Notícias

Novo tratamento pode transformar a saúde mental de crianças com epilepsia

Crianças

Crédito: Pixabay/CC0 Domínio Público

Um novo tratamento psicológico para crianças com epilepsia, desenvolvido por uma equipa de cientistas liderada pela UCL, demonstrou reduzir as dificuldades de saúde mental em comparação com os cuidados padrão, conclui um novo estudo.

Problemas de saúde mental, como preocupações, mau humor e problemas de comportamento, são mais comuns em crianças e jovens com problemas cerebrais, como epilepsia, do que na população em geral – com até 60% das pessoas com epilepsia tendo distúrbios de saúde mental associados e muitos tendo mais de uma condição de saúde mental.

Essas condições podem ter um grande impacto na qualidade de vida e na saúde geral dos pacientes.

Atualmente, os problemas de saúde mental em crianças e jovens com epilepsia muitas vezes não são identificados porque os centros que tratam a epilepsia são geralmente separados daqueles que tratam as dificuldades de saúde mental. Quando são identificadas dificuldades de saúde mental, o tratamento padrão para crianças que também têm epilepsia é geralmente realizado por especialistas, como serviços de saúde mental para crianças e adolescentes (CAMHS) ou serviços hospitalares de psicologia pediátrica. O tratamento administrado geralmente envolve o tratamento de cada condição de saúde mental (ou seja, ansiedade, depressão, problemas comportamentais) individualmente.

O novo tratamento, denominado Intervenção de Saúde Mental para Crianças com Epilepsia (MICE), é baseado nos tratamentos recomendados pelo Instituto Nacional de Excelência em Saúde e Cuidados (NICE) para o tratamento de dificuldades comuns de saúde mental, como terapia cognitivo-comportamental para ansiedade. e depressão. No entanto, utiliza uma abordagem modular que permite tratar múltiplas condições de saúde mental ao mesmo tempo, em vez de ter tratamentos diferentes para diferentes dificuldades de saúde mental.

Também foi modificado especificamente para crianças e jovens com epilepsia, por exemplo, incluindo sessões que explicam a relação entre epilepsia e saúde mental.

Além disso, o tratamento pode ser realizado por telefone ou videochamada para que as pessoas não tenham que se deslocar ao hospital e perder tempo na escola ou no trabalho. E em vez de ser subcontratado a serviços como o CAMHS, é integrado em serviços de epilepsia – o que significa que pode ser prestado por especialistas não-mentalistas.

A autora principal, Dra. Sophie Bennett, que realizou a pesquisa enquanto trabalhava no Instituto de Saúde Infantil da UCL Great Ormond Street, disse: “Este avanço no tratamento significa que temos uma nova maneira de ajudar crianças e jovens com epilepsia que também têm problemas de saúde mental. dificuldades.

“O tratamento pode ser prestado a partir de serviços de epilepsia para agregar cuidados. Não precisa ser prestado por médicos especialistas em saúde mental, como psicólogos. A integração dos cuidados pode ajudar crianças com epilepsia e suas famílias de forma mais eficaz e eficiente. Estávamos particularmente fiquei satisfeito porque os benefícios foram mantidos quando o tratamento terminou.”

O novo tratamento, descrito em A Lancetafoi criado em conjunto com os jovens e as suas famílias e os profissionais que os cuidam, incluindo médicos, enfermeiros e psicólogos.

Os pacientes receberam uma avaliação inicial seguida de ligações semanais com o médico – embora a terapia presencial estivesse disponível, se preferido. As sessões foram ministradas diretamente ao jovem ou através do seu cuidador, com base nas suas circunstâncias individuais.

Os investigadores testaram o tratamento com 334 crianças e jovens com idades entre os três e os 18 anos. Destes, 166 receberam o novo tratamento MICE e 168 receberam o tratamento habitual para problemas de saúde mental em crianças com epilepsia.

Eles avaliaram a saúde mental e o bem-estar geral dos adolescentes a partir de um Questionário de Pontos Fortes e Dificuldades (SDQ) relatado pelos pais – cobrindo áreas como problemas emocionais, conduta, hiperatividade e problemas com colegas.

Os resultados mostraram que as crianças que fizeram o tratamento MICE tiveram menos dificuldades mentais do que aquelas que fizeram o tratamento habitual, e a mudança equivale a uma diminuição de 40% na probabilidade de ter um transtorno psiquiátrico.

O co-investigador-chefe, professor Roz Shafran (UCL Great Ormond Street Institute of Child Health e GOSH), disse: “Essas descobertas inovadoras não apenas prometem um futuro melhor para crianças com epilepsia, mas também abrem caminho para uma mudança revolucionária nos cuidados de saúde mental práticas. Os esforços colaborativos de cientistas, pacientes e profissionais de saúde trouxeram uma nova era de tratamento dos desafios de saúde mental associados à epilepsia, oferecendo um farol de esperança para as famílias diante dos desafios de saúde mental associados à epilepsia.”

A co-investigadora principal, professora Helen Cross (UCL Great Ormond Street Institute of Child Health e GOSH), acrescentou: “Este estudo mostra um progresso real para os médicos, considerando a alta taxa de problemas de saúde mental em crianças com epilepsia, à medida que demonstramos o benefício de uma terapia que pode ser implementada nos serviços de epilepsia existentes”.

A coautora, professora Isobel Heyman (Instituto de Saúde Infantil da UCL Great Ormond Street e colíder clínica de saúde mental no Cambridge Children’s Hospital), observou: “Esses resultados promissores mostram que a equipe que trabalha em ambientes pediátricos pode ser treinada para fornecer resultados mentais eficazes tratamento de saúde a crianças com problemas de saúde física (epilepsia). Demonstra claramente que as necessidades de cuidados de saúde das crianças podem ser satisfeitas de uma forma holística para tratar a ‘criança inteira’, no mesmo local e ao mesmo tempo.”

O trabalho foi conduzido em colaboração com especialistas do Hospital Infantil Great Ormond Street (GOSH), do King’s College London e da UCLA.

Mais Informações:
Intervenção de Saúde Mental para Crianças com Epilepsia (MICE): Um ensaio clínico randomizado, controlado e multicêntrico que avalia a eficácia clínica da terapia psicológica além dos cuidados habituais em comparação com os cuidados habituais com avaliação aprimorada isoladamente, A Lanceta (2024).

Fornecido pela University College Londres

Citação: Novo tratamento pode transformar a saúde mental de crianças com epilepsia (2024, 7 de março) recuperado em 7 de março de 2024 em https://medicalxpress.com/news/2024-03-treatment-mental-health-children-epilepsy.html

Este documento está sujeito a direitos autorais. Além de qualquer negociação justa para fins de estudo ou pesquisa privada, nenhuma parte pode ser reproduzida sem permissão por escrito. O conteúdo é fornecido apenas para fins informativos.

Looks like you have blocked notifications!

Segue as Notícias da Comunidade PortalEnf e fica atualizado.(clica aqui)

Portalenf Comunidade de Saúde

A PortalEnf é um Portal de Saúde on-line que tem por objectivo divulgar tutoriais e notícias sobre a Saúde e a Enfermagem de forma a promover o conhecimento entre os seus membros.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Botão Voltar ao Topo
Keuntungan Bermain Di Situs Judi Bola Terpercaya Resmi slot server jepang
Send this to a friend