Notícias

Microplásticos encontrados em placas arteriais estão associados a maior risco de ataque cardíaco, acidente vascular cerebral e morte

artéria

Crédito: Pixabay/CC0 Domínio Público

Os microplásticos e nanoplásticos estão em todo o nosso ambiente – incluindo nos nossos oceanos e lagos, nas terras agrícolas e até nas algas do gelo do Ártico.

Microplásticos também foram encontrados dentro de nós – com estudos que os detectaram em vários tecidos, incluindo pulmões, sangue, coração e placenta. Compreensivelmente, aumenta a preocupação com os riscos potenciais dos microplásticos para a nossa saúde.

No entanto, embora um crescente corpo de investigação se tenha centrado nos microplásticos e nanoplásticos, ainda faltam provas diretas de que a sua presença nos tecidos humanos é prejudicial para a nossa saúde – e é incerto se estão relacionados com doenças específicas.

No entanto, um novo estudo descobriu uma correlação entre microplásticos e saúde cardíaca. Os pesquisadores descobriram que as pessoas que tinham microplásticos e nanoplásticos detectáveis ​​nas placas das artérias tinham um risco maior de ataque cardíaco, acidente vascular cerebral e morte.

Saúde do coração

Os pesquisadores analisaram 257 pessoas ao todo. Todos os pacientes já estavam sendo submetidos a uma cirurgia preventiva para remover placas das artérias carótidas (as principais artérias que fornecem sangue ao cérebro). Isso permitiu que os pesquisadores coletassem amostras de placas e realizassem uma análise química. Eles então acompanharam os participantes 34 meses depois.

Dos 257 participantes, descobriu-se que 150 tinham a presença de microplásticos e nanoplásticos em suas placas arteriais – principalmente fragmentos de dois dos plásticos mais usados ​​no mundo, o polietileno (usado em sacolas de supermercado, garrafas e embalagens de alimentos) e cloreto de polivinila. (utilizado em pisos, revestimentos e tubulações).

Uma análise estatística destes dados descobriu que os pacientes com microplásticos e nanoplásticos na placa apresentavam um risco maior de sofrer um ataque cardíaco, acidente vascular cerebral ou morte por qualquer causa, em comparação com aqueles que não tinham microplásticos ou nanoplásticos na placa.

Os pesquisadores também analisaram os macrófagos (um tipo de célula imunológica que ajuda a remover patógenos do corpo) nas artérias dos pacientes. Eles descobriram que os participantes que tinham microplásticos e nanoplásticos em suas placas também apresentavam evidências de fragmentos de plástico em seus macrófagos.

Eles também analisaram se certos genes associados à inflamação (que podem ser um sinal de doença) estavam ativados nos participantes. Eles descobriram que os participantes que tinham microplásticos e nanoplásticos em suas placas também apresentavam sinais de inflamação em seus genes.

Estes resultados podem sugerir que um acúmulo de nanoplásticos e microplásticos na placa carotídea pode desencadear parcialmente a inflamação. Esta inflamação pode posteriormente alterar a forma como a placa se comporta no corpo, tornando-a menos estável e provocando a formação de um coágulo sanguíneo – que pode eventualmente bloquear o fluxo sanguíneo, levando a ataques cardíacos e derrames.

Curiosamente, os investigadores também descobriram que a presença de nanoplásticos e microplásticos era mais comum em participantes que tinham diabetes e doenças cardiovasculares. Isto levanta muitas questões que ainda não foram respondidas – como por que razão os microplásticos eram mais comuns nestes participantes e se pode haver uma correlação entre outras doenças e a presença de microplásticos no corpo.

Outros riscos para a saúde

Este estudo concentrou-se apenas em pacientes que tinham doença da artéria carótida e já estavam sendo submetidos a uma cirurgia para remover o acúmulo de placa. Como tal, não está claro se as descobertas deste estudo podem ser aplicadas a uma população maior de pessoas.

No entanto, não é o primeiro estudo a mostrar uma ligação entre microplásticos e nanoplásticos com problemas de saúde. A pesquisa sugere que alguns desses danos podem ser devidos à forma como os microplásticos e nanoplásticos interagem com as proteínas do corpo.

Por exemplo, algumas proteínas humanas aderem à superfície dos nanoplásticos de poliestireno, formando uma camada que envolve a nanopartícula. A formação desta camada pode influenciar a atividade e transferência de nanoplásticos em órgãos humanos.

Outro estudo sugeriu que os nanoplásticos podem interagir com uma proteína chamada alfa-sinucleína, que em estudos com ratos demonstrou desempenhar um papel crucial na facilitação da comunicação entre as células nervosas. Esses aglomerados de nanoplásticos e proteínas podem aumentar o risco da doença de Parkinson.

Meu doutorado publicado. pesquisas em embriões de galinha descobriram que os nanoplásticos podem causar malformações congênitas devido à forma como interagem com uma proteína chamada caderina6B. Com base nas interações que eu e outros pesquisadores observamos, essas malformações podem afetar os olhos e o tubo neural do embrião, bem como o desenvolvimento e a função do coração.

Dado que os nanoplásticos e os microplásticos são encontrados na placa carotídea, precisamos agora de investigar como é que estes plásticos chegaram a esses tecidos.

Em ratos, foi demonstrado que os macrófagos intestinais (um tipo de glóbulo branco) podem absorver microplásticos e nanoplásticos na sua membrana celular. Talvez um mecanismo semelhante esteja ocorrendo nas artérias, uma vez que nanoplásticos foram identificados em amostras de macrófagos da placa carotídea.

As descobertas deste último estudo somam-se a um conjunto crescente de evidências que mostram uma ligação entre os produtos plásticos e a nossa saúde. É importante agora que os investigadores investiguem os mecanismos específicos pelos quais os microplásticos e nanoplásticos causam danos ao corpo.

Fornecido por A Conversa

Este artigo foi republicado de The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original.A conversa

Citação: Microplásticos encontrados em placas arteriais associados a maior risco de ataque cardíaco, acidente vascular cerebral e morte (2024, 24 de março) recuperado em 24 de março de 2024 em https://medicalxpress.com/news/2024-03-microplastics-artery-plaque-linked- superior.html

Este documento está sujeito a direitos autorais. Além de qualquer negociação justa para fins de estudo ou pesquisa privada, nenhuma parte pode ser reproduzida sem permissão por escrito. O conteúdo é fornecido apenas para fins informativos.

Looks like you have blocked notifications!

Segue as Notícias da Comunidade PortalEnf e fica atualizado.(clica aqui)

Portalenf Comunidade de Saúde

A PortalEnf é um Portal de Saúde on-line que tem por objectivo divulgar tutoriais e notícias sobre a Saúde e a Enfermagem de forma a promover o conhecimento entre os seus membros.

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo
Keuntungan Bermain Di Situs Judi Bola Terpercaya Resmi slot server jepang