Notícias

Muitos pacientes com diabetes tipo 2 não têm conhecimento sobre sua doença que pode salvar vidas, descobrem os pesquisadores

diabetes

Crédito: CC0 Domínio Público

A incapacidade do corpo de produzir insulina suficiente ou de usá-la com eficácia geralmente resulta em diabetes tipo 2 (DT2), uma doença crônica que afeta centenas de milhões de pessoas em todo o mundo. O manejo da doença é crucial para evitar resultados negativos a longo prazo, como amputação de membros ou doenças cardíacas. Para neutralizar as consequências adversas, é crucial que os pacientes tenham bons conhecimentos sobre o manejo diário da doença.

Uma equipa de investigadores em Portugal avaliou agora quantos pacientes – tratados com insulina e não tratados com insulina – têm este conhecimento crucial sobre o DM2. Eles publicaram suas descobertas em Fronteiras na Saúde Pública.

“A nossa principal motivação foi contribuir para a redução da disparidade existente no conhecimento que os doentes diabéticos têm sobre a sua doença”, afirmou o primeiro autor, Prof. Pedro Lopes Ferreira, diretor do Centro de Estudos e Investigação em Saúde da Universidade de Coimbra. “Com este estudo evidenciamos a necessidade de melhorar o conhecimento da doença dos pacientes diabéticos tipo 2”.

Os níveis de conhecimento variam amplamente

Para avaliar o conhecimento sobre diabetes, os pesquisadores utilizaram um teste de conhecimento desenvolvido para pessoas com diabetes tipo 1 ou tipo 2. Entre outras questões, o teste inclui seções sobre nutrição, sinais e sintomas e controle de medicamentos. Participaram do estudo um total de 1.200 pessoas com diabetes, das quais quase 40% foram tratadas com insulina. O restante da amostra aderiu a dietas específicas, alguns deles tomando adicionalmente antidiabéticos orais não insulínicos, enquanto outros dependiam apenas da dieta.

Os resultados mostraram que muitos participantes (71,3%) conseguiram responder corretamente às questões relacionadas com a alimentação e que mais de quatro em cada cinco entrevistados demonstraram um bom conhecimento do impacto positivo da atividade física. Mais de 75% dos entrevistados também conheciam o melhor método para testar os níveis de açúcar no sangue.

Em outras áreas, porém, os pesquisadores descobriram que faltava muito conhecimento. Por exemplo, quando questionados sobre qual alimento não deveria ser usado para tratar níveis baixos de açúcar no sangue, apenas 12,8% dos participantes responderam corretamente. A porcentagem mais baixa (4,4%) de respostas corretas foi em uma questão relativa aos sintomas de cetoacidose, uma complicação de DM2 em estágio avançado, potencialmente fatal.

“Uma das principais razões para esta disparidade de conhecimento é provavelmente o comportamento dos profissionais de saúde e as áreas que são priorizadas na informação aos pacientes”, explicou Lopes Ferreira.

Equipando os pacientes com conhecimento

Os pesquisadores descobriram que o uso de medicamentos foi um fator que impactou o conhecimento sobre DM2. O percentual de acertos foi de 51,8% para pacientes não tratados com insulina e 58,7% para pacientes em uso de insulina. Olhando para os factores socioeconómicos e demográficos, ter menos de 65 anos, ter ensino superior, não viver sozinho e seguir uma dieta específica teve um impacto positivo no conhecimento da doença.

Os investigadores afirmaram que os seus resultados destacam a necessidade de melhorar o conhecimento sobre DT2 sobre certos aspectos da doença, por exemplo a monitorização do açúcar no sangue, o que pode ajudar a evitar picos nos níveis de açúcar no sangue que estão associados a complicações agudas e crónicas. As lacunas de conhecimento nas secções individuais do teste também são algo que precisa de ser resolvido com urgência, destacou a equipa.

Afirmaram também que estudos com ainda mais participantes poderiam ajudar a compreender melhor o papel dos determinantes socioeconômicos e clínicos da doença.

“Focámo-nos no conhecimento que os próprios doentes têm da sua doença, em vez de a gestão da doença se basear apenas em indicadores biológicos. Esperamos que os resultados obtidos permitam aos profissionais mudar a forma como informam os doentes”, concluiu Lopes Ferreira.

Mais Informações:
Conhecimento sobre diabetes tipo 2: seu impacto no manejo futuro, Fronteiras na Saúde Pública (2024). DOI: 10.3389/fpubh.2024.1328001

Citação: Muitos pacientes com diabetes tipo 2 não têm conhecimento sobre sua doença que pode salvar vidas, descobriram os pesquisadores (2024, 8 de março) recuperado em 8 de março de 2024 em https://medicalxpress.com/news/2024-03-diabetes-pacientes-lack-potentially-life saving .html

Este documento está sujeito a direitos autorais. Além de qualquer negociação justa para fins de estudo ou pesquisa privada, nenhuma parte pode ser reproduzida sem permissão por escrito. O conteúdo é fornecido apenas para fins informativos.

Looks like you have blocked notifications!

Segue as Notícias da Comunidade PortalEnf e fica atualizado.(clica aqui)

Portalenf Comunidade de Saúde

A PortalEnf é um Portal de Saúde on-line que tem por objectivo divulgar tutoriais e notícias sobre a Saúde e a Enfermagem de forma a promover o conhecimento entre os seus membros.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Botão Voltar ao Topo
Keuntungan Bermain Di Situs Judi Bola Terpercaya Resmi slot server jepang
Send this to a friend