Atualidade

Sindicância. Ordem dos Enfermeiros entende que deve ser indemnizada por “danos irreparáveis”

A ministra da Saúde, Marta Temido, desvaloriza a situação e afirma que vai contestar a providência cautelar que suspende a sindicância à Ordem dos Enfermeiros

A Ordem dos Enfermeiros (OE) entende que deve ser indemnizada pelos danos irreparáveis à imagem da instituição provocados pela sindicância ordenada pela ministra da Saúde, que considera ter “múltiplas ilegalidades”. O Tribunal Administrativo de Lisboa aceitou a providência cautelada OE na segunda-feira. A ministra da Saúde, Marta Temido, já fez saber que vai contestar, no prazo de 10 dias, a providência cautelar que suspende a sindicância à OE.

No documento, a Ordem aponta para “múltiplas ilegalidades” no processo da sindicância e entende que esse “ato ilícito” provocou “danos patrimoniais e não patrimoniais”, podendo levar a que o Ministério da Saúde e a ministra Marta Temido tenham de indemnizar “a título pessoal” a instituição.

O advogado que representa a Ordem dos Enfermeiros neste caso, Paulo Graça, escreve que a sindicância induz nos cidadãos a ideia de que “alguma coisa ilegal haverá”, por ser um ato desproporcionado, com publicitação e até com convite à denúncia.

Na providência cautelar entregue no Tribunal Administrativo de Lisboa, o advogado expressa que a ideia “de que não há fumo sem fogo”, passada pela forma como a sindicância foi anunciada, coloca “em causa o bom nome, a dignidade e a reputação” da Ordem, dos seus dirigentes e funcionários.

“Preferiram seguir a via do achincalhamento público e da denegrição da imagem” da Ordem e seus dirigentes

No documento, o advogado recorda que esta sindicância acontece sete meses antes das eleições para novos cargos dirigentes na Ordem dos Enfermeiros – Ana Rita Cavaco é a bastonária desde janeiro de 2016 – e após um período de luta pelos “direitos laborais” dos profissionais, que culminou em duas greves em blocos operatórios.

Em vez de “recatadamente realizarem as ações inspetivas que a lei prevê (…) preferiram seguir a via do achincalhamento público e da denegrição da imagem” da Ordem e seus dirigentes, ao optar pela sindicância,sustenta o processo cautelar a que a agência Lusa teve acesso.

O documento recorda que a sindicância foi objeto de um anúncio público num jornal nacional, no qual se convidava quem entendesse ter razões de queixa contra a Ordem a fazer chegar as suas posições à Inspeção-geral das Atividades em Saúde (IGAS), que estava a fazer a sindicância, entretanto suspensa provisoriamente por esta providência.

O Ministério da Saúde é acusado de induzir “suspeitas públicas” quanto ao caráter e cumprimento da lei por parte dos atuais dirigentes da Ordem

A exposição do advogado Paulo Graça recupera o argumento de que uma sindicância só pode ser posta em marcha quando “existam sérios indícios de ilegalidade de atos de órgãos e serviços que pelo seu volume e gravidade não deve ser averiguada no âmbito de um inquérito”, reiterando a ideia de “devassa”.

O Ministério da Saúde é ainda acusado de induzir “suspeitas públicas” quanto ao caráter e cumprimento da lei por parte dos atuais dirigentes da Ordem.

Ministra da Saúde encara situação com “muita naturalidade”

O documento, a que a Lusa teve acesso, refere também que a Ordem se sente “devassada em toda a sua extensão” e que esta sindicância avançou “sob a capa de vagas e nunca concretizadas referências ao suposto exercício de atividade sindical”.

A este propósito recorda que a sindicância está baseada em publicações da bastonária no Facebook, em notícias da agência Lusa ou entrevistas a jornais.

A ministra da Saúde, Marta Temido, fez, no entanto, saber que vai contestar, no prazo de 10 dias, a providência cautelar, “suscitar que não seja considerada a suspensão da sindicância“. Acrescentou que encara com “muita naturalidade” a situação e que os processos decorrem os seus trâmites normais nos tribunais.

“Ao Ministério da Saúde cabe concentrar-se naquilo que é a sua função e não deixar-se arrastar para querelas que não queremos alimentar, não alimentamos, e que nos parece que estão a ser sobredimensionadas”, afirmou Marta Temido, que preferiu não responder às acusações da bastonária da Ordem dos Enfermeiros sobre uma alegada falsificação de documentos referentes à sindicância, pedida pela ministra à Inspeção-Geral das Atividades em Saúde.

Fonte:
https://www.dn.pt/

Looks like you have blocked notifications!
93,875Fans
627Seguidores
276seguidores
6,774seguidores
3,579Seguidores
94Subscritores
3,369Membros
15,245Assinantes
 Segue o nosso canal
Faz um DonativoFaz um donativo

Comenta no Facebook

Pub

Portalenf Comunidade de Saúde

A PortalEnf é um Portal de Saúde on-line que tem por objectivo divulgar tutoriais e notícias sobre a Saúde e a Enfermagem de forma a promover o conhecimento entre os seus membros.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Botão Voltar ao Topo
Situs sbobet resmi terpercaya. Daftar situs slot online gacor resmi terbaik. Agen situs judi bola resmi terpercaya. Situs idn poker online resmi. Agen situs idn poker online resmi terpercaya. Situs idn poker terpercaya.

situs idn poker terbesar di Indonesia.

List website idn poker terbaik.

Permainan judi slot online terbaik

Adblock Detectado

Por favor, considere apoiar o nosso site desligando o seu ad blocker.
Partilha isto com um amigo
pasaran togel