Notícias

Dicas para pais e cuidadores

por Amelia Austin, Gina Dimitropoulos, Sheri Madigan e Tracy Vaillancourt, The Conversation

isso já está em português

Crédito: Unsplash/CC0 Domínio Público

Na era das redes sociais, os jovens são constantemente bombardeados com tendências virais e mensagens tóxicas que estabelecem padrões irrealistas sobre a imagem corporal ideal. Isto se traduziu em uma expressão muito comum de insatisfação com a forma corporal entre os jovens.

Transtornos alimentares, como anorexia, bulimia, transtorno da compulsão alimentar periódica e transtorno de ingestão alimentar evitativa/restritiva são problemas graves de saúde mental que afetam aproximadamente um milhão de canadenses. Estas condições também estão a aumentar entre os jovens, com estudos a mostrar que as consultas de saúde por perturbações alimentares duplicaram durante a pandemia de COVID-19, em comparação com antes da pandemia.

Isto é preocupante, uma vez que já existem tempos de espera muito longos para programas de transtornos alimentares.

Impacto dos transtornos alimentares

Indivíduos com transtornos alimentares vivenciam uma relação problemática com a comida, muitas vezes acompanhada de sofrimento significativo em relação ao peso, forma e tamanho. Muitos experimentam insatisfação com a imagem corporal e alimentação restritiva.

Os transtornos alimentares não discriminam. Podem ocorrer em pessoas de qualquer raça/etnia, idade, classe socioeconômica ou gênero. Os jovens que não “se enquadram” no estereótipo de um transtorno alimentar, especialmente aqueles de origem negra, indígena e racializada, podem enfrentar atrasos no reconhecimento e no diagnóstico.

Os transtornos alimentares afetam todos os aspectos da vida de um indivíduo e contribuem para um sofrimento significativo para o indivíduo afetado e sua família, incluindo seus irmãos. Eles podem apresentar complicações graves e potencialmente fatais, como bradicardia (coração batendo muito devagar), osteoporose (enfraquecimento ósseo) e anemia (baixa contagem de glóbulos vermelhos). Os transtornos alimentares também estão associados a uma alta taxa de morte prematura.

Como médicos e pesquisadores, estudamos e trabalhamos com jovens e suas famílias que lutam contra transtornos alimentares ou “transtornos alimentares” (o espectro de comportamentos e padrões alimentares pouco saudáveis). Abaixo oferecemos um guia para pais e outros adultos que os apoiam no reconhecimento dos sinais de distúrbios alimentares nos jovens e oferecemos recursos práticos e dicas para apoiá-los de forma eficaz.

Sinais de alimentação desordenada

Considerando a crescente preocupação com o aumento do comportamento de transtorno alimentar em jovens e a importância do reconhecimento e da ação oportuna, é importante observar os seguintes sinais e sintomas de transtorno alimentar:

Comportamentos relacionados à alimentação desordenada:

  • Exercício excessivo para reduzir peso ou alterar a forma do corpo
  • Ir ao banheiro imediatamente após comer
  • Comer em segredo
  • Restringir alimentos, como um grupo alimentar específico
  • Uma preocupação em perder peso ou manter um peso corporal baixo
  • Pesar-se frequentemente por causa da insatisfação com a imagem corporal
  • Comportamento incomum em relação aos alimentos, como pesar/medir alimentos ou cortá-los em pedaços minúsculos, ou grande consumo de líquidos nas refeições (para diluição de calorias e sensação de saciedade)

Sinais físicos de alimentação desordenada:

  • Perda de peso inexplicável ou flutuações de peso (para cima ou para baixo)
  • Puberdade atrasada ou amenorréia (perda de menstruação)
  • Dentes sensíveis ou danificados
  • Tonturas ou desmaios
  • Sentindo frio
  • Dor de estômago

Sinais sociais e psicológicos de transtorno alimentar:

  • Mudanças de personalidade, como retraimento social e aumento da irritabilidade
  • Depressão ou ansiedade
  • Brigar com outras pessoas sobre comida, alimentação e peso
  • Evitar atividades sociais relacionadas à alimentação, como aniversários ou festas do pijama

