Notícias

Observatório de Violência Obstétrica pede centros de parto normal

O Observatório de Violência Obstétrica questionou hoje a organização dos serviços de obstetrícia face “ao caos” instalado com o fecho de urgências, defendendo a criação de centros de parto normal para melhorar os cuidados prestados nesta área.

“A situação atual remete para a criação dos centros normais de parto que a Ordem dos Enfermeiros (OE) apresentou recentemente”, para rentabilizar os recursos humanos e garantir acessibilidade aos cuidados de saúde materna e obstétrica, adianta o Observatório de Violência Obstétrica (OVO PT) em comunicado.

Os centros de parto normal surgiram com o objetivo de resgatar o direito à privacidade e à dignidade da mulher durante o trabalho de parto e pós-parto, num local semelhante ao seu ambiente familiar e, ao mesmo tempo, garantir cuidados seguros, oferecendo-lhes recursos tecnológicos apropriados em casos de eventual necessidade.

Tal como a OE, também o observatório defende o envolvimento dos enfermeiros especialistas em Saúde Materna e Obstétrica na reorganização dos serviços, assumindo estes as funções de vigilância da gravidez e assistência ao parto de baixo risco.

O Observatório, uma associação sem fins lucrativos, formada por utentes e profissionais do sistema de saúde, insiste também na multidisciplinaridade dentro do Serviço Nacional de Saúde, designadamente no envolvimento dos profissionais não médicos, considerando que “desta forma é possível melhorar os cuidados prestados e, simultaneamente, retirar a atual pressão sobre a classe médica”.

A tomada de posição da Ordem dos Enfermeiros, emitida pela Mesa do Colégio da Especialidade de Enfermagem em Saúde Materna e Obstétrica, foi enviada no início de julho pela Ordem à ministra da Saúde, na sequência dos “constrangimentos severos” que têm ocorrido nos serviços de urgência de obstetrícia.

No final de junho, a bastonária da OE, Ana Rita Cavaco, afirmou, em declarações à Lusa, que existe “uma diretiva comunitária já com alguns anos que determina – e a maioria dos países assim o fez – que estes enfermeiros especialistas detêm competências para seguir autonomamente a gravidez de baixo risco nos centros de saúde”, mas que nunca foi transposta em Portugal.

A bastonária disse que se esta diretiva tivesse sido transposta para Portugal, significaria que as grávidas teriam um seguimento normal e regular nos centros de saúde das gravidezes de baixo risco, recorrendo muito menos à urgência” dos hospitais.

Recentemente, o observatório também lamentou a “total dependência” dos hospitais dos médicos especialistas.

“Os serviços são organizados com total dependência de médicos especialistas, ao invés de ser dada autonomia aos enfermeiros especialistas em saúde materna e obstetrícia, o que resulta num total colapso do sistema de apoio às mulheres grávidas em todas as fases do seu acompanhamento”, advertiu.

De acordo com a OE, existem em Portugal 3.182 enfermeiros especialistas em saúde materna e obstetrícia.

LUSA

Notícia relacionada

Observatório quer envolver mais profissionais não médicos na assistência ao parto

Fonte: Saúde Online

Looks like you have blocked notifications!

Pub

Portalenf Comunidade de Saúde

A PortalEnf é um Portal de Saúde on-line que tem por objectivo divulgar tutoriais e notícias sobre a Saúde e a Enfermagem de forma a promover o conhecimento entre os seus membros.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Botão Voltar ao Topo
Situs sbobet resmi terpercaya. Daftar situs slot online gacor resmi terbaik. Agen situs judi bola resmi terpercaya. Situs idn poker online resmi. Agen situs idn poker online resmi terpercaya. Situs idn poker terpercaya.

situs idn poker terbesar di Indonesia.

List website idn poker terbaik.

Permainan judi slot online terbaik

Keuntungan Bermain Di Situs Judi Bola Terpercaya Resmi
error: Alert: Content is protected !!