Notícias

Pesquisadores identificam nova opção de terapia para doença autoimune rara EGPA

autoimune

Crédito: imagem gerada por IA

Uma equipe internacional identificou uma nova terapêutica para pacientes com uma doença autoimune rara chamada granulomatose eosinofílica com poliangiite (EGPA). Um medicamento biológico chamado benralizumab demonstrou não ser inferior ao mepolizumab no tratamento da EGPA.

Num ensaio clínico envolvendo 140 pacientes com a doença rara, os investigadores compararam diretamente dois medicamentos biológicos, mepolizumab e benralizumab. Os pacientes receberam injeções subcutâneas mensais de 300 mg de mepolizumabe ou 30 mg de benralizumabe durante um ano. As conclusões do ensaio foram publicadas em 23 de fevereiro de 2024, no Jornal de Medicina da Nova Inglaterra.

“Nossas descobertas mostram que o benralizumabe foi tão eficaz quanto o mepolizumabe na redução das exacerbações e na remissão da doença durante as 52 semanas do estudo”, diz Parameswaran Nair, professor do Departamento de Medicina de McMaster e respirologista do St. Saúde.

Nair foi um dos principais investigadores do estudo que liderou a equipe canadense. Ele trabalhou em estreita colaboração com Nader Khalidi, professor do Departamento de Medicina de McMaster e reumatologista do St. Joe’s, para projetar o estudo e recrutar pacientes.

“A dose subcutânea única de 30 mg de benralizumabe oferece uma vantagem aos pacientes em relação às três doses subcutâneas de 100 mg de mepolizumabe”, diz Nair.

A EGPA, também conhecida como Síndrome de Churg-Strauss, é uma doença autoimune rara causada pela inflamação de vasos sanguíneos de pequeno e médio porte e está associada a contagens muito elevadas de eosinófilos no sangue e nos tecidos. Isso pode causar danos aos pulmões, pele, coração, trato gastrointestinal e nervos. A maioria dos pacientes com EGPA apresenta problemas respiratórios e pulmonares.

Os investigadores observaram que aproximadamente 16 por cento mais pacientes no grupo do benralizumab conseguiram abster-se de usar corticosteróides orais em comparação com o grupo do mepolizumab. Normalmente, os pacientes com EGPA usam corticosteróides orais como a prednisona para controle dos sintomas, apesar dos efeitos adversos.

“Sem produtos biológicos, contamos predominantemente com corticosteróides orais para controlar os sintomas da EGPA. O tratamento prolongado com prednisona reduz o risco de recaída dos sintomas da EGPA, mas traz efeitos tóxicos progressivos”, diz Khalidi. “Em nosso estudo, o tratamento com benralizumabe permitiu que mais pacientes descontinuassem a prednisona durante um período de 52 semanas em comparação com o mepolizumabe”.

Mepolizumabe e benralizumabe são medicamentos biológicos. Os produtos biológicos são uma classe de medicamentos provenientes de organismos vivos ou de suas células, geralmente produzidos por meio de biotecnologia.

Os dois produtos biológicos utilizados neste estudo atuam visando os sinais ou os receptores de eosinófilos, um tipo de célula imunológica encontrada em altas concentrações no sangue e nos tecidos de pacientes com EGPA. Ao bloquear os sinais ou receptores que atraem os eosinófilos para vários tecidos, como os pulmões, o mepolizumabe e o benralizumabe diminuem efetivamente os eosinófilos, reduzindo os sintomas.

“O benralizumab foi associado a uma maior depleção de eosinófilos no sangue do que o mepolizumab a partir da primeira semana”, diz Nair. “Ambas as drogas foram bem toleradas sem quaisquer novos eventos adversos”.

O estudo baseia-se em uma longa história de pesquisa sobre condições eosinofílicas do Firestone Institute for Respiratory Health em St. Joe’s. O trabalho pioneiro no estudo da asma eosinofílica grave realizado por Freddy Hargreave levou a um método para enumerar eosinófilos em amostras de escarro para diagnósticos precisos de asma.

Para pacientes com asma grave dependente de prednisona, Hargreave, Nair e seus colegas foram os primeiros a demonstrar a eficácia do mepolizumabe em 2009. Em 2017, Nair demonstrou ainda mais a eficácia do benralizumabe para a mesma condição. Ambos os estudos marcantes foram publicados no Jornal de Medicina da Nova Inglaterra.

“É muito gratificante que o nosso programa de investigação no Firestone Institute em St. Joe’s tenha levado ao desenvolvimento destas novas opções de tratamento para pacientes com doenças eosinofílicas graves”, diz Nair.

Mais Informações:
Michael E. Wechsler et al, Benralizumab versus Mepolizumab para Granulomatose Eosinofílica com Poliangeíte, Jornal de Medicina da Nova Inglaterra (2024). DOI: 10.1056/NEJMoa2311155

Fornecido pela Universidade McMaster

Citação: Pesquisadores identificam nova opção de terapia para doenças autoimunes raras EGPA (2024, 23 de fevereiro) recuperado em 24 de fevereiro de 2024 em https://medicalxpress.com/news/2024-02-choice-therapy-rare-autoimmune-disease.html

Este documento está sujeito a direitos autorais. Além de qualquer negociação justa para fins de estudo ou pesquisa privada, nenhuma parte pode ser reproduzida sem permissão por escrito. O conteúdo é fornecido apenas para fins informativos.

Looks like you have blocked notifications!

Segue as Notícias da Comunidade PortalEnf e fica atualizado.(clica aqui)

Portalenf Comunidade de Saúde

A PortalEnf é um Portal de Saúde on-line que tem por objectivo divulgar tutoriais e notícias sobre a Saúde e a Enfermagem de forma a promover o conhecimento entre os seus membros.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Botão Voltar ao Topo
Keuntungan Bermain Di Situs Judi Bola Terpercaya Resmi slot server jepang
Send this to a friend