Notícias

O desporto e a atividade física por si só não conseguem resolver as desigualdades na saúde nas comunidades indígenas

quadra de basquete

Crédito: Pixabay/CC0 Domínio Público

O desporto organizado é frequentemente posicionado como uma solução para os muitos problemas de saúde que os Povos Indígenas enfrentam. Embora existam muitos benefícios na participação desportiva, exagerar esses benefícios corre o risco de obscurecer os problemas sistémicos que enfrentam ao tentarem criar as suas próprias visões para a saúde.

Embora a investigação indique que incentivar os jovens a praticar desporto e atividade física é essencial para melhorar os resultados de saúde, a relação entre a participação desportiva e a saúde nas comunidades indígenas não é tão simples.

Por exemplo, uma recente revisão da literatura realizada pelo Centro Colaborador Nacional para a Saúde Indígena chama a atenção para um problema político significativo: os jovens indígenas são mais activos fisicamente do que os jovens não-indígenas e, ainda assim, reportam resultados de saúde mais fracos.

Isto ilustra por que é problemático utilizar a participação desportiva como uma estrela guia na formulação de políticas para afectar resultados positivos na saúde. Historicamente, o desporto não conseguiu resolver as questões sistémicas que pesam sobre os Povos Indígenas e as suas comunidades. Para abordar estas questões profundas, é necessária uma abordagem mais abrangente e culturalmente fundamentada à política desportiva.

Políticas desportivas nacionais

As políticas esportivas nacionais são importantes porque servem de guia sobre como e por que o governo federal investirá no esporte. A primeira política desportiva do Canadá, Uma Lei para Incentivar o Fitness e o Desporto Amador, remonta a 1961. Apresentava principalmente acordos de partilha de custos com as províncias e territórios para envolver as pessoas no desporto para preparação física e competição.

Depois disso, o governo federal passou a focar cada vez mais no esporte de alto rendimento. Desde a década de 1970, bilhões de dólares foram investidos em atletas para ganharem medalhas de ouro, prata e bronze, como se seus prêmios estimulassem uma maior atividade física entre os cidadãos.

A orientação geral destas políticas é captada pela expressão “do recreio ao pódio” – um resumo adequado do alcance e da ambição da maioria delas.

Agora, uma nova política desportiva nacional está no horizonte imediato, e com ela virá uma discussão renovada sobre a ligação entre saúde e desporto no Canadá. O relatório de consulta que constitui a base da nova política refere-se ao desporto como um “componente integrante da saúde e da cultura no Canadá”, com citações que o descrevem como uma forma de cuidados de saúde.

Esporte e saúde

A relação entre a participação desportiva e a elaboração de políticas federais é antiga e está enraizada na sabedoria convencional de que encorajar os jovens a envolverem-se no desporto de forma fiável leva a melhores resultados de saúde.

Por exemplo, o primeiro objectivo da Política Desportiva do Canadá de 2002 visava aumentar significativamente o número de canadianos que participam no desporto, afirmando que a participação desportiva “contribui para vidas mais saudáveis, mais longas e mais produtivas”.

A Política Esportiva Canadense de 2012 continuou a destacar os benefícios positivos para a saúde da participação esportiva, dizendo que “fortalece seu desenvolvimento pessoal, proporciona diversão e relaxamento, reduz o estresse, melhora a saúde física e mental, a aptidão física e o bem-estar geral, e permite-lhes viver vidas mais produtivas e gratificantes.”

É evidente que a política de 2012 significava saúde num sentido lato. Estas foram afirmações grandiosas, considerando que apenas 34% dos canadianos participaram em alguma forma de desporto organizado em 2012. Em 2023, esse número aumentou para quase 50%, devido em grande parte às iniciativas de regresso ao jogo após a pandemia da COVID-19. uma tendência que pode ser inversa devido ao aumento do custo de vida.

Para os Povos Indígenas, não existe uma pesquisa oficial que rastreie a participação indígena no esporte no Canadá. Isto significa que as suposições sobre o desporto ser um impulsionador da saúde indígena podem não ser relevantes para muitos segmentos das populações das Primeiras Nações, Métis e Inuit. Significa também que a política desportiva pode exacerbar as desigualdades existentes na saúde, em vez de as abordar.

Determinantes sociais da saúde indígena

Embora o desporto seja um aspecto importante e valorizado da vida canadiana, o impacto relativo que pode ter na saúde geral de uma comunidade é atenuado por muitos factores externos – um ponto ilustrado pelos recursos de saúde pública do governo federal.

Abordar o esporte a partir da perspectiva dos determinantes sociais da saúde indígena esclareceria por que e como isso acontece. O governo canadiano utiliza actualmente os 12 determinantes sociais da saúde e as desigualdades na saúde para orientar as suas políticas.

Os determinantes sociais da saúde indígena vão além da abordagem actual do governo para incluir avaliações de outros factores negativos, como o colonialismo dos colonos, bem como factores positivos, como a cultura e espiritualidade indígenas.

Da mesma forma, o Apelo à Acção 89 da Comissão da Verdade e Reconciliação insta os decisores a adoptarem uma perspectiva mais ampla do desporto que envolva a saúde. Afirma:

“Apelamos ao governo federal para que altere a Lei da Actividade Física e do Desporto para apoiar a reconciliação, garantindo que as políticas para promover a actividade física como um elemento fundamental da saúde e do bem-estar, reduzam as barreiras à participação desportiva, aumentem a procura da excelência no desporto e capacitar o sistema esportivo canadense incluem os povos aborígenes.”

Perigos do evangelismo esportivo

Sem considerar criticamente como enquadramos o papel do desporto na vida canadiana, qualquer nova política arrisca os perigos do evangelismo desportivo: a falsa crença de que o desporto por si só pode fornecer uma solução milagrosa para questões sociais e estruturais.

A longa lista que compõe os determinantes sociais da saúde indígena é um lembrete visível da necessidade de compreender o esporte nessa matriz complexa.

Tanto nas comunidades tradicionais como nas indígenas em todo o Canadá, o desporto não é inerentemente bom nem mau. Pelo contrário, é uma ferramenta que deve ser usada com responsabilidade. Isto exige que reconheçamos tanto o seu potencial como as suas limitações para enriquecer a vida dos seus participantes, especialmente daqueles que sabemos que enfrentam desigualdades na saúde, como fazem os Povos Indígenas.

Fornecido por A Conversa

Este artigo foi republicado de The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original.A conversa

Citação: Pesquisadores: O esporte e a atividade física por si só não podem resolver as desigualdades de saúde nas comunidades indígenas (2024, 29 de janeiro) recuperado em 29 de janeiro de 2024 em https://medicalxpress.com/news/2024-01-sport-physical-tackle-health- desigualdades.html

Este documento está sujeito a direitos autorais. Além de qualquer negociação justa para fins de estudo ou pesquisa privada, nenhuma parte pode ser reproduzida sem permissão por escrito. O conteúdo é fornecido apenas para fins informativos.

Looks like you have blocked notifications!

Segue as Notícias da Comunidade PortalEnf e fica atualizado.(clica aqui)

Portalenf Comunidade de Saúde

A PortalEnf é um Portal de Saúde on-line que tem por objectivo divulgar tutoriais e notícias sobre a Saúde e a Enfermagem de forma a promover o conhecimento entre os seus membros.

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo
Keuntungan Bermain Di Situs Judi Bola Terpercaya Resmi slot server jepang