Recomendações gerais para todos os pais e cuidadores

  1. Fique atento a mudanças repentinas ou drásticas nos hábitos alimentares de seu filho, como dietas extremas, evitar certos alimentos, preocupação com o peso e medo de perder o controle de comer demais. Além disso, fique atento às flutuações frequentes nos padrões das refeições.
  2. Preste atenção a quaisquer alterações físicas que você notar em seu filho, como perda ou ganho de peso inexplicável, fadiga persistente ou alterações de humor. Estes podem ser sinais de problemas subjacentes relacionados à alimentação desordenada.
  3. Esteja atento ao afastamento de situações sociais centradas na alimentação, como evitar reuniões onde haja refeições.
  4. Além do uso das mídias sociais, o modelo de papel dos pais pode moldar as atitudes e o comportamento das crianças em relação à alimentação e à imagem corporal. Como resultado, recomendamos que os pais abandonem a conversa sobre peso. É melhor evitar comentar sobre a aparência física, o peso, a forma e o tamanho do corpo das pessoas, incluindo o seu próprio e de outras pessoas em sua vida. Em vez disso, recomendamos que os pais se concentrem na saúde e não nas aparências e capacitem os jovens a desenvolver uma relação positiva com a comida e com o seu corpo.

A importância da identificação e intervenção precoce

Se você notar alguns dos sinais e sintomas de um transtorno alimentar, é essencial conversar com seu filho. Convide-os a compartilhar suas experiências e a ouvir sem julgamento. Expresse compaixão, gentileza e preocupação com sua saúde e bem-estar.

Se você acredita que a saúde do seu filho está em risco, diga-lhe calorosamente, mas com firmeza, que está preocupado com ele e organize o contato com um profissional de saúde. Marque uma consulta com seu médico e venha preparado para discutir o tipo de comportamento que você tem observado.

Pesquisas anteriores sugerem que procurar ajuda rapidamente pode ajudar na melhor recuperação de um transtorno alimentar. Esta consciência motiva tanto os prestadores como os familiares a agir para identificar rapidamente o comportamento de perturbação alimentar nos jovens e a defender que recebam cuidados abrangentes de uma equipa de saúde diversificada, incluindo psicólogos, médicos, dietistas e assistentes sociais.

Se você tiver uma longa espera por suporte direcionado em sua área, considere também explorar organizações respeitáveis ​​em sua localização geográfica.

É importante que os pais e cuidadores reconheçam que conversas negativas sobre o corpo não significam que seu filho tenha um transtorno alimentar. É, no entanto, algo a ter em conta, especialmente quando associado aos sinais de distúrbios alimentares fornecidos acima.

A linha de apoio e o chat ao vivo do National Eating Disorders Information Center estão disponíveis sete dias por semana. Para obter ajuda, ligue para 1-866-NEDIC-20 (ligação gratuita) ou chat ao vivo em nedic.ca

Fornecido por A Conversa

Este artigo foi republicado de The Conversation sob uma licença Creative Commons. Leia o artigo original.A conversa

Citação: Identificando os sinais de alimentação desordenada em jovens: dicas para pais e cuidadores (2024, 30 de março) recuperado em 30 de março de 2024 em https://medicalxpress.com/news/2024-03-disordered-youth-parents-caregivers.html

Este documento está sujeito a direitos autorais. Além de qualquer negociação justa para fins de estudo ou pesquisa privada, nenhuma parte pode ser reproduzida sem permissão por escrito. O conteúdo é fornecido apenas para fins informativos.

Looks like you have blocked notifications!

Segue as Notícias da Comunidade PortalEnf e fica atualizado.(clica aqui)

Portalenf Comunidade de Saúde

A PortalEnf é um Portal de Saúde on-line que tem por objectivo divulgar tutoriais e notícias sobre a Saúde e a Enfermagem de forma a promover o conhecimento entre os seus membros.

Deixe um comentário

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo
Keuntungan Bermain Di Situs Judi Bola Terpercaya Resmi slot server jepang