Notícias

Células T se infiltram no cérebro e causam dificuldade respiratória em condições que afetam os imunocomprometidos

As células T infiltram-se no cérebro e causam dificuldade respiratória em condições que afetam os imunocomprometidos

Disfunção pulmonar e mortalidade na condição C-IRIS. A Representação esquemática dos experimentos e linha do tempo. O desenho animado foi criado com BioRender.com. B Taxas respiratórias (FR) e saturação de oxigênio (SpO2) em quatro coortes: Tcra−/− camundongos que 1) não receberam infecção por CnH99 nem CD4+ Transferência de células T, 2) CD4 recebido+ Células T, 3) receberam infecção por CnH99 e 4) receberam infecção por CnH99 três semanas antes e depois por CD4+ Células T. n = 4–6 ratos por grupo. O teste de comparações múltiplas de Tukey foi utilizado para análise estatística seguindo ANOVA unidirecional. *p≤ 0,05. **p ≤ 0,01. C Pletismógrafo representativo e medições respiratórias derivadas de WBP: respirações por minuto (BPM), tempo total (TT), tempo expiratório (ET), tempo inspiratório (IT), pico de fluxo inspiratório (PIF), pico de fluxo expiratório (PEF) e minuto volume (VM) nas quatro coortes. n= 5 ratos por grupo. O teste de comparações múltiplas de Tukey foi utilizado para análise estatística seguindo ANOVA unidirecional. *p≤ 0,05. **p≤ 0,01. D Sobrevivência de camundongos das quatro coortes. n= 13–14 ratos por grupo para todos os experimentos. O teste log-rank (Mantel-Cox) foi utilizado para análise estatística. **p≤ 0,01. Todos os dados são apresentados como valores médios ± SEM. Crédito: Comunicações da Natureza(2023). DOI: 10.1038/s41467-023-39518-x

Quando o sistema de uma pessoa imunocomprometida começa a se recuperar e a produzir mais glóbulos brancos, geralmente é bom – a menos que ela desenvolva uma condição inflamatória potencialmente mortal. Uma nova pesquisa da Universidade de Illinois Urbana-Champaign descobriu que o desconforto pulmonar frequentemente associado à doença não é causado por danos aos pulmões, mas por células T recém-povoadas que se infiltram no cérebro.

Conhecer esse mecanismo de ação pode ajudar pesquisadores e médicos a compreender melhor a doença e fornecer novos alvos de tratamento, disse o líder do estudo, Makoto Inoue, professor de biociências comparativas em Illinois. O estudo foi publicado na revista Comunicações da Natureza.

A síndrome inflamatória de reconstituição imunológica associada ao Cryptococcus, conhecida como C-IRIS, ocorre quando um paciente imunocomprometido é infectado inadvertidamente pelo fungo Cryptococcus. Assim que o sistema imunológico do paciente começa a se reconstruir, criando mais células T, a infecção provoca inflamação sistêmica.

O C-IRIS afeta frequentemente pacientes que recebem terapia antirretroviral, em recuperação de quimioterapia ou de transplante, e também é conhecido por afetar mulheres no pós-parto ou pacientes com esclerose múltipla – mas ainda é difícil de diagnosticar, exigindo a exclusão de outras causas primeiro, disse o coautor do estudo, Jinyan Zhou, pesquisador estudante de pós-graduação em Illinois.

Querendo entender mais sobre a doença e sua progressão, os pesquisadores desenvolveram um modelo da doença em camundongos. Para conseguir isso, eles administram injeções de células T em camundongos imunodeficientes pré-infectados com Cryptococcus, simulando o que acontece quando o sistema imunológico começa a produzir níveis mais elevados de células T após ser suprimido. Os sintomas que os ratos desenvolveram – como inflamação, fluido no cérebro e disfunção pulmonar – estavam alinhados com os dos pacientes humanos.

“Vimos um grande número de células T infiltrando-se no cérebro em conjunto com a presença de disfunções pulmonares, o que nos disse que elas poderiam estar conectadas”, disse Zhou. “Em condições saudáveis, não deveria haver tantas células T no cérebro, porque essas células deveriam existir principalmente na periferia, com um pequeno número de células T patrulhando e vigiando dentro do cérebro”.

Quando os pesquisadores investigaram mais a fundo, descobriram uma cadeia de eventos que levava as células T a invadir o cérebro e afetar a respiração. O receptor CCR5 está implicado no HIV e no câncer, e também é encontrado na superfície das células T. Quando as populações de células T começaram a aumentar nos ratos, o receptor promoveu a infiltração dos glóbulos brancos no cérebro. Além disso, as células T que se infiltraram no cérebro produziram grandes quantidades de duas moléculas conhecidas por causarem danos aos neurônios nas regiões do cérebro que controlam a função respiratória.

“Descobrir que a disfunção pulmonar se deve a danos nos neurônios cerebrais foi uma nova maneira de ver esta condição”, disse Inoue. “Sabemos que o cérebro controla órgãos periféricos, mas esta é uma ideia notável para os médicos que tratam desta síndrome. Normalmente, são administrados medicamentos para tentar melhorar a função pulmonar, mas não funcionam. cérebro, o que nos dá novos caminhos de tratamento para atingir.”

Para verificar esta cadeia de eventos e identificar potenciais vias de tratamento, os investigadores trataram um conjunto de ratos com um medicamento que suprime o receptor CCR5. Tanto a função pulmonar quanto o desenvolvimento neuronal melhoraram.

“Achamos que isso também pode ter potencial para ser benéfico para os pacientes com C-IRIS, para prevenir a infiltração de células T no cérebro, e isso, por sua vez, pode prevenir a ocorrência dos sintomas”, disse Zhou. “Também poderíamos ter como alvo as moléculas que danificam os neurônios. Por exemplo, quando os pacientes recebem imunoterapias prescritas, talvez pudéssemos manipular essas células T para diminuir a expressão dessas moléculas.”

Em seguida, os investigadores planeiam estudar mais profundamente outras funções do sistema imunitário no C-IRIS e como mais sistemas no cérebro e no corpo interagem com as células T.

Mais Informações:
Tasuku Kawano et al, a infiltração de células T no cérebro desencadeia disfunção pulmonar em IRIS murina associada a Cryptococcus, Comunicações da Natureza(2023). DOI: 10.1038/s41467-023-39518-x

Fornecido pela Universidade de Illinois em Urbana-Champaign

Citação: Foi demonstrado que células T se infiltram no cérebro e causam desconforto respiratório em condições que afetam os imunocomprometidos (2023, 30 de agosto) recuperado em 30 de agosto de 2023 em https://medicalxpress.com/news/2023-08-t-cells-shown-infiltrate- cérebro-respiratório.html

Este documento está sujeito a direitos autorais. Além de qualquer negociação justa para fins de estudo ou pesquisa privada, nenhuma parte pode ser reproduzida sem permissão por escrito. O conteúdo é fornecido apenas para fins informativos.

Looks like you have blocked notifications!

Segue as Notícias da Comunidade PortalEnf e fica atualizado.(clica aqui)

Portalenf Comunidade de Saúde

A PortalEnf é um Portal de Saúde on-line que tem por objectivo divulgar tutoriais e notícias sobre a Saúde e a Enfermagem de forma a promover o conhecimento entre os seus membros.

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo
Keuntungan Bermain Di Situs Judi Bola Terpercaya Resmi slot server jepang