúde e a Enfermagem de forma a promover o conhecimento entre os seus membros.

Looks like you have blocked notifications!

Comenta no Facebook

Portalenf Comunidade de Saúde

A PortalEnf é um Portal de Saúde on-line que tem por objectivo divulgar tutoriais e notícias sobre a Saúde e a Enfermagem de forma a promover o conhecimento entre os seus membros.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Botão Voltar ao Topo
Keuntungan Bermain Di Situs Judi Bola Terpercaya Resmi slot server jepang
error: Alert: Conteúdo protegido !!
Send this to a friend