Quase metade dos pré-avisos de greve diários são na educação – Observador

0 6

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

O ministro das Finanças disse esta quarta-feira que quase metade dos pré-avisos de greve que deram entrada em 2019 são na educação e dizem respeito a greves diárias, a tempos não letivos, que “empolam a estatísticas”.

Há 51 pré-avisos de greve na educação. São greves diárias, são greves às atividades não letivas, fora do horário letivo que empolam as estatísticas”, referiu Mário Centeno que está a ser ouvido na Comissão de Trabalho e Segurança Social.

Mário Centeno respondia assim ao deputado do PSD Álvaro Baptista que, citando dados noticiados pelo jornal Público, confrontou o ministro com o facto, de este ano, terem sido apresentados 112 pré-avisos até ao dia 15 de fevereiro, o que supera o número de pré-avisos que deram entrada ao longo de todo o ano de 2016.

As estatísticas são que são e a verdade é que até ao dia 8 de fevereiro deram entrada 105 pré-avisos de greve, mas 51 eram uma repetição do mesmo pré-aviso de greve na educação, que é uma greve ao período não letivo e, que distorce os dados”, precisou Mário Centeno.

O número de pré-avisos tem vindo a aumentar e em 2018 totalizou os 733, sendo este o número mais alto desde 2015.

Médicos, enfermeiros, professores, guardas prisionais, oficiais de justiça e trabalhadores dos impostos estão entre funcionários públicos que avançaram para a greve desde o início do ano passado. O atual governo enfrentou já duas greves gerais da função pública desde que está em funções. A primeira na reta final de 2018, e a segunda no dia 15 de fevereiro, tendo esta como principal motivo a decisão de apenas aumentar os trabalhadores que estão na base da tabela remuneratória da função pública, que passou dos 580 para os 635 euros.­

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para [email protected] ou, pessoalmente, para Sónia Simões ([email protected]) ou para João Francisco Gomes ([email protected]);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Fonte: Observador

Este post foi útil?

Clique numa estrela para o avaliar!!

Classificação média / 5. Contagem de votos:

Este post foi útil para ti...

Segue-nos nas redes sociais!

We are sorry that this post was not useful for you!

Let us improve this post!

Loading...
Share This Article:

close

Partilha isto com um amigo